Sexta-feira, 29 de MAIO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Opinião

Ronaldinho Gaúcho e o irmão acreditaram que o Paraguai era terra de ninguém?

Publicada em 13/03/2020 às 00h

Qual é realmente a intenção de ter comprado os documentos falsos do Ronaldinho e do seu irmão, é o quer saber a Justiça do Paraguai. O Seguinte: reproduz o artigo do jornalista Carlos Wagner, em seu blog Histórias Mal Contadas

 

Os roteiristas dos filmes de bang bang de Hollywood foram responsáveis por criar no imaginário popular a noção de que o México era um esconderijo de foras da lei. A mesma ideia foi adotada pelos brasileiros em relação ao Paraguai. Um país onde o ilegal se infiltrou de tal maneira na máquina administrativa que o tornou uma terra de oportunidades para quem quisesse se envolver com tráfico de armas, drogas, cigarros piratas, munição, roubo de carros e lavagem de dinheiro. Esse tempo acabou. Hoje todos os segmentos de crime estão loteados e têm como chefes bandidos locais e brasileiros. E aqueles que se aventuram em busca de uma oportunidade de negócios ilícitos acabam presos. Eles lotam as prisões paraguaias e das cidades brasileiras na fronteira. Muitos acreditaram no pensamento mágico de que bastaria atravessar para o outro lado, se abastecer com drogas, armas, munição ou cigarros piratas e trazê-los para vender no Brasil. Desde 1983, de dois em dois anos ando por essa região buscando histórias para contar e um bom lugar para encontrá-las é nas cadeias brasileiras e paraguaias. Em 1990, escrevi um livro chamado Brasiguaios: Homens Sem Pátria, sobre os agricultores do sul do Brasil que migraram para o Paraguai. Em 2003, fiz o livro País-Bandido Crime Tipo Exportação. Vamos aos fatos.

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Assis foram presos por portarem documentos paraguaios falsos: passaportes e carteiras de identidade – a história toda está disponível na internet. Foram levados para o Paraguai pela empresária Dalia López, que é investigada pelas autoridades locais por lavagem de dinheiro, entre outros crime. Ninguém opera no ramo de lavagem de dinheiro no Paraguai sem a bênção de Dario Messer, conhecido como o “doleiro dos doleiros”, que está preso no Brasil. Ele foi pego pela Operação Câmbio, Desligo, um braço da Lava Jato. A prisão foi decretada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, do Rio de Janeiro (RJ). Messer ficou foragido 14 meses e foi preso em julho de 2019, em São Paulo. Até a prisão do “doleiros dos doleiros” ninguém tinha ouvido falar de Dalia López no Paraguai. Ela começou a ter visibilidade há pouco mais de meio ano. No mês passado (fevereiro de 2020), a revista Caras da Argentina fez uma reportagem com ela em que a coloca em lugar de destaque entre os empresários da América do Sul. Aqui surge uma pergunta? Dalia estaria tentando ocupar o espaço deixado por Messer? E Ronaldinho Gaúcho e seu irmão foram pegos no fogo cruzado pela disputa do comando da lavagem de dinheiro no Paraguai?

Quem pode responder a essa pergunta é o ex-presidente do Paraguai, o empresário Horácio Cartes (2013 a 2018). Dono de tabacaleiras – fábricas de cigarros pirateados –, Cartes fez uma fortuna contrabandeado cigarros para o Brasil, ramo no qual se firmou graças ao pai de Messer, Mordko (já falecido), que o financiou. Cartes é considerado foragido da Justiça Federal do Brasil por ter ajudado na fuga de Messer. No Paraguai, os ex-presidentes da República tornam-se senadores vitalícios. Isso significa que a Justiça brasileira nunca colocará as mãos nele. Circulam informações de que o ex-presidente vigia os interesses do seu amigo Messer. Aqui é o seguinte. Há informação de que Ronaldinho Gaúcho e seu irmão mandaram fazer os passaportes e as carteiras de identidade no Paraguai. Qual era o objetivo deles? É uma das coisas que o procurador da Justiça do Paraguai Osmar Legal, responsável pelas investigações, quer que eles expliquem. Isso é uma coisa. Mas a maneira como foram pegos é outro assunto e tem cheiro de uma armadilha, por dois motivos: primeiro, porque não é necessário aos brasileiros apresentar passaporte para ingressar no Paraguai, basta a carteira de identidade. Segundo, porque eles sabiam que eram falsos. Eles estavam fazendo um teste? Não sabiam que depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, em Nova York, os americanos deram uma “prensa” no governo do Paraguai para controlar as suas fronteiras e, desde então, eles têm um sistema informatizado?

