Quinta-feira, 24 de SETEMBRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

previdência

O fator previdenciário e a regra dos 85/95 pontos

Publicada em 12/07/2018 às 14h26| Atualizada em 05/07/2019 às 15h07

por Andrio Santos

O governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi responsável por profunda reforma previdenciária no final da década de 90. Dentre as mudanças aprovadas no congresso, além das alterações nas regras de aposentadorias de servidores públicos, em 1999 foi aprovada Lei que prevê a aplicação do Fator Previdenciário no cálculo das aposentadorias do INSS.

O Fator Previdenciário nada mais é senão uma fórmula que, considerando a idade, o tempo de contribuição, a expectativa de vida, resulta em um coeficiente que será multiplicado pelo salário de benefício do segurado.

Vale lembrar que a Aposentadoria por Tempo de Contribuição exige apenas que o segurado possua 35 anos de tempo de contribuição se homem e 30 se mulher. A Aposentadoria por Idade - exigência de 65 de idade para homem e 60 para mulher -, possui cálculo diferente, e o Fator só é aplicado se for favorável ao segurado.

salário de benefício é a média das contribuições do segurado ao INSS no período de julho/1994 até momento do pedido de aposentadoria. O cálculo ainda descarta as 20% menores contribuições.

A renda do benefício, portanto, é o Salário de Benefício multiplicado pelo Fator Previdenciário.

Por exemplo: um homem que contenha 35 anos de tempo de contribuição e 55 anos de idade, hoje teria direito à Aposentadoria por Tempo de Contribuição com incidência de Fator Previdenciário de 0,68. Ou seja, a renda mensal inicial do benefício seria 68% da média de contribuições do segurado. Perda de 32% do valor.

O objetivo do Fator Previdenciário é simples: diminuir o valor da renda mensal das aposentadorias precoces. Quanto mais cedo o segurado vier a se aposentar, menor será sua renda. O sistema segue a seguinte lógica: aquele que se aposenta cedo, receberá o benefício por mais tempo (com base na expectativa de vida) e por isto receberá parcelas menores. Aquele que se aposenta mais tarde, receberá o benefício por menos tempo e, por isto, receberá parcelas com valores mais altos.

 

E a regra dos 85/95 pontos?

 

O Fator Previdenciário sempre gerou polêmica perante a sociedade. Não raras vezes o trabalhador que recebe Aposentadoria por Tempo de Contribuição acaba recebendo no benefício quase metade do valor que recebe trabalhando. 

Em 2015, no governo Dilma Rousseff, o congresso aprovou uma regra que criou alternativa ao fator previdenciário nos seguintes casos: o homem que alcançar 95 pontos, ou a mulher 85, somando idade e tempo de contribuição, não teria a aplicação do Fator Previdenciário em seu benefício, ou seja, receberia 100% do salário de benefício (média salarial).

Não alcançar a pontuação prevista não significa que o segurado não possui direito à aposentadoria. Caso o segurado alcance o tempo de contribuição necessário (35 anos para homem e 30 para mulher), mas não alcance os 85/95 pontos, terá direito à aposentadoria, porém, com a aplicação do Fator Previdenciário.

A pontuação necessária hoje para afastar o Fator - 85/95 - aumentará 1 ponto a cada dois anos a partir de 31/12/2018. Portanto, a regra será de 86/96 a partir desta data; a partir de 31/12/2020 será de 87/97, a partir de 31/12/2022 será de 88/98 e assim por diante. 

Ainda em relação ao Fator Previdenciário, o que tem acontecido com frequência é o aposentado vir a receber na aposentadoria valor muito inferior ao que recebe trabalhando. Daí vem a dificuldade do aposentado parar de trabalhar. 

Para ilustrar a quantidade de baixos valores pagos nas aposentadorias, os dados do INSS apontam que a cada três aposentados do INSS, dois recebem um salário mínimo. Esta média de baixos salários nas aposentadorias dá consequência a outro fato importante: a cada três aposentados, dois retornam ao mercado de trabalho para manter sua subsistência. E ainda em consequência disto, estas vagas ocupadas por aposentados retiram vagas dos jovens que buscam ingressar no mercado de trabalho. É um efeito cascata que afeta a economia nacional.

Por isto, sempre é importante que o trabalhador programe sua aposentadoria desde cedo, projetando o valor que receberá no benefício, qual o momento certo de requerer a aposentadoria e sempre verificar se a aposentadoria foi concedida corretamente pelo INSS, até porque o benefício é irrenunciável e válido para o resto da vida.

Para conversar sobre o assunto, trazer dúvidas ou sugestões de temas, envie e-mail para [email protected].

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neorônio
7 de Setembro: morte
3º Neurônio | ideias
Cultura do cancelamento: prática autoritária ou voz dos excluídos?
Opinião | Senador Paulo Paim
Mulher: desigualdade, preconceito, violência
3º Neurônio | ciência
Radiografia de três surtos de coronavírus: como se infectaram e como podemos evitar
3º Neurônio | ideias
Preservar vidas ou retomar a economia? Ética de Weber para tempos de pandemia
3º Neurônio | opinião
O nojo
3º Neurônio | comportamento
O luto pela velha normalidade: como superar o fato de que nossos projetos desapareceram
3º Neurônio | saúde
Médica fala sobre a ’hora da morte’: As pessoas morrem sozinhas; Sozinhas, sozinhas, sozinhas
3º Neurônio
Por que o bolsonarismo-raiz engendrado nos gabinetes do ódio não terá futuro no Brasil?
3º Neurônio | opinião
Bolsonaro fica nu ao se despir das três bandeiras que o levaram ao poder
3º Neurônio | Humor
Bugigangas pandêmicas
3º Neurônio | Saúde
Fazer exercícios físicos ao ar livre em meio à pandemia é seguro? Os riscos e cuidados necessários
3º Neurônio | Questões de quarentena
Bolsonaro cita CLT e sugere indenização a empregadores; advogados dizem que não é bem assim
3º Neurônio | opinião
O vírus somos nós (ou uma parte de nós)
3º Neurônio | comportamento
Conselhos dos esquimós contra o pessimismo
3º Neurônio | ciência
Estudo genético mostra por que vírus da covid-19 não foi feito em laboratório
3º Neurônio | arte
Explicando, série da Netflix, previu a pandemia do coronavírus
Opinião
Geometria de uma pandemia do coronavírus
Opinião
Ronaldinho Gaúcho e o irmão acreditaram que o Paraguai era terra de ninguém?
Humor
Informalizar é viver

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS