Sabado, 31 de OUTUBRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

Da indústria ao bar, região caminha para o ‘liberou geral’

Viamão ’arrepiou’, por enquanto, de proposta que envolve Porto Alegre para flexibilizar ainda mais a bandeira vermelha

Publicada em 17/08/2020 às 00h| Atualizada em 31/08/2020 às 15h13

Gravataí, Cachoeirinha, Glorinha e a Capital protocolam nesta segunda uma proposta para desbotar ainda mais a bandeira vermelha no Distanciamento Controlado do Governo do RS. Até uma resposta, as atividades não-essenciais seguem funcionando.

A nova proposta segue o decreto 55435 publicado na quinta passada pelo governador Eduardo Leite, e tem a aprovação dos dois terços necessários dos prefeitos e assinaturas de equipes técnicas. Viamão e Alvorada, que também fazem parte da nova configuração da Região Porto Alegre, optaram por permanecer nos critérios da bandeira vermelha (a rosa), de alto risco.

Ao invés do funcionamento limitado das atividades não-essenciais entre às 9h e às 17h, a ideia é permitir a abertura por 7h distribuídas durante a manhã, tarde e noite, conforme a atividade econômica.

A proposta também ampliar a taxa de ocupação no setor industrial comercial e de serviços, levando em consideração disponibilidade dos espaços físicos e respeitando as medidas sanitárias e de distanciamento. A expectativa é de que o Governo do Estado responda até a quarta-feira.

Reputo que o que já era um 'total descontrol', 'fake', operando sob a 'lei vampeta', do "eu finjo que cumpro o decreto, você finge que fiscaliza", caminha para uma reabertura quase total das atividades não essenciais – da indústria ao bar.

Não é torcida ou secação, guerrinha ‘CPFs vs. CNPJ’, ou disputa se falta mais ar para infectados, ou para comerciantes com a chegada dos boletos a cada fim de mês perpétuo. Fato é que desafia a lógica – ao menos deste 'Dr. Stockmann (de Um Inimigo do Povo)' que vos escreve – reabrir tudo num dos piores momento da pandemia.

Um exemplo da incômoda ‘ideologia dos números’ está na evolução da COVID-19 em Viamão. Entre março (2), maio (35) e junho (164) o município registrou 223 casos. Só em julho foram 404. Em agosto, já são 182 em 17 dias. Vidas perdidas no mês são 33, quase duas (1,9) a cada 24h. É um ‘platô’, mas sobre um íngreme morro.

Ao fim, no Brasil das 107.879 mortes (e contando), é cada um por si e um leito para todos. Só que agora, como informa o prefeito na live, com a responsabilidade socializada entre governador, prefeitos e técnicos da saúde.

Se Eduardo Leite aceitar a proposta, é praticamente um ‘liberou geral’ na Região Porto Alegre. Não só com o ok da política, mas também com uma suposta licença científica.

Últimas Rafael Martinelli

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS