Bolsonaro e o vaso chinês

Recomendamos o artigo do jornalista Juan Arias, traduzido de publicação no El País


Foi Felipe González quem cunhou a célebre frase que correu o mundo em que comparava um ex-presidente político a um vaso chinês numa sala de estar. O vaso tem grande valor, mas ninguém sabe onde colocá-lo. Espera-se que uma criança o cutuque e que ele se quebre. O vaso acaba se tornando um estorvo.

A paródia do ex-presidente socialista espanhol me veio à mente diante da situação semelhante que vive o ex-presidente de extrema-direita, Jair Bolsonaro, no Brasil. Mesmo quando ele perdeu as eleições e fugiu para os Estados Unidos, o mundo político continuou a vê-lo como algo politicamente. Era um vaso chinês que mantinha seu preço.

E, de repente, com a velocidade com que os ventos às vezes mudam, Bolsonaro começou a aparecer diante dos olhos de todos aqueles que o admiravam como um estorvo, uma peste política da qual se deveria manter distância.

Sim, de repente, todos preferem que ao invés de voltar do exílio americano com um falso ar de vitorioso, ele fique fora do país. Até o novo presidente, Lula, que o derrotou nas urnas, deu a entender que, se Bolsonaro voltasse, preferiria que ele não fosse preso, algo que poderia torná-lo um mártir.

O Partido Liberal de direita que abrigou Bolsonaro, que não havia obtido assinaturas suficientes para criar seu próprio partido, não sabe agora, principalmente após o golpe fracassado, o que fazer com ele se voltar ao Brasil. Sobretudo porque o mais provável é que a Justiça eleitoral o declare inelegível por oito anos.

Por sua vez, os empresários mais conservadores que o apoiaram na campanha eleitoral e que ultimamente vêm financiando os golpistas que viraram de cabeça para baixo as três sedes do poder em Brasília , também demonstram interesse em que ele continue no exterior. Foram eles que acabaram de sugerir que Bolsonaro criasse uma empresa nos Estados Unidos para dar palestras políticas. Sugeriram quanto ele deveria pedir por cada uma delas: $ 10.000.

E se os Estados Unidos decidirem não renovar o visto dele? Para o presidente americano Joe Biden, que em breve conhecerá seu colega brasileiro, Lula da Silva, já basta Trump para criar dores de cabeça. Cerca de 45 deputados de seu partido já pediram que ele expulsasse Bolsonaro do país.

Caso isso aconteça e o ex-presidente brasileiro não possa continuar em seu áureo exílio americano, seus amigos empresários o aconselham a aproveitar o fato de ter nacionalidade italiana para se mudar para o país de seus ancestrais. Qualquer coisa, desde que não volte para cá.

E seus seguidores mais fanáticos? Eles também, alguns já presos, acusados de terem participado ativamente da destruição de Brasília, estão perplexos e confusos. Eles tinham certeza de que seu patrão, seu mito, seu messias, não os abandonaria e faria com que os militares os ouvissem e se tornassem cúmplices do desejo de estabelecer um governo autoritário. Muitos deles sentem-se traídos.

E a esposa de Bolsonaro, Michelle, a evangélica ferrenha que estava tão animada na campanha eleitoral que já se apresentava como candidata a sucedê-lo? Sua esposa, que organizou ritos religiosos com pastores evangélicos desde muito cedo no Palácio Presidencial em que ela, de joelhos, em um êxtase místico falava línguas estranhas, pedia a Deus que expulsasse daquele lugar os demônios do comunismo ali deixados por governos de esquerda.

A ex-primeira-dama, que inicialmente recusou-se a acompanhar o marido aos Estados Unidos, espalhando a notícia de que eles haviam se separado, agora continua feliz ao lado dele e se diverte, aconselhando mulheres sobre os produtos de beleza que ela usa e adora.

Tudo isso, por enquanto, aparece apenas como o prólogo de um romance cujo final ninguém em sã consciência seria capaz de adivinhar hoje. Será que Bolsonaro e seus seguidores conseguirão se levantar da atual letargia e derrota judicial e voltar à arena do poder com seus ritos antidemocráticos , confessando que foram traídos e enganados? Serão eles mais uma vez os reis e magos das redes sociais, espertos semeadores das fake news que lhes deram tantos dividendos. Ou será que as redes também o verão como o vaso chinês que começa a atrapalhar no meio da sala ?

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Facebook