Andei conversando com colegas repórteres paraguaios e fontes que tenho de longa data no serviço de inteligência da Polícia Nacional. Disseram-me que o procurador Osmar Legal faz parte de uma nova geração de servidores públicos que não tem compromissos com o “sistema”. O que eles chamam de “sistema”? De 1954 a 1989, o país foi governado pelo ditador general Alfredo Stroessner, que se exilou no Brasil e faleceu em 2005. Stroessner dividiu o país com seus comandantes militares, cada um deles tinha o comando de uma área do crime. Toda a história é contada no livro Dossier Paraguay – Los dueños de grandes fortunas, do Anibal Miranda (falecido). Conversei várias vezes com Miranda, ele morava nos arredores de Assunção. Dedicou a vida a estudar a estrutura das quadrilhas no seus país. A estrutura criminosa deixada por Stroessner está lá e continua funcionando. Não por outro motivo que quando o Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, e o Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, se estabeleceram na fronteira, a primeira coisa que fizeram foi chacinar o dono do território e depois formar alianças com as outras quadrilhas.

Por conta de todos esses fatos que relatei, o Paraguai não é mais terra de ninguém. Seja lá qual for o plano que Ronaldinho Gaúcho e seu irmão tinham referente a negócios em terras paraguaias, eles acabaram presos em um atoleiro. Tiveram sorte. Se isso tivesse acontecido em Juan Pedro Caballero, cidade paraguaia separada por uma avenida da brasileira Ponta Porã, no oeste do Mato Grosso do Sul, o assunto seria resolvido de outra maneira, a da fronteira: a bala. É simples assim.

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | opinião
O nojo
3º Neurônio | comportamento
O luto pela velha normalidade: como superar o fato de que nossos projetos desapareceram
3º Neurônio | saúde
Médica fala sobre a ’hora da morte’: As pessoas morrem sozinhas; Sozinhas, sozinhas, sozinhas
3º Neurônio
Por que o bolsonarismo-raiz engendrado nos gabinetes do ódio não terá futuro no Brasil?
3º Neurônio | opinião
Bolsonaro fica nu ao se despir das três bandeiras que o levaram ao poder
3º Neurônio | Humor
Bugigangas pandêmicas
3º Neurônio | Saúde
Fazer exercícios físicos ao ar livre em meio à pandemia é seguro? Os riscos e cuidados necessários
3º Neurônio | Questões de quarentena
Bolsonaro cita CLT e sugere indenização a empregadores; advogados dizem que não é bem assim
3º Neurônio | opinião
O vírus somos nós (ou uma parte de nós)
3º Neurônio | comportamento
Conselhos dos esquimós contra o pessimismo
3º Neurônio | ciência
Estudo genético mostra por que vírus da covid-19 não foi feito em laboratório
3º Neurônio | arte
Explicando, série da Netflix, previu a pandemia do coronavírus
Opinião
Geometria de uma pandemia do coronavírus
Opinião
Ronaldinho Gaúcho e o irmão acreditaram que o Paraguai era terra de ninguém?
Humor
Informalizar é viver
Opinião
Zé do Caixão, um monstro na periferia do capitalismo
3º Neurônio | opinião
Primárias Democratas, disputa política e luta social no coração do império
3º Neurônio | comportamento
Um chefe estúpido pode ser pior para o coração que o colesterol
3º Neurônio | humor
Aliteração da Alteração
3° neurônio
Suicídio: Solução permanente para um problema temporário

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS