VIAMÃO, 22/09/2020
opinião

Jessé Sangalli prometeu doar, até dezembro, metade do salário de vereador para saúde de Viamão

Só golpeachment cassa Jessé na Câmara de Viamão; o ’campeão do ego’

por Rafael Martinelli | Publicada em 13/04/2020 às 23h30| Atualizada em 18/04/2020 às 01h57

O vereador Jessé Sangalli até pode ser cassado pela Câmara de Viamão, mas por desejo dos vereadores, não por uma ilegalidade.

Explico.

Antes, um pouco de contexto.

O midiático parlamentar, que ficou mais de um ano sem partido, filiou-se ao Cidadania. Ao final da janela de transferências partidárias, em 4 de abril, transferiu o domicílio eleitoral para Porto Alegre.

Vilson ‘Viamão E Daí’ Arruda, da rádio Metropolitana web, divulgou nesta segunda que o advogado Rafael Menett protocolou pedido de cassação para que o suplente Canelinha Filho (PSDB) assuma como vereador.

Só que a decisão política é uma coisa; outra é o que está nos textos legais – que tantos rabiscam em cima ‘é verdade este bilhete’.

Os legislativos, obtendo maioria simples, no caso de Viamão 11 entre 21 vereadores, podem cassar até por espirro sem máscara. Restará a Jessé buscar uma volta ao cargo acionando o Judiciário.

O político já tentou um ‘habeas corpus preventivo’ junto à 1ª Vara Cível de Viamão, mas o juiz Cristiano de Azeredo Machado negou, pela manobra de cassação ainda ser, no dia 9, data em que analisou o pedido, uma simples suposição de Jessé.

– Necessário aguardar as informações, a fim de melhor elucidar os fatos alegados – decidiu o juiz, sem analisar o mérito.

Analiso eu e, ao fim, entro também na política.

O artigo 25 da Lei Orgânica do Município de Viamão estabelece que “perderá o mandato o Vereador que fixar residência fora do Município”.

O Decreto Lei 201, publicado em 1967 pelo ditador Castello Branco, que regra até hoje a cassação de prefeito e vereadores, estabelece no artigo 7º que “a Câmara poderá cassar o mandato de Vereador, quando (...) II - Fixar residência fora do Município”.

Só que o caso de Jessé não se enquadra na troca de residência. Conforme a documentação que apresentou na tentativa de ‘habeas corpus’, a troca se deu para a Capital por lá exercer função de servidor público o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, na Praia de Belas. Mas ele continua morando em Viamão.

Observe que tanto a Lei Orgânica quanto o Decreto 201 proíbem a “residência fora do município”.

Conforme o Artigo 42 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965), Jessé pode seguir vereador em Viamão e ainda ser elegível em Porto Alegre na eleição de 2020. Diz o Parágrafo único que “para o efeito da inscrição, é domicílio eleitoral o lugar de residência ou moradia do requerente, e, verificado ter o alistando mais de uma, considerar-se-á domicílio qualquer delas”.

Nas ações de constitucionalidade 16.397/2000 e 18.124/2000 o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já assentou que o conceito de domicílio eleitoral não se confunde, necessariamente, com o de domicílio civil, aquele, mais flexível e elástico, identifica-se com a residência e o lugar onde o interessado tem vínculos (políticos, sociais, patrimoniais, negócios).

Agora, a política.

Se não foi uma coincidência, a ameaça de cassação surtiu um bom efeito para o enfrentamento da crise do coronavírus. Jessé, que recebe R$ 10 mil da Câmara, além dos vencimentos como servidor público do judiciário, anunciou que até o fim do ano vai doar metade do salário para o Hospital de Viamão.

Já na live (para assistir clique aqui) em que garantiu que não renuncia como aconteceu com o vereador Gugu Streit, que também trocou a velha pela nova Capital, as “graves denúncias” que anuncia Jessé, na frente do iPhone na garagem de casa, são daqueles Grandes Lances dos Piores Momentos da política.

O vereador justifica a troca de domicílio eleitoral pela “certeza” de que nenhum partido o deixaria concorrer neste ano, devido às denúncias que apresenta – e, realmente, às faz, como o frustrado pedido de impeachment do prefeito afastado André Pacheco, que tratei em Câmara de Viamão vota abertura de impeachment do prefeito, e sempre com bastante selfies e lives patrocinadas.

Conforme a amalucada teoria da conspiração, partidos tramariam um conluio para tirá-lo da política de Viamão – o que, então, conseguiram, já que Jessé pinoteou para a Porto Alegre de Any Ortiz.

Na real, Jessé sonhava com o Novo, mas o partido não existe, e com a crise do coronavírus viu seu discurso embolorado de estado mínimo ruir frente à gana do Deus Mercado, a fome dos bancos e a miséria da população.

– Socorro estado!

– Somos todos SUSialistas!

Ao fim, Jessé só um ‘golpeachment’ cassa Jessé. Inegável é que no ‘Campeonato do Ego’ eleito está.

Menos, vereador, menos.

 

LEIA TAMBÉM

Prefeito de Viamão, 5 secretários e vereador afastados por suspeita de corrupção

Silêncio é pena capital para prefeito afastado em Viamão; o herói incômodo

’Lava Jato de Viamão’: os diálogos entre o prefeito e o vereador’Lava Jato de Viamão’ bloqueia 15 milhões em bens de prefeito e réus; leia diálogos