Segunda, 01 de JUNHO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna do gustavo

Relacionamentos de Sucesso

por Gustavo Guedes | Publicada em 12/02/2020 às 14h07| Atualizada em 03/03/2020 às 17h07

A vida é feita de relacionamentos e a forma como os vivenciamos diz muito sobre nossa personalidade e tem influência direta no bem-estar. Não me refiro apenas às pessoas, como namorados, colegas, amigos e familiares, estou falando também de como nos relacionamos com nossa saúde, cidade, carreira, filosofia, finanças.

Em todas as mais variadas esferas, relacionamentos podem dar certo ou errado, mas a maneira como avaliamos o quão bem sucedidos foram é a parte complicada e merece maior atenção para uma análise correta. Um casamento, por exemplo, pode durar uma vida inteira e mesmo assim ser um completo fracasso se o casal não compartilha prioridades, mas apenas a vontade de não estar juntos. Da mesma forma um romance de poucos anos pode ser um sucesso se houve troca de experiências e após o término cada um levar um pedaço do outro guardado junto com as boas lembranças.

A mesma analogia é aplicável às relações profissionais. Se um chefe não admira a inteligência das pessoas que trabalham para ele, mesmo se os salários forem baixos e os resultados positivos, vai sempre achar que está pagando os funcionários mais do que merecem e acaba demandando deles além do razoável. Em contrapartida, um empregado que não compreende como oportunidade uma função ter lhe sido atribuída, sempre considerará seu superior um carrasco. E a consequência destes relacionamentos ruins é o estresse.

Este estresse no trabalho pode afetar outra importantíssima relação na qual devemos prestar muita atenção: a com nossas finanças. Porque precisamos ganhar dinheiro para obter mais conforto e ter experiências, mas a saúde financeira não é sinônimo de sucesso, pois se para sua conquista é gasta toda nossa energia, este relacionamento também é falho. E o mesmo acontece ao contrário. Ser uma pessoa sem o estresse da vida profissional, mas sem possibilidade de aquisições materiais e lazer, é muito inconveniente.

Mesmo tendo passado um ano inteiro sem trabalhar e sem nenhum problema para resolver, seria péssimo chegar ao final deste período e não ter possibilidade alguma de viajar para conhecer aquela cidade que tanto queríamos. Aliás, já reparei como algumas pessoas viajam e exaltam os lugares que visitaram sem perceber que sua terra natal tem as mesmas características. Isto mostra que seu relacionamento com o lugar onde moram não está bom, mas a culpa não é do local e sim de como o vivenciam.

Em última análise, talvez a melhor forma para nos sentirmos melhor sobre estas relações seria trabalhar para conviver bem com a própria personalidade, porque os relacionamentos com nossos casos amorosos, carreira, chefes e funcionários, economias, lugar onde vivemos e todas as diversas situações que vivenciamos e pessoas que conhecemos, nada mais são do que reflexo de como nos relacionamos com nós mesmos.

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS