Segunda, 01 de JUNHO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

As mulheres realmente querem o poder?

Publicada em 06/03/2018 às 16h14| Atualizada em 08/03/2018 às 14h18

A dívida histórica é imensa, mas a ação tradicional — baseada na superexposição pública, competição e dinheiro — não atrai. Será possível reinventar a política a partir de processos mais participativos e menos egocentrados? O Diário recomenda e reproduz o artigo publicado pelo Outras Palavras

 

Acompanho e participo da política no Brasil há décadas. Vejo dois mundos: o das organizações de base, aquelas que mobilizam pessoas diretamente, em ativismos de diversos tipos, é majoritariamente feminino. No universo da política representativa, no entanto, o número de parlamentares, prefeitas e governadoras ainda é muito pequeno, mesmo depois de duas décadas de políticas de cotas para as candidaturas feminas.

Claro que há o efeito histórico da posição secundária que as mulheres tiveram na cena pública por milênios. Há também pouco compromisso dos partidos com as mulheres candidatas, não lhes dando prioridade nas disputas. Há muitos motivos, porém acredito que não seja apenas uma dificuldade de fora para dentro. Talvez elas, nós, não queiramos ESSE poder que está disponível.

A hipótese que coloco em discussão é a de que o poder político tradicional, à imagem da sociedade patriarcal, não atrai a maioria das mulheres. Ele é personalista, baseado na superexposição pública, na competição e no dinheiro.  Muitas vezes está longe de algo que faça “sentido” real, como o é a liderança em ações de base. Só uma mínima percentagem de mulheres que atuam politicamente em outras esferas é seduzida pela disputa parlamentar ou pelo poder executivo, que exigem muitas “concessões”.

O padrão quase intransponível da política brasileira de necessidade dos “fundos de campanha” expõe candidatos e candidatas a uma busca por recursos nem sempre lícitos. Enfrentar as máfias reinantes custa caro e o exemplo de Dilma Roussef, que ousou enfrentar o execrável Eduardo Cunha e sua gangue, evidencia isso. Poucas mulheres querem se envolver com esse desafio. Sem dúvida que um poder mais feminino faria uma imensa diferença, mas nossa presidenta é exemplo de que o contexto é extremamente difícil.

Será que processos políticos mais participativos, menos egocentrados, com responsabilidades mais coletivas, com mais negociação e menos enfrentamento, seriam mais atraentes à alma feminina? O engajamento delas em associações de bairro, em movimentos de base vinculados ao cuidado, em defesa da Natureza ou em dinâmicas sociais contemporâneas, com liderança compartilhada, mostra isso. Elas estão mais engajadas onde podem fazer a diferença na construção do bem viver, onde podem partilhar desafios coletivos em uma trama de governança mais cooperativa e horizontal.

Claro que é necessário perseverar nas cotas para as mulheres na política e em todos os espaços, pois a dívida histórica é imensa. Elas, porém, estão percorrendo também outros caminhos e sabem que as mudanças que permanecem são aquelas construídas no dia a dia, culturalmente, no longo prazo.  Elas questionam cada vez mais o sistema, a visão de mundo, a sociedade patriarcal e querem um mundo mais feminino, mais solidário, mais democrático, mais sustentável. Isso inclui perceber o grande poder transformador que é interior, pessoal, que liberta a opressão que está em si e ajuda o mundo a se tornar melhor de se viver.  Honrando as mulheres que hoje estão na política tradicional, observo que a maioria de nós prefere atuar em esferas menos espetaculares, em casa e no trabalho, na comunidade, em espaços em que se trabalha de forma mais coletiva.

Isso não é poder?

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | opinião
O nojo
3º Neurônio | comportamento
O luto pela velha normalidade: como superar o fato de que nossos projetos desapareceram
3º Neurônio | saúde
Médica fala sobre a ’hora da morte’: As pessoas morrem sozinhas; Sozinhas, sozinhas, sozinhas
3º Neurônio
Por que o bolsonarismo-raiz engendrado nos gabinetes do ódio não terá futuro no Brasil?
3º Neurônio | opinião
Bolsonaro fica nu ao se despir das três bandeiras que o levaram ao poder
3º Neurônio | Humor
Bugigangas pandêmicas
3º Neurônio | Saúde
Fazer exercícios físicos ao ar livre em meio à pandemia é seguro? Os riscos e cuidados necessários
3º Neurônio | Questões de quarentena
Bolsonaro cita CLT e sugere indenização a empregadores; advogados dizem que não é bem assim
3º Neurônio | opinião
O vírus somos nós (ou uma parte de nós)
3º Neurônio | comportamento
Conselhos dos esquimós contra o pessimismo
3º Neurônio | ciência
Estudo genético mostra por que vírus da covid-19 não foi feito em laboratório
3º Neurônio | arte
Explicando, série da Netflix, previu a pandemia do coronavírus
Opinião
Geometria de uma pandemia do coronavírus
Opinião
Ronaldinho Gaúcho e o irmão acreditaram que o Paraguai era terra de ninguém?
Humor
Informalizar é viver
Opinião
Zé do Caixão, um monstro na periferia do capitalismo
3º Neurônio | opinião
Primárias Democratas, disputa política e luta social no coração do império
3º Neurônio | comportamento
Um chefe estúpido pode ser pior para o coração que o colesterol
3º Neurônio | humor
Aliteração da Alteração
3° neurônio
Suicídio: Solução permanente para um problema temporário

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS