Sabado, 30 de MAIO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Revés

No fim de semana, Jessé fez divulgação política de seu nome em Porto Alegre | Imagem: Reprodução / Arquivo Pessoal

Vereador Jessé sofre derrota e pode ficar ’nem lá, nem do lado de cá’ da Ipiranga

por Cristiano Abreu | Publicada em 22/05/2020 às 00h| Atualizada em 29/05/2020 às 11h42

Saiu a sentença - e não é boa para Jessé Sangali. A Justiça acatou pedido do Ministério Público Eleitoral e negou registro de domicílio do vereador em Porto Alegre. Ainda cabe recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), mas a derrota abre questões legais que podem também reverter a flilação partidária na Capital. 

Ou seja, o futuro do político é mais do que incerto neste momento. 

A decisão do juiz da 1ª Zona Eleitoral Mauro Caum Gonçalves, publicada nesta sexta-feira (22), cita que considera por domicílio "onde se estabelece com laços de permanência", e que não há justificativa para a transferência do registro eleitoral. 

Eis o principal trecho da decisão:

"No caso, o requerido não nega que tenha seu centro de interesses em Viamão e que pretende transferência para Porto Alegre a fim de viabilizar um projeto POLÍTICO de eleição. Não se trata, como se vê, de um mero cidadão que teve alterada sua vida. ORA, se reside e tem seu principal centro de interesses em Viamão, não há justificativa plausível em querer transferir seu domicílio eleitoral, eis que radicado lá.

DITO ISSO, indefiro o pedido de transferência do eleitor.​"

Em Viamão, o vereador está sem partido. Como parte da decisão de concorrer na Capital, filiou-se ao Cidanania, mas sem domicílio na cidade, a participação na agremiação partidária poderá ser questionada. Caso perca a ficha em Porto Alegre, não há mais prazo legal para uma filiação em Viamão com objetivo de disputar uma nova cadeira na Câmara local, portanto, como a coluna antecipou no artigo: O que passa na cabeça do Jessé e dos adversários? A queda de braço vai longe, Sangali pode ficar olhando as eleições passando sem participar, seja do lado de cá ou de lá da Ipiranga.

Imagem: Reproução site Justiça Eleitoral

 

Procurado pelo Diário de Viamão, o vereador afirmou por escrito que a sentença do Juiz eleitoral "reflete posição pessoal do procurador do MP - que tem entendimento diferente do TSE-" e que responde ao DV "apenas por consideração ao meio de comunicação", pois prefere "aguardar uma decisão definitiva nas instâncias superiores".

Segue na íntegra:

"A sentença reflete uma posição pessoal do Procurador do MP, que tem um entendimento diferente do TSE. A tendência é as decisões nesses casos se adequem à jurisprudência do TSE e do próprio TRE nas instâncias superiores. Entretanto é comum juízes decidirem com base na opinião do MP, como é o caso, mesmo quando esse entendimento não encontra respaldo na lei. É por isso existem as instâncias de recurso superiores.

Toda a Lei e a jurisprudência nacional, já estabelecida, concordam com o nosso argumento. Existem até consultas feitas ao TSE onde ele se manifestou favoravelmente a casos iguais ao nosso. 

Estamos encarando esse processo como algo normal. O Promotor tem opiniões políticas fortes, e fez questão de as ressaltar - tanto que em momento algum utilizou fundamentos legais ou jurisprudenciais. Pelo contrário, o MP ressaltou expressamente não ter nenhuma ilegalidade ocorrendo, apenas disse que a opinião dele é que não deveria poder haver o trânsito solicitado, mas é uma avaliação bem pessoal e própria. 

A tendência é um julgamento mais técnico no TRE, mais apegado à Lei e, principalmente, à jurisprudência, que é unânime.

Respondo aos questionamentos do DV, apenas por consideração ao meio de comunicação. Por vontade pessoal, eu aguardaria uma decisão definitiva nas instâncias superiores. Mas como o DV tem cobrido essa situação há algum tempo, achei adequado responder as suas perguntas. 

Agradeço, enfim, a oportunidade. 
Jessé Sangalli"

 

 

LEIA TAMBÉM

Só golpeachment cassa Jessé na Câmara de Viamão; o ’campeão do ego’

 Sobe para 38 o número de casos de COVID-19 em Viamão

Para evitar surto da COVID-19, Prefeitura afasta 46 servidores após caso positivo na Administração

Justiça nega retorno de André Pacheco à Prefeitura

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS