Domingo, 17 de JANEIRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Bastidores

Pastor foi à tribuna rezar pelos vereadores

Não vai nem com oração: a ’política marrom’ tranca a pauta de votações da Câmara

Publicada em 13/10/2020 às 00h| Atualizada em 22/10/2020 às 10h56

Há três semanas os Vereadores não aprovam um único projeto na Câmara. A última proposição votada foi a aprovação da denúncia contra o vereador Sérgio Ângelo, em 29 de setembro, preso na Operação Pegadas.

Nas últimas quatro sessões, nada vai adiante. Os Nobre Edis chegam, a mesa diretora faz a leitura da Bíblia, lê as proposições e correspondências que deram entrada na Casa entre uma reunião e outra, a tribuna é usada para discursos políticos. E era isso!

A de hoje (13) durou 28 minutos. Tão curta quanto improdutiva, pode ser narrada em um parágrafo:

Prevista para iniciar às 16h, foi aberta com 18 minutos de atraso. Foram em torno de 50 segundos gastos na leitura da Bíblia e cerca de 8 minutos lendo as correspondências. Na sequência, o Presidente Eraldo Roggia (PTB) anunciou a presença de três pastores no Plenário Tapir Rocha. Um dos religiosos foi à tribuna rezar pelos vereadores e, com o nariz para fora da máscara, pediu durante seis minutos para Deus clarear a mente dos políticos que lá estavam. A mesa anunciou a entrada de um projeto de lei enviado pelo Executivo, o vereador Guto Lopes (PDT) pediu vista a um veto do Prefeito. Na sequência, quando iriam entrar na pauta do dia, Guto Lopes pediu dez minutos de suspensão pela bancada do partido. Na volta, não havia quórum, e a sessão foi encerrada.

Tem sido assim o mês de outubro inteiro. Todos - ou quase - estão presentes, mas saem do plenário enquanto a câmera está desligada, evitando, assim, a sequência da reunião. O motivo oficial é a série de vetos do prefeito Nadim Harfouche a projetos de lei. Tais objeções trancam a pauta de votação. A questão é que os vereadores não querem destrancar a fila. Nos bastidores, com gravadores desligados, alguns dos parlamentares confirmam a razão verdadeira: não deixar o projeto de lei do vereador Evandro Rodrigues (DEM) para destituir (mais uma vez) a mesa diretora do Legislativo ser votado.

Quem apoia a manobra culpa os adversários pelo congelamento da Câmara. Os opositores colocam na conta de Evandro o fato de a cidade não avançar em temas como Saúde, Educação e Cultura.

A coluna tentou contato com oito dos 21 vereadores de Viamão. Quatro deram suas versões para a polêmica. Evandro aceitou comentar publicamente as insinuações dos colegas:

- A cidade está parada. Não há serviços e tampouco melhora nos quadros de enfrentamento ao COVID-19. Não é culpa minha, não. O Projeto (destituição da mesa) está lá, pronto pra ser votado - fechou o vereador.

Ao fim, digo que pouco importa de quem é a culpa. Fato é que as coisas habitualmente não andam em período eleitoral, pois a política marrom sempre encontra um subterfúgio, seja veto, ou projeto de lei. A lamentar, apenas, que em períodos como esse, em que só as urnas importam, o salário dos Nobres Edis continuem sendo pagos integralmente (e com reajuste mesmo em ano de pandemia), não importando se ficam em sessão duas horas ou um minuto por semana.
E não tem reza ou trabalho, padre, pastor, santo ou orixá que mude.

Últimas Cristiano Abreu

Política
Câmara dá pausa no recesso de verão para votar novo orçamento para Valdir Bonatto
De mudança
Guto Lopes confirma ida para Brasília: ’vou continuar trabalhando um pouco por lá, um pouco aqui... pelo RS e, claro, por Viamão’
Entrevista
COM VÍDEO: Presidente da Acivi avalia ano que passou e projeta desafios de 2021
Novos donos da cadeira
Valdir Bonatto é o dono da caneta: a posse do novo prefeito e os bastidores da transição de poder em Viamão
Exclusivo
Os primeiros nomes: apuração do Diário revela secretariado de Valdir Bonatto
Legislativo definido
Armando presidente e Dieguinho vice: as cartas marcadas na eleição da Câmara
Troca rápida
Evandro Rodrigues volta à cadeira de prefeito: entenda
Nova legislatura
Temporada de redecoração: vereadores esvaziam gabinetes e móveis ’desaparecem’ da Prefeitura; os preparativos e as indefinições da posse
Busca pelo poder
Pelo menos quatro frentes disputam a presidência da Câmara: o cabo de guerra
Definições, enfim
Primeiros nomes do secretariado de Bonatto serão anunciados amanhã; o jeito Viamão de ser das coisas
Os bastidores da volta de André Pacheco
No apagar das luzes, livros escolares sem licitação e compra de lâmpadas que a própria Prefeitura proíbe: a mulher de César
Exclusivo
Ministério Público denuncia prefeito André Pacheco, vereador e dois secretários por organização criminosa. Diálogos apontam pedido de propina para campanha
Nunca vi sequer uma pá por aqui
Governador, a RS-118 vai além de Gravataí; Viamão e Alvorada pagaram pela obra, mas só recebem ilusões
Limpando o nome
André Pacheco aproveita volta meteórica e tenta brilhar antes de entregar chaves da Prefeitura
Polêmica
Cláudia Harfouche fala sobre saúde de Nadim: ’Ele é candidato a transplante’
’Com Supremo, com tudo’
Em nome do acordão: sem mandato em 2021, Nadim sai da cena política pela porta dos fundos; entenda
Diplomação
REPORTAGEM COM VÍDEO | Os recados da juíza e da promotora aos eleitos em Viamão: quem avisa, amigo é!
’Fica a Dica’
Ministério Público confirma prisões em operação que investiga fraude eleitoral em Viamão
Operação
A política de Viamão volta às páginas policiais: 2020 é um ano para jamais ser esquecido
Apenas um vereador eleito será diplomado em Viamão; entenda

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS