Quinta-feira, 06 de AGOSTO de 2020

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

FOTO: Marcello Casal Jr | Agência Brasil

Teich pede demissão do Ministério da Saúde; ’Eu aceitei porque acreditei que poderia ajudar’

Publicada em 15/05/2020 às 00h| Atualizada em 10/07/2020 às 17h01

Os brasileiros tiveram mais um dia apreensivo nesta sexta-feira (15). Próximo de alcançar a marca de 15 mil mortes decorrentes da pandemia causada pela COVID-19, o ex-secretário da Saúde Nelson Teich anunciou seu pedido de demissão do governo Bolsonaro. Em um rápido pronunciamento ocorrido no prédio do Ministério da Saúde, o ex-titular da pasta não se manifestou objetivamente em relação aos motivos que o levaram a tomar a iniciativa de deixar o cargo.

Com a saída de Teich, que não chegou a completar um mês no ministério, assume interinamente o secretário-executivo Eduardo Pazzuelo. O ex-secretário fez questão de ressaltar que não assumiu a missão frente ao ministério meramente pelo cargo. "Eu aceitei porque acreditei que poderia ajudar o Brasil e ajudar as pessoas", explicou. Teich havia assumido o ministério dia 17 de abril, em substituição a Luiz Henrique Mandetta.

Apesar de agradecer ao presidente pela oportunidade de ocupar a pasta, sabe-se que sua saída é decorrência de divergência com o chefe do executivo, principalmente no que diz respeito à utilização da cloroquina. Para Bolsonaro, o ministro da saúde deveria viabilizar um protocolo de uso do medicamento nos pacientes logo que apresentassem os sintomas iniciais da COVID-19, o que Teich teria se negado a realizar. Vale lembrar que a cloroquina já está liberada para aplicação pelos médicos em casos avançados da doença e com a anuência por escrito dos pacientes.

No pronunciamento, explicou que deixou pronto um plano de ação governamental de combate à pandemia. "As ações foram iniciadas e ele deve ser seguido. É um plano pronto para auxiliar os secretários estaduais, secretários municipais, prefeitos e governadores a tentarem entender o que está acontecendo e definirem próximos passos". Apesar do "foco total na COVID", ele frisou que os pacientes de outras doenças não foram esquecidos durante sua breve passagem. "Todo o sistema foi pensado em paralelo."

"Nesse período auxiliamos estados e municípios a passarem por essas dificuldades. Habilitação de leitos, foram quase 4 mil. São as EPI's, são os respiradores e são os recursos humanos. Em momento de grande crise mundial em relação a insumos", disse. "Nós também iniciamos as visitas às cidades mais atingidas. E a cada cidade em que a gente vai, estamos mais preparados para enfrentar o desafio".

Teich agradeceu aos profissionais de sua equipe e destacou agradecimento aos profissionais da saúde. "Quando você vê o que é o dia a dia dessas pessoas, você se impressiona com a dedicação delas. Correndo o risco, o tempo todo ao lado dos pacientes e das pessoas. É uma coisa espetacular", concluiu. 

 

*As publicações nos espaços de opinião são responsabilidades de seus autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Diário de Viamão.

 

LEIA TAMBÉM

Moradores reclamam da conservação das ruas da São Lucas

Viamão tem três casos de COVID-19 em um dia; Infecções aumentam 74% em maio

Prefeitura chama profissionais da Saúde aprovados em concurso público

Comerciantes de Viamão unidos em tempo de coronavírus: vendendo e ajudando a cidade

Últimas Claudio Brasil

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS