Alice Chala | Como era bom naquela época…

Percebo o quanto muitas vezes, olhamos para o nosso passado sob um ponto de vista “comparativo e invejoso”. Sim, invejoso. Muitas vezes passamos os olhos por fotos antigas, e exclamamos: “Nossa!Como eu era diferente naquela época!”. Temos o costume de falar principalmente da estética, aquela época em que eu era mais “magra”, mais “jovem”, mais bonita!Por que?Por que enxergamos o nosso “eu” do passado com tanto pesar?Com essa nostalgia que quase se transforma em tristeza. Por que muitas vezes desejamos aquele “corpo de antes”, ou até mesmo “as pessoas de antes”?Dentre esse processo de resgate, esquecemo-nos de olhar para a frente. Para nós mesmos e para cómo está a nossa vida agora e hoje. Esquecemos de celebrar cada passo que nos trouxe até aqui, independentemente de estarmos passando por uma fase ruim, acredito que nem toda lição que se aprende é lástima!Esquecemos de celebrar nossas cicatrizes, nosso aprendizado e nosso amadurecimento enquanto pessoas. O passado não deve ser uma âncora, em que nos agarramos e comparamos tudo o que vivemos em relação a ele.O passado deve ser motivo de orgulho e de saudade, se assim quiser, mas o presente precisa receber o devido valor.Tudo o que somos hoje, reflete o que fizemos ontem e nos anos anteriores também. Nossa caminhada não é fácil, a de ninguém é, e é justamente por isso que precisamos ser gentis com esse nosso trilhar.Quem sou eu hoje?Alguém que surtiria orgulho no meu “eu” passado? Alguém que regrediu e fez coisas ruins? Como posso melhorar a partir disso?Reconhecer o passado como um mentor, e saber que de alguma maneira, agora é o que há e é o que há de melhor para cada um de nós.Nosso corpo, nosso círculo de relações, tudo isso muda e muda por razões infindáveis e urgentes. Tudo muda porque tem que mudar!A vida pede e o futuro também!Embora o que te trouxe até aqui possa ter sido uma experiência sofrida, ainda assim, você está aqui com a possibilidade de seguir em frente e com uma bagagem ainda mais sábia.Quem eu fui um dia, não pode me dizer o que sou hoje, nem mesmo posso voltar para aquele momento. Tudo vai e vem, muito rápido. E viver querendo voltar, é um atraso. É um desrespeito com o que você se tornou, e como batalhou para isso.Tudo o que somos hoje, é muito, é tudo o que temos e é cima dessa obra que devemos trabalhar.
Com carinho, Alice.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Facebook