Sexta-feira, 03 de JULHO de 2020

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

A médica Letícia Ikeda estava certa: a Páscoa chegou, e o Dia das Mães está a caminho

Publicada em 22/05/2020 às 00h| Atualizada em 05/06/2020 às 11h11

Dias antes de deixar a coordenação do Comitê de Operações de Emergência em Saúde (COE), a médica Maria Letícia Rodrigues Ikeda fez um apelo: 

- Peço que levem a sério e protejam-se. Evitem sair. Tenho notado cada dia mais pessoas nas ruas, por isso, volto a repetir que acreditem na doença, não é só uma "gripezinha". Por enquanto, os números estão baixos, mas não sabemos quando podem subir.

Em 28 de abril, a especialista pediu para que a população seguisse as medidas de distanciamento social, momento em que a cidade já percebia o aumento da circulação de pessoas: após 16 dias da liberação do comércio para a Páscoa, Viamão chegava ao 21º caso confirmado de coronavírus.

Foram 13 infecções nesse período. Antes do domingo da Ressurreição e da troca de chocolates, havia oito notificações positivas. 

A curva começava a subir.

Nas três semanas que separaram 21 de março e 12 de abril, a média de infecções era de uma a cada três dias. Após a Páscoa, a média subiu para um caso a cada 1,2 dias.

A entrada de maio foi preocupante. O governo do Estado e a Administração Municipal flexibilizaram o funcionamento do comércio não essencial no dia 1º, mesma data em que Maria Letícia oficialmente se desligou do COE. Nos 13 dias seguintes, 11 novos pacientes testaram positivo para o vírus.

Infelizmente, não houve arreficimento da crise. São 21 pacientes contaminados em 22 dias de maio, cinco apenas nesta sexta-feira, contra 22 casos positivos nos 41 dias iniciais da pandemia em Viamão (21/3 a 30/4). O avanço do contágio em maio é de 96%, mês que também guarda a triste marca da única vida perdida até aqui.

 

Dados de 21/03 a 23/05

 

Entramos neste sábado (23) no dia 64 da crise de saúde no município, com 43 pessoas contaminadas, sendo 25 curadas, e 11 aguardando resultado para saber se têm a doença. São 203 notificações das quais 149 foram descartadas. Até aqui, em nenhum momento ficamos mais que seis dias sem uma nova confirmação. Outro dado impactante é que nas primeira duas semanas, foram registrados dois pacientes positivos. Nos últimos 22 dias, foram sete contaminações atestadas por semana. 

 

Dados de 21/03 a 23/05

 

A Maria Letícia Ikeda estava certa em pedir cautela, mas nem Russinho, nem o povo escutaram. E a situação só piorou desde então, dentro e fora do Comitê de Operações de Emergência.

Cansada de falar sem ser ouvida, a médica pediu o boné. E a população perde pela falta de profissionais competentes na gestão técnica da crise. No COE, assim como acontece com os decretos que Russinho assina sem ler, o controle dos números é insuficiente. Os boletins epidemiológicos, que nunca são assinados, são incompletos, e pior, trazem dados imprecisos. Os responsáveis pelo documento acrescentam pacientes recuperados num dia, retiram no outro, confirmam casos e desconfirmam depois. As vezes, nem a soma entre notificados, confirmados, recuperados e em recuperação bate.

Falta transparência na divulgação desses boletins. Enquanto Porto Alegre fornece de modo detalhado idade, gênero, condições clínicas, se havia doença crônica preexistente, o hospital em que estão internados e o bairro em que residem os pacientes, Viamão deixa seu cidadão no escuro. Pior que alegar sigilo para não repassar as informações é vazar esses mesmos dados a veículos de comunicação da cidade escolhidos por alinhamento político ou envolvimento partidário com a Administração.

A estratégia do silêncio adotada pelo comitê ajuda a causar pânico entre os moradores da antiga capital, sem falar que reforça o discurso negacionista de que não há motivo para preocupação. Após muita insistência do Diário de Viamão com a Prefeitura, o COE passou a liberar o número de pacientes recuperados um mês após o início da pandemia no município. Esse número de cidadãos curados é constantemente cobrado pelos leitores e anula a sensação de que só é divulgada a contabilização de doentes. Da mesma forma, há três semanas cobro a liberação de informações do coronavírus por bairros. E, adivinhem, só um veículo local recebeu...

Não há clareza sobre qual é o protocolo de ação para evitar um crescimento ainda mais expressivo do contágio. A cidade tem 15 leitos de UTI que estiveram sempre lotados nas últimas semanas. O Estado prometeu 10 leitos para Viamão que não se sabem quando entram em operação, e não se escuta a Prefeitura sequer falar sobre o assunto, quanto mais cobrar a disponibilidade. O cidadão escuta que não tem ninguém hospitalizado no município, ou que há no máximo um, e entende que a situação está tranquila, enquanto Porto Alegre absorve nossa demanda.

Conversei com a família do idoso da Cecília que morreu com a COVID-19. A dor faz com que ainda não queiram dar entrevista, mas soube através de um parente da vítima que nenhum familiar foi testado para a doença, e mais, sequer foram orientados sobre o isolamento. São seis filhos, uma viúva, netos, sobrinhos, gente que sofre a perda e se mantém isolada de forma voluntária, por ter consciência dos riscos para outras vidas. Passados 12 dias do óbito, o COE não fez um telefonema sequer para monitorar a saúde dessas pessoas.

Teste não falta. Pelo menos é o que o secretário Glazileu Aragonês afirmou há poucos dias na Câmara. Segundo ele, Viamão tem 1,5 mil testes disponíveis. Então, por que não testam?

Nesta semana tivemos o afastamento de 46 pessoas da secretaria de Administração após uma servidora da pasta testar positivo para o vírus. A Prefeitura não aplicou um teste sequer, mandou todos para casa ficar em isolamento por 14 dias. Aliás, todos não, quatro continuam no prédio atendendo. Por que a servidora com a suspeita não foi afastada antes? 

Tem mais casos. Um servidor na Informática aguarda resultados de exames. Assim como aconteceu na Administração, a convivência com os demais colegas não foi interrompida.

Na Obras, a esposa de um servidor apresentou sintomas, mas ele não foi dispensado. No Hospital Viamão, conforme confirmei com a direção, uma médica está afastada após ser infectada pelo vírus. 

No SAMU, onde as equipes denunciaram sérias dificuldades para obter proteção individual, três profissionais testaram positivo para coronavírus e estão afastados. Dois deles não residem em Porto Alegre, por isso, não são contabilizados como casos locais. Um foi para a conta de Cachoeirinha e outro para os registros oficiais da Capital.

Tecnicamente, temos "45 casos positivos em Viamão". Mas o papel só conta residentes no município.

A ausência de luz sobre as ações da Prefeitura como um todo contribui para a ação de grupos independentes, Como o Comitê de Monitoramento e Resistência denunciando problemas e ocupando o vácuo deixado pela gestão municipal. Do bolso e com ajuda privada, pagam até carro de som para orientar as comunidades mais necessitadas de bairros carentes.

Coisa que a Prefeitura não faz.

De volta aos números, há que se esclarecer uma morte ocorrida em 20 de abril. Segundo o Comitê de Monitoramento e Resistência denunciou e o Diário de Viamão apura, uma idosa que faleceu no hospital local teve seu óbito resgistrado como causa a COVID-19. No dia seguinte, consultei o COE, que negou. O Estado até hoje deve a resposta. Mas a Central de Informações do Registro Civil - CRC Nacional mantém até hoje este registro. Pode até ser que o documento tenha sido emitido antes da confirmação por exame clínico, mas um mês depois, não foi corrigido?

De novo, quem explica?

 

 

Este é um longo e triste resumo de dois meses da pandemia em Viamão. Em síntense, a Páscoa deu a primeira puxada na curva para cima. E a falta de ação, infelizmente, não ajuda na redução. Claramente ainda estamos longe do chamado pico de contágio, e a partir desta semana os registros passarão a espelhar os números pós-reabertura do comércio, especialmente do fim de semana de compras do Dia das Mães.

Não é possível esperar que os números parem de subir por mágica, ainda mais quando se administra uma crise repetindo discursos políticos do presidente, como fez o secretário Aragonês, ou assinando decretos apenas para se garantir juridicamente, como faz Russinho. Se não fosse o Ministério Público, os números seriam, certamente, piores. E olha que os estudos estimam que o contágio é 12 vezes maior que o oficialmente registrado no Estado.

 

Números de uma Guerra:

23/05/2020

Brasil: 330.890 casos 21.048 mortes

Rio Grande do Sul: 6336 confirmados, 176 mortes

Viamão: 43 casos, uma vida perdida.

 

Últimas Cristiano Abreu

Política
Vereadores rejeitam pedido para abertura de impeachment de André Pacheco
Política
Falta de energia impede sessão que analisaria pedido de cassação de André Pacheco
Política
Vereadores votam pedido de cassação do prefeito André Pacheco nesta quinta-feira
Crise do coronavírus
Russinho aderiu aos protocolos da bandeira vermelha; Agora, só falta a fiscalização
93 dias de crise
Em gráficos, entenda os 93 dias da pandemia do coronavírus em Viamão
Cristiano Abreu
Prefeitura recorrerá da classificação de bandeira vermelha; Falta a Russinho empatia com as vítimas da COVID-19
Crise do coronavírus
Ministério Público volta a cobrar ações da Prefeitura no combate da COVID-19
Crise do coronavírus
Ou Russinho pede ajuda da população, ou terá de fechar o comércio novamente; Recado aos ’covidiotas’
Crise do coronavírus
Profissionais com COVID-19 são afastados, e posto de saúde é fechado
Crise do coronavírus
Ministério Público recebe denúncia de supostas irregularidades em serviço de desinfecção de ruas
Polêmica
Presidente do SIMVIA diz que Russinho trata servidores municipais como ’palhaços’ ao revogar reposição salarial
Crise do cornavírus
Os 89 casos de Viamão ganham destaque na mídia estadual, mas a Prefeitura escolhe relaxar medidas de prevenção
Política
TCE reprova contas de André Pacheco na gestão da Granpal
Crise do coronavírus
No dia em que Viamão registra a quinta morte por COVID-19, secretário da Saúde diz que ’quadro é razoável’
Crise do coronavírus
A COVID-19 avança a galopes em Viamão; Quem acha que está tudo bem precisa ver estes infográficos
Novela de mau gosto
Reposição salarial do funcionalismo volta para a Câmara; Além de parcelado, dinheiro será menor
Caos na Saúde
Os problemas nos contratos das terceirizadas vão muito além do filé mignon e do Uber pagos com dinheiro do contribuinte
Caos na Saúde
Prefeitura renova contrato com empresa que faz a gestão dos postos de saúde
Crise da Saúde
Empresa que faz gestão da UPA cobra da Prefeitura três meses de pagamentos em atraso; O caos das terceirizadas
CRISE DO CORONAVÍRUS
Um fim de semana para ninguém esquecer: A COVID-19 leva mais duas vidas em Viamão

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS