Quarta-feira, 08 de DEZEMBRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crime

Incêndio criminoso na aldeia Pindó Mirim, Terra Indígena Itapuã | IMAGEM: Povo Mbya Guarani/arquivo pessoal

Polícia investiga atentado contra povo indígena em Itapuã - a dor de gente que não vende jornal é ignorada

por Cristiano Abreu | Publicada em 17/11/2021 às 00h| Atualizada em 24/11/2021 às 17h15

Comoções são frequentes – e totalmente justificáveis – em tragédias envolvendo celebridades. A mídia também valoriza por demais casos envolvendo   políticos, empresários, ou seja, gente com poder e influência.

Na lógica social vigente, a coletividade aceita se colocar em segundo plano. Assim, é impactante um acidente que causa prejuízos financeiros e/ou mortes de “gente importante, e/ou cheia de talento”, mas se normaliza a perda prematura de 600 mil vidas em uma pandemia, por exemplo.

Por isso, ninguém ou quase ninguém soube do atentado na aldeia Pindó Mirim, em Itapuã. A pequena área indígena em Viamão, com pouco mais de 20 hectares, foi alvo de um incêndio criminoso na madrugada do sábado (13). O fato só virou notícia nesta quarta-feira, quatro dias depois após a Polícia Civil informar que investiga o caso.

Atribuo eu este descaso pelo fato de que Indígena não vende jornal, suas dores e questões não viram debate nas redes sociais.

A casa de reza, dois veículos e um espaço usado para armazenamento de alimentos foram destruídos. Parte dos mantimentos foram salvos das chamas.

As terras onde vivem os indígenas do povo Mbya Guarani pertence ao governo do Estado e está cedida a eles. Contudo, é alvo de disputas envolvendo posseiros, madeireiros e de um pretenso proprietário. Lideranças indígenas relatam sofrerem constantes ameaças para que deixem as terras. Cobram também ação de autoridades políticas e policiais de Viamão e do Palácio Piratini.

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) Regional Sul, “a Terra Indígena Itapuã está com o procedimento de demarcação em curso desde 2009. O relatório circunstanciado da área foi concluído e encontra-se na Funai em Brasília, faltando apenas publicação no Diário Oficial da União. Pelos estudos se concluiu que a terra é de ocupação originária e tradicional do Povo Guarani, de acordo com o coordenador do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) Regional Sul, Roberto Liebgott.

Lamentável a falha da Imprensa. Imperdoável a demora na ação governamental e policial. 
Sem palavras para classificar o tipo de pessoa capaz de atear fogo em comida e amedrontar gente para que deixem suas casas.
A idade média nunca esteve tão atual como no Brasil de hoje.

Colaboração: Cimi - Regional Sul

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS