Segunda, 21 de SETEMBRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Operação Capital

Justiça afasta André Pacheco por mais 120 dias; A cassação antecipada e a morte anunciada

por Cristiano Abreu | Publicada em 07/08/2020 às 00h| Atualizada em 18/08/2020 às 22h34

Em fevereiro, quando o Rafael Martinelli deu início à cobertura da "Lava Jato de Viamão", ele foi lúcido ao cravar que culpado ou inocente, André Pacheco restaria alijado politicamente da Operação Capital. Não errou.

As investigações ainda não encerraram, o Ministério Público (MP) sequer ofereceu denúncia e, salvo nova movimentação processual nas próximas horas, os demais suspeitos apontados terão seus afastamentos findados no começo da semana que vem.

Menos André.

A decisão do desembargador da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RS (TJ) Julio Cesar Finger nesta tarde (7) em acatar pedido do MP e prorrogar o afastamento do prefeito de Viamão escolhido pelas urnas é, na prática, cassação de mandato antecipada. É a morte política de Pacheco, eis que ao fim do novo prazo, desta vez de 120 dias, terá transcorrido o ano, a eleição e o desgaste da imagem será praticamente irreversível.

Sem juízo de valor sobre culpa ou inocência, mas o pedido do Ministério Público indica que há mais por apurar. E o aceite da Quarta Câmara do TJ corrobora a tese de que Pacheco segue com muita influência nos bastidores - foi essa a justificativa para mantê-lo longe da Prefeitura até dezembro, conforme o Diário mostrou em Os motivos que levaram o MP a pedir a manutenção do afastamento de André Pacheco. E a hipótese ganha força quando ele é visto em reunião com vereadores de diferentes correntes ideológicas que articulavam o acordão para a mesa diretora da Câmara e a escolha do seu próprio substituto.

De que adiantariam 22 dias de gestão, no apagar das luzes de 2020, após 300 dias de afastamento? A ironia aqui é que André deveria torcer para que o MP ofereça logo sua denúncia. Marcado na testa, ele já está, por tudo que paira contra si. Assim, poderia tratar de sua defesa e tentar construir uma narrativa que lhe favoreça, o que não conseguiu até agora.

Tentar provar inocência e voltar logo à cadeira é o pouco que lhe resta.

E aos defensores que questionam neste momento porque não ventilo um arquivamento do processo, respondo que é chance remota, para não dizer nula. Fosse o contrário, nenhum desembargador de Justiça em sã consciência assinaria uma cautelar que praticamente extingue um mandato.  

Ao fim, fecho com a frase do Martinelli no primeiro dia do afastamento: "André Nunes Pacheco é um cadáver político sob o risco de, ao fim do processo penal, ou a qualquer momento, ser preso."

 

O que decidiu o Tribunal de Justiça:

O desembargador da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RS (TJ) Julio Cesar Finger acatou nesta tarde (7) o pedido do Minstério Público e prorrogou o afastamento do prefeito de Viamão André Pacheco por mais 120 dias. O político permanece impedido de frequentar as estruturas do Poder Executivo, de contratar com o município ou manter contato com os demais investigados pela Operação Capital até dezembro deste ano.

A Procuradoria Geral do Município e a Câmara de Vereadores já foram notificadas pelo TJ da decisão. Com isso, Nadim Harfouche permanece no comando da Prefeitura, salvo se as ações judicias e políticas do vereador Evandro Rodrigues (DEM) tenham desfecho favorável ao grupo opositor (MDB, PSB e DEM).

 

O que diz o prefeito:

André Pacheco e seus advogados mantém silêncio desde o início da Operação Capital. A coluna oferta espaço para eventuais manifestações.

 

 

 

LEIA TAMBÉM

 

Como secretário foi envolvido na ’Lava Jato de Viamão’; Carlito Gandhi de Calcutá

’Lava Jato de Viamão’ bloqueia 15 milhões em bens de prefeito e réus; leia diálogos

Dédo Machado: ’Não posso jogar 27 anos da minha vida pública na lata do lixo por irresponsabilidade de um menino que está sendo comandado

Homem por trás do afastamento de André Pacheco rompe o silêncio um ano após denúncias que deram origem à ’Lava Jato’ de Viamão

Últimas

Eleições 2020
Candidatos definidos: as últimas melancias acomodadas na disputa pela Prefeitura de Viamão
Desdobramentos
Operação Pegadas: a política de Viamão pisa em ovos
279 anos
Aniversário de Viamão: o amor pela cidade não pode ter dono ou ser ideologizado
Coluna do Brasil
Claudio Brasil | Quanto ao filme “2020”...  emoções fortes aguardam nos próximos capítulos
Eleições 2020
Convenções partidárias entram na reta final; Conheça os nomes definidos e as articulações para a disputa pela cadeira de prefeito
Política
Em coletiva, Valdir Bonatto rebate adversários e tenta afastar dúvidas sobre sua candidatura a prefeito: ’inventaram a falácia dos R$ 17 milhões. Tenho minhas contas aprovadas pelo TCE’
Crise do coronavírus
A volta às aulas presenciais e o empírico ’não, por enquanto’ da Prefeitura. As coisas são diferentes na política de Viamão
Operação Capital
André Pacheco perde em Brasília, e afastamento da Prefeitura está mantido; Os advogados bateram na porta errada
Política
Valdir Bonatto tenta na Justiça anular decisão sobre reprovação de contas, mas não leva, e adversários políticos partem pro ataque; A eleição esquenta
Política
Justiça aceita denúncia do Ministério Público contra André Pacheco e vereador
Crise do coronavírus
A COVID-19 está lá fora; e mesmo sem agir, as consequências não afetam a gestão de Nadim
Política
Jessé livre para voar; a vitória na Justiça Eleitoral e a renúncia inesperada: ’Triste por não poder ficar até o final’

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS