Quinta-feira, 21 de OUTUBRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Esporte

’O Barcelona pensou que iria nos golear a hora que quisesse’, diz atacante que venceu o mundial | IMAGEM: reprodução

Adriano Gabiru: ’Inter é tudo pra mim’

por Saul Teixeira | Publicada em 30/07/2021 às 00h| Atualizada em 02/08/2021 às 17h23

Autor do gol mais importante da história do Internacional, Carlos Adriano de Souza Vieira, o Adriano Gabiru, bateu um papo exclusivo com o jornalista Saul Teixeira, colunista do Diário de Viamão, em um restaurante de Porto Alegre*.

Confira:

 

Sem pensar duas vezes, o outrora camisa 16 respondeu questões como: Você se sente injustiçado pelo Inter? Quem escalava a equipe era o presidente Fernando Carvalho? Fernandão, Clemer e Iarley não se ‘davam’ com o restante do elenco? Você se sente satisfeito com o tratamento que o Inter te ofereceu depois do Mundial?

Nascido em Maceió, nas Alagoas, em 11 de agosto de 1977, Gabiru teve passagem exitosa também pelo Atlético-PR, onde conquistou o Brasileirão de 2001; integrou a seleção pré-olímpica do Brasil, em 1999, ao lado de Ronaldinho Gaúcho e Alex, além de rápida experiência no futebol francês, no mesmo período. Surgido no CSA-AL, em 1997, Gabiru defendeu ainda Cruzeiro, Figueirense, Sport, Goiás e Guarani-SP.

 

1) O que passou na sua cabeça após a marcação do gol na final do Mundial?

Adriano Gabiru: Pensei na minha família e agradeci a Deus pela bênção.



2) Na hora que você marcou o gol, não ficou com vontade de dar uma resposta à torcida e a opinião pública que tanto o criticava? Por exemplo, fazendo um gesto pedindo silêncio:

Não, não... jamais faria algo contra o time que estou jogando ou a torcida. Torcedor é assim mesmo e cobra bastante. Naquele momento realmente eu estava devendo. Agradeço ao Abel [Braga] por ter me levado ao mundial e ao grupo de jogadores do Inter. Felizmente acabei fazendo o gol e deu tudo certo. A vitória foi importante.



3) Você se sente injustiçado pelo Internacional? Falta gratidão do clube?

Não, não. O futebol é assim mesmo.



4) Você se sente satisfeito com o tratamento que o Inter te ofertou após a conquista do Mundial?

O importante é estar feliz com a família por perto e todos com saúde. O futebol é assim mesmo.



7) Qual o segredo do Inter Campeão Mundial de 2006?

O grupo de jogadores estava fechado desde o roupeiro até o presidente (Fernando Carvalho). Sem isso, não se chega a lugar algum. O elenco era muito bom e forte, contava com muitos jogadores experimentes e rodados. Fizemos história, afinal, não é todo o dia que se ganha do Barcelona, né?



8) Vocês sentiram algum tipo de menosprezo/soberba por parte dos jogadores do Barcelona antes ou durante a partida?

É (...) não temos como confirmar, mas era visível o olhar deles tranquilo, brincando uns com os outros no túnel antes do jogo. Passava a ideia que ganhariam quando quisessem e de goleada. Entramos concentrado como nunca e graças a Deus o futebol se decide é dentro de campo.



9) No meio do futebol gaúcho dizem, brincando ou não, que quem escalava o time era o Fernandão e o então presidente Fernando Carvalho. Qual era a influência deles na escalação do Abel Braga?

Não sei disso não, cara. O Abel era o treinador e o Fernandão nosso líder dentro e fora de campo. Assim como o Iarley e o Clemer. Acredito que esse papo é só boato mesmo.



10) Você ainda tem contato, é amigo de algum jogador daquele grupo campeão Mundial?

Falo muito com o Perdigão. Converso com todos, mas o que tenho mais contato é o Perdigão.



11) É verdade que o Fernandão, o Iarley e o Clemer ‘não se misturavam’ muito com o restante do grupo?

Eles ‘andavam mais juntos’, mas não tinha essa história ‘panelinha’. Era normal, como ocorre em qualquer trabalho, a gente conversa com quem tem mais contato.



12) Quem foi o melhor treinador que você trabalhou?

Para mim foram três, posso dizer três? O Geninho [técnico durante o título do campeonato brasileiro em 2001, pelo Atlético-PR], o Vadão [Osvaldo Alvarez, no mesmo clube] e o Abel Braga, que me treinou no Atlético Paranaense, me levou para o Olympique e depois me trouxe para o Inter, em 2006. Cada treinador tem seu estilo, mas o Abel é excelente.



13) O Abel Braga é seu maior ‘guru’ no futebol?

O Abel é um excelente técnico. Ele brinca quando tem que brincar, mas cobra muito dos jogadores. Tenho muito que agradecer a ele por tudo que fez pela minha carreira.



14) Depois que você saiu do Inter, não conseguiu se firmar mais em nenhuma equipe. Por quê?

Na verdade não sei o que acontece. O futebol é assim mesmo, cheio de altos e baixos. O tempo vai encurtando, a idade foi pesando.

 

15) O que representa o Internacional para você?

O Inter é tudo pra mim. Trabalhar no Inter foi um momento maravilhoso. Ser campeão da Libertadores e do Mundo é inesquecível. Agradeço a todos que me apoiaram na minha passagem, em especial pelo carinho da torcida.

 

*Entrevista publicada no blog de Saul Teixeira – Futebol Além do Resultado – em 9 de abril de 2014.

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS