Sexta-feira, 14 de AGOSTO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3° Neurônio

O touchscreen e o toque da pele

Publicada em 27/11/2018 às 14h11| Atualizada em 05/07/2019 às 16h52

Vivemos numa sociedade que valoriza o “touch” ao invés do “toque”. Chegou o momento, ou até passamos dele, de questionar a nossa relação com os aparelhos eletrônicos (celulares, tablets, etc.). Será que eles não estão sendo utilizados de tal forma que estão prejudicando a própria interação entre nós, seres humanos?

O sucesso das redes sociais é evidente. Recentemente, o Facebook ultrapassou o número de 1 bilhão de usuários. O WhatsApp foi um dos principais motores para as decisões das eleições brasileiras. Temos redes sociais focadas em fotos, vídeos, namoros, etc..

Mary Meeker, estudiosa do consumo da internet no mundo, aponta que um ser humano comum passa cerca de 7 horas de seu dia diante das telas eletrônicas. Não é incomum, hoje, uma pessoa conferir as novidades de suas redes sociais ao acordar, para saber os comentários, as curtidas ou os compartilhamentos que recebeu na noite passada. Muito menos incomum é a vontade da nova geração de ser um youtuber. Estamos cada vez mais tentando interagir, seja no âmbito pessoal ou profissional, pelas redes sociais. Novamente, o Whatsapp é um desses exemplos. Estamos trabalhando mais, em horários adversos, graças a esse aplicativo. A máxima de algumas das grandes empresas de “trabalhe a hora que você quiser” significa, na verdade, que você vai trabalhar toda hora.

Se passamos horas na frente das telas, deixamos de viver horas de interação direta. Como fica o “toque” nesse contexto? Como fica o abraço, o beijo, o perfume que o outro passou, o cheiro da pele, o olhar os olhos, o beijo, o sentir a presença do outro, o sentir a pele do outro, a empatia, a alteridade? Ficam desprezados. Estamos vivendo um profundo isolamento do “toque”, promovido pelo “touch”. Ou melhor, estamos trocando o corpo, todas as sensações e emoções que ele nos proporciona, pelos conteúdos das redes sociais. Por exemplo: no Japão, 500 mil pessoas, entre 15 a 39 anos, têm se isolado por meses em casa. O caso é denominado pelo país de Hikikomoris. Além desse caso, a American Urological Association, em Boston, investigou a relação entre o consumo de pornografia e a disfunção sexual de homens, entre 20 e 40 anos. Joseph Alukal, um dos líderes da pesquisa, afirma que quanto mais os homens têm assistido pornografia, menos eles se interessam pela interação sexual real. 

E ainda em nosso cotidiano, o “toque” além de menosprezado, é violentado. Diariamente, nos transportes públicos, temos que tocar um outro desconhecido, sentir seu cheiro, tocá-lo, ser empurrado e, por vezes, até empurrar o próximo. Casos de assédios são ainda mais radicais e inaceitáveis. Além dos transportes, os vizinhos, a comunidade, de grandes cidades como São Paulo, são cada vez mais raras. Já as praças, principais centros de interação social, estão cada vez mais escassas e destruídas. As revitalizadas possuem a maravilha do WI-FI. No fim, depois de horas no transporte, de falta de espaço para interação social na cidade, nós não conseguimos e nem queremos mais tocar ninguém ou ser tocado. Fugimos para as redes sociais digitais, novamente. 

O fato é que nosso tempo é limitado. Se estamos no “touch”, não estamos no “toque”, e vice-versa. É necessário haver o equilíbrio dos dois. Devemos, então, desligar um pouco os aparelhos e olhar com mais calma para nossos vínculos e para os nossos corpos. Somente assim, as risadas de doer a barriga vindas das experiências inigualáveis com os amigos nos tempos livres, e a comunicação mais complexa da humanidade, o amor e o fazer amor, estarão a salvos.

*Leonardo Torres, 28 anos, Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática. 

Últimas 3º Neurônio

Opinião | Senador Paulo Paim
Mulher: desigualdade, preconceito, violência
3º Neurônio | ciência
Radiografia de três surtos de coronavírus: como se infectaram e como podemos evitar
3º Neurônio | ideias
Preservar vidas ou retomar a economia? Ética de Weber para tempos de pandemia
3º Neurônio | opinião
O nojo
3º Neurônio | comportamento
O luto pela velha normalidade: como superar o fato de que nossos projetos desapareceram
3º Neurônio | saúde
Médica fala sobre a ’hora da morte’: As pessoas morrem sozinhas; Sozinhas, sozinhas, sozinhas
3º Neurônio
Por que o bolsonarismo-raiz engendrado nos gabinetes do ódio não terá futuro no Brasil?
3º Neurônio | opinião
Bolsonaro fica nu ao se despir das três bandeiras que o levaram ao poder
3º Neurônio | Humor
Bugigangas pandêmicas
3º Neurônio | Saúde
Fazer exercícios físicos ao ar livre em meio à pandemia é seguro? Os riscos e cuidados necessários
3º Neurônio | Questões de quarentena
Bolsonaro cita CLT e sugere indenização a empregadores; advogados dizem que não é bem assim
3º Neurônio | opinião
O vírus somos nós (ou uma parte de nós)
3º Neurônio | comportamento
Conselhos dos esquimós contra o pessimismo
3º Neurônio | ciência
Estudo genético mostra por que vírus da covid-19 não foi feito em laboratório
3º Neurônio | arte
Explicando, série da Netflix, previu a pandemia do coronavírus
Opinião
Geometria de uma pandemia do coronavírus
Opinião
Ronaldinho Gaúcho e o irmão acreditaram que o Paraguai era terra de ninguém?
Humor
Informalizar é viver
Opinião
Zé do Caixão, um monstro na periferia do capitalismo
3º Neurônio | opinião
Primárias Democratas, disputa política e luta social no coração do império

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS