Domingo, 24 de JANEIRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Legislativo definido

Armando presidente e Dieguinho vice: as cartas marcadas na eleição da Câmara

por Cristiano Abreu | Publicada em 31/12/2020 às 00h| Atualizada em 01/01/2021 às 14h42

Na manhã do dia 1º de janeiro, Armando Azambuja (PSDB) será eleito presidente da Câmara de Vereadores. E o primeiro vice se encaminha para ser Dieguinho Santos (PSD).

Amanhã, no primeiro dia de 2021, se ninguém descumprir o acordão fechado na noite do dia 30 de dezembro, Dilamar de Jesus volta à mesa diretora. Será o segundo vice-presidente.

Às 10h, começa a cerimônia de posse dos eleitos para a legislatura 2021-2024. Horas depois, após os discursos inflamados, as juras de amor à Viamão e fotos com sorrisos do tipo "missão cumprida", saberemos se é correta a especulação que coloca Rodrigo Pox (PDT) e Preguinho (DEM) como primeiro e segundo secretários, respectivamente.

Depois é curtir a parada da Casa do Povo, que só volta em fevereiro. Não é o Judiciário, mas por regimento, também tem recesso.

A sexta-feira no plenário Tapir Rocha terá debate, mas apenas para ficar na história da casa. E como o acordo para deixar o PT fora da mesa, PTB na presidência em 2022, PP em 2023 e PL em 2024 já foi selado, a primeira sessão de 2021 talvez não tenha inscrição de chapa feita no improviso, como ocorreu na eleição de Nadim Harfouche (PSL).

 

PONTUO:

 

- Arrisco uns pitacos nesse texto, cravei nomes confiando em fontes. E embora corra o risco da "barrigada" (jargão do jornalismo), vou adiante, pois ser "comentarista de resultado" é fácil. Junto, deixo o seguinte raciocínio:

- Armando foi decisivo na campanha dos tucanos. Desequilibrou para o  lado dos vencedores. Queria voltar ao comando da Casa do Povo - e o fizeram atingir o objetivo. A presidência é prêmio justo - de acordo com o tamanho dele nas urnas. 

- Necessário elogiar a habilidade do prefeito eleito em negociar. Embora digam que o acordo valerá só para a mesa, ele trouxe para o seu lado o PSD do inimigo André Pacheco, o PDT dos rivais das urnas Guto Lopes e Alexandre Godoy, o DEM do adversário político Evandro Rodrigues e o PSB do desafeto Geraldinho Filho.

- O novo chefe do Executivo já venceu duas: conduziu com maestria a composição do secretariado e projeta a governabilidade no Legislativo. Terá maioria expressiva na Casa: 13 votos. Mesmo que jurem que o acordo foca apenas na eleição.

 - O jogo está jogado! Bonatto Bateu com as dez cartas da mão. E nem precisou de coringa.

 

No mais, a coluna deseja feliz ano novo. Que 2021 seja infinitamente melhor na vida de todos!

 

Leia também

Os primeiros nomes: apuração do Diário revela secretariado de Valdir Bonatto

A nova composição da Câmara: conheça os eleitos e os suplentes

Pelo menos quatro frentes disputam a presidência da Câmara: o cabo de guerra

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS