Efeito COVID-19: Profissionais da cultura se reinventam para superar dificuldades causadas pela pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Artista vive do público. Mas o que fazer quando bares, restaurantes e casas de espetáculos dos mais diversos tipos estão com acesso restrito? Não importa se o palco é vip ou ao ar livre, pequeno ou grande, sem espectadores, não há show, cinema, sinfonia ou roda de pagode. E se não tem música, feira, oficina, dança ou interpretação – seja cômica ou dramática, quem faz cultura não tem como sobreviver.

A pandemia do coronavírus preocupa de forma redobrada os profissionais da arte que vivem e trabalham em cidades periféricas como Viamão. Se habitualmente a oferta cultural já é escassa nas localidades mais distantes da Capital, neste momento, as oportunidades estão reduzidas praticamente a zero.

Iarlen Machado de Lima, o Emici Tomzão, viu a agenda de shows desaparecer. É pelas redes sociais que ele tenta se manter financeiramente.

– Tenho usado este tempo para gravar, fazer lives, o público está gostando, mas não é a mesma coisa. Cada dia é um passo novo, as lives me ajudam a não ficar parado, um músico ajudando o outro – diz.

O presidente do Conselho Municipal de Cultura lembra que arte e cultura são conceitos que abrangem inúmeros segmentos e atividades. E que a maior parte dos trabalhadores do setor são informais:

– Vai muito além de música e shows. Temos artesãos, indígenas, quilombolas, artistas de rua, contadores de histórias. Todos produzem arte, vivem da arte e foram afetados pela crise – destaca Celso Broda.

Broda, que assumiu o conselho há quatro meses, cita a falta de políticas públicas permanentes por parte da Prefeitura para a cultura local como um agravante à pandemia. 

– Essas pessoas vivem aqui, mas trabalham em outras cidades porque não há oportunidades em Viamão. Para se ter uma ideia, não há o levantamento por parte da secretaria da Cultura de quantos produtores culturais existem em nossa cidade, estamos trabalhando para identificar esse pessoal e saber como foram impactados. Certo é que eles foram os primeiros a parar e serão os últimos a voltar à rotina – revela o presidente. 

O ator Igor Ramos, que também é professor e produtor cultural, contra que os espetáculos grupo teatral que integra foram canceladas. Nesse período de isolamento, dá aulas de teatro on-line.

– Tive uma leve redução de alunos em relação ás aulas presenciais, mas é a maneira que estou me mantendo no momento, porém, sem as produções, apresentações e circulações a a renda diminuiu drasticamente. Eu ainda tenho essa possibilidade, mas tenho muitos colegas que não têm essa alternativa, esses estão passando necessidades.

Ramos também lamenta a lentidão da gestão municipal.

– A Prefeitura, tardiamente, esta fazendo um levantamento pra doar cestas básicas, mas nem cadastro atualizado (dos profissionais da cultura) tinha. Esta ajuda pra quem de fato necessita é muito bem-vinda, mas fica em aberto, como pra muitos trabalhadores informais, outras contas, como água, luz e telefone.

 

Auxílio emergencial

 

O governo federal pretende liberar R$ 3 bilhões em auxílio financeiro a artistas e estabelecimentos culturais durante a pandemia. Os recursos serão repassados a estados, Distrito Federal e municípios, que devem aplicá-los em renda emergencial para os trabalhadores do setor, subsídios para manutenção dos espaços culturais e instrumentos como editais e prêmios. A lei, batizada de Aldir Blanc, foi sancionada nesta terça-feira (30), e a promessa é distribuir os recursos em 15 dias.

 

Entenda:

 

O texto prevê quatro formas de aplicação do dinheiro: renda para trabalhadores da cultura, subsídio para manutenção de espaços culturais, fomento a projetos e linhas de crédito. 

Para os trabalhadores da cultura, devem ser pagas três parcelas de R$ 600 a título de auxílio emergencial, que poderá ser prorrogado pelo mesmo prazo do auxílio do governo federal a trabalhadores informais e de baixa renda. O recebimento está restrito a dois membros de uma mesma família, e mães solteiras terão direito a duas cotas.

Para receber, os trabalhadores devem comprovar atuação no setor cultural nos últimos dois anos, cumprir critérios de renda familiar máxima, não ter vínculo formal de emprego e não ter recebido o auxílio emergencial federal. O auxílio também não será concedido a quem receber benefícios previdenciário ou assistenciais, seguro-desemprego ou valores de programas de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família.

 

Links para cadastro

Para saber como fazer o cadastro da secretaria municipal da Cultura, acesse: 

 Quem pode se cadastrar

Preencha os dados abaixo de acordo com o seu setor: 

ARTISTAS – bit.ly/culturaartistas
ESPAÇO CULTURAL – bit.ly/culturaespaço
GRUPO/COLETIVO – bit.ly/culturacoletivo

 

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Conteúdo relacionado

Ana D`Avila | A desaparecida

Foi assim, sem mais nem menos, que ela desapareceu. Carioca da gema, poetisa, escritora e entrevistadora… sumiu. Não houve jeito de localizá-la. Nem fazendo uma “live” no Facebook, nem ligando

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook