Segunda, 18 de JANEIRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

Enquanto pessoas lutam por ar em UTIs, Bolsonaro sem máscara diz que estamos perto do fim da pandemia

O ‘finalzinho da pandemia’ em Viamão: mais 300 casos em 15 dias, ultrapassamos as 200 mortes e as UTIs estão superlotadas

por Rafael Martinelli | Publicada em 14/12/2020 às 00h| Atualizada em 18/12/2020 às 22h36

Porque há o direito ao grito; então eu grito. Cito Clarice Lispector, nos 100 anos de nascimento, para berrar meu repúdio a Jair Bolsonaro, que na passagem pelo Rio Grande do Sul, para abanar aos carros na inauguração da nova ponte do Guaíba que começou a ser construída em 2014, disse que “estamos no finalzinho da pandemia”.

Vou dar a ‘ideologia dos números’ desse ‘finalzinho de pandemia’ em Viamão: nesta terça (15) já são contabilizados (oficialmente) 3.604 infectados e 213 vidas perdidas desde o primeiro caso em 20 de março. Nos últimos 15 dias foram mais de 300 casos, 229 deles em dezembro. Nesse mês são 16 novos casos por dia e 9 vidas perdidas.

No Brasil a pandemia segue em crescimento: 181.835 óbitos registrados e 6.927.145 diagnósticos até quinta. Foram 433 mortes e 25.193 novos casos em 24 horas. Na semana que passou, vivemos o dia com maior número de doentes oficiais desde 12 de agosto, no até então pico epidemiológico no país.

Conforme o G1, “a curva de mortes mostra um intenso crescimento desde o dia 11 de novembro. A média móvel vem de altas consecutivas. Com o avanço das últimas semanas, o Brasil reverte uma breve tendência de queda de casos e mortes registrada, especialmente, em outubro. Isso, sem contar com a intensa subnotificação, que é o que ocorre em Viamão. De acordo com cientistas, o número de mortes e casos são, seguramente, maiores”.

Não esqueçamos de lembrar dos profissionais de saúde. Cito a reportagem da jornalista Larissa Roso, em GaúchaZH, que reporta “crises de choro, rompantes de irritação e impaciência, brigas entre colegas, sintomas depressivos, aumento no consumo de álcool, ganho ou perda de peso”. Isso sem falar nas mortes, que personifico em Gislaine Pinto Lopes, auxiliar de enfermagem do Hospital Fêmina, em Porto Alegre, que há uma semana perdeu a vida aos 34 anos.

Não tem nada de torcida ou secação, são os fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos. Só confirma que o que escrevi em UTI de Viamão lotada; a ’eleição’ e o verão da COVID. Lembro ainda que negacionistas ficaram indignados no "Grande Tribunal das Redes Sociais", porque alertei que Bolsonaro desdenhou das vidas da população em março ao comparar a SARS-COV-2 ao H1N1. O mesmo aconteceu quando alertei que por essas e outras, Bolsonaro matou Russinho.

Basta ver que os números só aumentam!

Se Bolsonaro não é desinformado, é um informado do mal. Se não é um louco, criminoso é. As palavras de um Presidente da República têm peso para incentivar comportamentos mortais. Assim como são um símbolo ruim imagens do ‘mito’ de rosto colado com o prefeito eleito de Porto Alegre, Sebastião Melo, os dois políticos com máscaras nas mãos.

Reputo essas palavras do, como diz o Fraga, deprimente da república, que tem o poder de mover multidões para a cova, por comportamentos irascíveis, muito mais passíveis de Ação Civil Pública por Danos Coletivos do que as que motivaram o Ministério Público gaúcho a acionar em R$ 200 mil a Rádio Gaúcha e o jornalista David Coimbra, por bobagens ditas sobre os assaltos do ‘novo cangaço’ em Criciúma e Cametá.

É o meu desabafo. Sei que na Velha Capital, serei chamado de "comunista", "petralha", enquanto o ex-presidiário Lula resta condenado e Bolsonaro mata gente com suas palavras (que tantos relativizam apesar de terem a força influenciadora de um ‘mito’) e o promotor Voltaire de Freitas Michel de repente aparece no programa de TV do Bibo Nunes.

Ao fim, cancelem-me, denuncie-me mais haters, milícias digitais que conseguiram me banir do Facebook. Procurem outro imbecil, ou muito esperto, para ler. Não sou caça-cliques. Deixo meu grito inspirado em Clarice: é a pandemia do século, covidiotas!

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS