Sabado, 31 de OUTUBRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

Hospital não é lugar de celular; O Urinol de Maiakóvski

Publicada em 16/06/2020 às 00h| Atualizada em 24/06/2020 às 23h41

As palavras têm força, ainda mais cometidas por um Presidente da República – mesmo que seja ele um covidiota. O contágio do incentivo de Jair Bolsonaro a invasões a UTI de hospitais já chegou na Viamão que vive o pior mês da COVID-19, com 129 casos, conforme o Diário de Viamão tratou em Ou Russinho pede ajuda da população, ou terá de fechar o comércio novamente; Recado aos ’covidiotas’.

Em post bastante compartilhado no Grande Tribunal das Redes Sociais suposto familiar de pacientes internados aqui do lado, no hospital de campanha em Gravataí, recomenda: (sic) “não levem seus familiares a esses lugar!!!!”

Entre as justificativas de quem postou está a impossibilidade de o paciente ficar com celular “para o paciente não filmar o absurdo que acontece lá dentro”.

A pessoa também critica a proibição do paciente levar materiais de higiene, como escovas de dentes, ou roupas.

Outra reclamação é sobre a transferência do paciente para hospital de referência “sem ao menos ligar para avisar”.

– Tu não vê teu familiar durante dias, nem fala com ele, precisa ir todo dia lá para ter informações, sem a certeza do que estão te passando é verdade ou não – escreve.

Inacreditável.

Toda minha compreensão à dor de quem tem um ente querido internado, mas esperava uma ‘colônia de férias’, ou um ‘spa Moinhos de Vento’, em meio a esse inimaginável e distópico cenário de pandemia?

Vamos aos fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos, seja de familiares nervosos; de desinformados; de informados do mal; de secadores (de antes, durante e depois) de ‘hospital de campanha’; ou mesmo de um presidente que, ao incentivar seus milicianos a invadir hospitais comete, e incita, três crimes contra a saúde pública (Código Penal, artigos 268, 286 e 287).

Uma googleada no Wikipedia permite acessar o conceito do que é um ‘hospital de campanha’:

É uma pequena unidade médica móvel, ou mini-hospital, que cuida temporariamente das vítimas no local antes que possam ser transportadas com segurança para instalações mais permanentes.

Este termo é usado predominantemente com referência a situações militares, mas também pode ser usado em tempos de desastre; o conceito foi herdado do campo de batalha e agora é aplicado em caso de desastres ou acidentes graves.

Em Gravataí, na estrutura montada nos fundos do Hospital Dom João Becker, são 10 UTIs que, desde a quarta de abertura, já teve os 10 leitos ocupados.

O investimento calculado até o fim do ano em R$ 6,8 milhões, entre estrutura física, equipamentos e horas médicas. Os respiradores usados são os da Santa Casa, já que o Ministério da Saúde não enviou ainda os 20 prometidos em abril.

É preciso, paranoicamente, invadir hospitais para desvendar um grande conluio entre Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e demais órgãos de controle para esconder algo? Quem sabe a autópsia de algum extraterrestre, parte de uma conspiração mundial? É de mau gosto minha colocação? E vandalizar e contaminar um ambiente hospitalar? E recomendar que pessoas doentes não procurem tratamento, o que é?

Sobre uso de celular, o Centro de Controle de Doenças (CDC) norte-americano, órgão sanitário que reúne alguns dos maiores cientistas do mundo, e tem o maior investimento em saúde do planeta, no ranking dos objetos com potencial de transmissão do vírus coloca smartphones ao lado de maçanetas, balcões e BANHEIROS.

Sabem aqueles que pedem selfie, ou live, de dentro de um hospital de campanha que os profissionais de saúde que tratam doentes da COVID-19 permanecem no mínimo 4 HORAS sem poder fazer necessidade fisiológicas, para poupar equipamentos de proteção individual, os caros EPIs, que os fazem parecer um astronauta?

– Não podemos tocar no rosto, não podemos beber água e nem ir ao banheiro depois de paramentados. Não podemos comer, não podemos sair para tomar um fôlego ali fora. Se eu sair do ambiente contaminado, preciso jogar avental, luvas, touca e máscara no lixo. E precisamos poupar material, tudo isso é muito caro e o medo de faltar é grande. Não posso me dar o luxo de jogar um avental e uma máscara no lixo só porque eu quero fazer um xixizinho. Ganhei fraldas do marido. Não consegui usar nos primeiros dias. A bexiga explodindo, e não consegui usar a fralda. Na saída, preciso de ajuda para tirar roupas e sapatos, para não contaminar a parte limpa do setor do hospital – conta a enfermeira Camila Gonçalves Azeredo, 28 anos.

Sobre as transferências de pacientes, com 8 a cada 10 UTIs ocupadas no RS, por COVID ou não (já que nenhum decreto é capaz de evitar enfarto, AVC, acidente de carro, tiro ou facada), ter um leito para o familiar deveria ser comemorado, não criticado.

Sabem covidiotas que a VIamão – das máscaras no queixo, Havan lotada e noite bombando no Dia dos Namorados – teve um crescimento de 127% nos infectados apenas em junho? Sabem que os leitos de UTI daqui só não estão lotados porque os pacientes estão indo direto para hospitais da Região Metropolitana, Litoral, Serra ou outros hospitais referenciados no interior?

Ao fim, neste Brasil em que tantos absurdos são naturalizados, assim como fazem com os 891.556 casos confirmados e as 44.118 mortes pela COVID-19 (dados de 15/06), resta atualizar o trecho mais conhecido do poema ‘No caminho, com Maiakóvski’, de 68, do brasileiro Eduardo Alves da Costa:

 

“Na primeira noite eles se aproximam

e roubam uma flor

do nosso jardim.

E não dizemos nada.

Na Segunda noite, já não se escondem:

pisam as flores,

matam nosso cão,

e não dizemos nada.

Até que um dia,

o mais frágil deles

entra sozinho em nossa casa,

rouba-nos a luz, e,

conhecendo nosso medo,

arranca-nos a voz da garganta.

 

Acrescentemos que, enquanto não dizemos nada, nos roubam até o urinol da UTI.

 

Assista ao poema na interpretação de Ivan Lima:

 

 

 

Números de uma guerra:

 

Brasil: 

891.556 confirmados, 44.118 mortes;

Rio Grande do Sul:

15.438 confirmados (+793) em 350 municípios (70% de 497 municípios)  - 360 mortes;

129 casos (+11 nas últimas 24 horas) - nove vidas perdidas.

*Dados de 15/06/2020

 

 

LEIA TAMBÉM

Ministério Público volta a cobrar ações da Prefeitura no combate da COVID-19

Ou Russinho pede ajuda da população, ou terá de fechar o comércio novamente; Recado aos ’covidiotas’

Com média beirando cinco casos por dia em junho, Viamão chega a 129 infecções por coronavírus

Após profissionais testarem positivo para o coronavírus, UBS Krahe passa por desinfecção

 Viamão ganha destaque na mídia estadual, mas a Prefeitura escolhe relaxar medidas de prevenção

 

Últimas Rafael Martinelli

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS