Guto e a primeira polêmica do ano

Guto está no primeiro mandato de vereador pelo PSol

Vereador do PSol apresenta projeto que proíbe o parcelamento dos salários, dá uma janelinha nos partidos da base aliada de Sartori em Viamão e inaugura um novo estilo de oposição, mais vibrante do que o visto até 2016

 

Pelo jeito, o vereador Guto Lopes, do PSol, não conhece o ditado caipira “uma andorinha não faz verão”.

Sozinho na oposição – tudo bem: o PT de Adão Pretto e Armando Azambuja tem vindo com ele –, Guto promete um ano mais agitado para o governo de André Pacheco do que o 2016 de Valdir Bonatto.

E a primeira polêmica é o projeto que proíbe o parcelamento do salário dos servidores.

 

Todos a favor?

 

A primeira vista, ninguém é a favor de parcelar salários.

Mas prefeitos de diversos partidos que compõe a base aliada ao paço na região estão parcelando. Em Cachoeirinha, o ex-prefeito Vicente Pires, do PSB, teve que se socorrer da mesma medida que o governo Sartori, do PMDB, vem se socorrendo desde abril do ano passado.

Faltou grana por lá.

Em Gravataí, Marco Alba, também do PMDB, pagou o 13º com empréstimo do Banrisul.

Ali em Alvorada, o prefeito que tomou posse no domingo, Appolo (PMDB), não sabe por quanto tempo o caixa da cidade vai suportar o peso da própria folha.

Embora a situação de Viamão esteja longe de ser caótica, a crise, de fato, preocupa.

Partidos que se vejam espremidos contra a parede tendem a não ver o projeto de Guto como um sinal ao funcionalismo de que, pelo menos em Viamão, os salários serão prioridade.

Tendem a ver isso como um constrangimento.

 

De onde veio a ideia

 

Pelas redes sociais, Guto explicou que buscou respaldo em iniciativas semelhantes apresentadas no Rio de Janeiro pelo deputado estadual Marcelo Freixo, aqui no RS, apresentada pelo deputado Pedro Ruas, e na Capital, apresentada pela vereadora Fernanda Melchiona.

— Não é possível imaginar uma escola ou unidade de saúde funcionando sem funcionários e especialistas. É critério de justiça e de humanidade que as pessoas que escolheram o serviço público como ocupação, tenham a prioridade de seus salários e gratificações — defende Guto.

O projeto segue agora para as comissões da Câmara e só deve ser votado depois do final do recesso, a partir de 15 de fevereiro.

LEIA MAIS

Guto Lopes, o líder da Oposição

Guto: o 22º vereador

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Elon Musk e o lítio da Amazônia

Seu encontro com o “capitão” suscitou debates sobre reservas brasileiras do minério, essencial à indústria de microchips e baterias. Inexploradas, poderiam gerar riquezas e soberania tecnológica. Mas nada prosperará sob

Leia mais »

Receba nossa NewsLetter

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook