Mudanças: vida é como água corrente

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Há tempos não escrevo como quem arde, como quem necessita. Há tempos não sinto que algo me atravessa até o fundo do coração, até rasgar a epiderme, até o peito começar a doer. Mas a mudança, os novos ventos, me atravessa.

O modo como as coisas vêm e vão, o modo como tudo é tão fugaz. Estes aspectos da vida me intrigam e, embora me tragam inquietação, também me fazem refletir.

A mudança faz-nos refletir sobre o controle que julgamos ter sobre a vida, olhar para os planos e dar uma risada sarcástica: como quem duvida, como quem não se entrega completamente aos horários, aos objetivos determinados. Em um instante, tudo aquilo que pensávamos ser, não é mais.

O ser humano se debate frente a esta constatação, a necessidade de controle é levada para a terapia, nos adoece querer saber demais de uma vida que nada nos deve, uma vida que não precisa se justificar ou dar satisfações. 

Certa vez li uma frase que jamais esqueci: “lembre-se, a vida não te deve nada!”. E não é a mais pura verdade? Ficamos irados, entristecidos, confusos quando os acontecimentos destoam daquilo que estava detalhadamente escrito em nosso planejamento do ano… castramos a fluidez da vida, colocamos em caixa, esquecemos das variáveis e de tudo o mais… existe muito por trás daquilo que poderia ser, e existe ainda mais por trás daquilo que será. Quais as lindas possibilidades, quão duro pode ser o encontro com essas incertezas?

Se este desabafo, monólogo, fosse uma redação… eu usaria como solução para o nosso problema viver um dia de cada vez. Na correria do dia a dia, ficamos atados em planos futuros e esquecemos de aproveitar o que se apresenta hoje.

A mudança torna-se tão misteriosa porque não nos entregamos a ela, não trocamos a rota na ida para o trabalho, não aceitamos as pequenas diferenciações do cotidiano. Precisamos de mais doses de vida fluída, só assim a consciência da nossa falta de controle sobre a vida poderá aflorar…

Entregar-nos aos momentos mais inesperados, isso é viver. Sem encarar como bom ou ruim, mas simplesmente chamar de “vida”.

Quão fácil tudo parece ser do lado de cá, por trás das palavras, embora seja difícil de internalizar, é melhor viver assim… surpreendendo-se a cada dia, flexibilizando os planos, encontrando caminhos com paisagens diferentes daquelas que enxergamos usualmente. Gosto de falar que muitas coisas são inerentes à vida, difíceis de fugir. Vão acontecer! 

É como a mudança, é inerente à vida, vai acontecer! Está acontecendo agora mesmo, as águas já são outras desde o momento em que você começou a ler. Que lindo! Isto é fluidez, vida em estado de verdade absoluta.

Com amor, Alice.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Conteúdo relacionado

Ana D’Avila | A indecisa

Ela tinha pouca opinião, muitas indagações e uma única e perturbadora incapacidade de decidir. Tudo para Luzia era dúbio. E por ser assim, tudo ficava confuso e difícil. Diz o

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook