Segunda, 18 de JANEIRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Opinião

Matheus Gomes e bancada negra na Câmara de Porto Alegre protestaram contra letra racista do Hino Riograndense

O hino e suas verdades inconvenientes; opinião sem lacração

Publicada em 07/01/2021 às 00h| Atualizada em 11/01/2021 às 14h24

Assino embaixo a opinião do Procurador do Estado e Diretor de Direitos Humanos da Associação dos Procuradores do Estado do Rio Grande do Sul (APERGS) sobre a polêmica do Hino Riograndense e a bancada negra na Câmara de Porto Alegre.

Equilibradíssima, didática, incontestável. Nada de lacração, caça-cliques ou ismos. Marcelo Ferreira Costa, um negro, dá a real em O hino e suas verdades inconvenientes.

Siga a íntegra do artigo e, ao fim, concluo. 

 

"(...)

Entre alguns setores, a recusa da bancada negra na Câmara de Porto Alegre em reverenciar o Hino Riograndense causou mais espanto pelo símbolo que a canção representa do que pelo verso que é objeto de protesto. Ora, símbolos não são estanques, impassíveis de crítica, análise ou mesmo modificação posterior. Senão, poucos dias antes do ato que gerou tamanha polêmica, a Austrália não teria modificado seu hino nacional — como modo de lembrar os aborígenes que são parte de sua história.

À época em que os versos gaúchos foram escritos, o negro era coisificado, mera propriedade de alguém. Naquele contexto, entender que a "coisa" servia ao dono e, por isso, não tinha virtudes, era "compreensível" — como também o foi a Traição de Porongos, episódio cruel da história farroupilha. Porém, se composto hoje, o hino faria clara apologia ao racismo.

Logo, não há o que justifique tanto assombro em relação ao protesto. Os vereadores atacaram um anacronismo, contrário à ideia de cidadania que se pretende moderna. Quem buscar um mínimo de empatia com aqueles que ali veem uma expressão racista, compreenderão o que é ser tachado de integrante de um "povo sem virtude". Somente em 2019, foram 1.054 brasileiros libertos das condições análogas à escravidão.

Não se trata, aqui, de uma cruzada contra um símbolo. Mas, sim, contra ideias que estruturam uma sociedade que ainda vê o negro como "povo sem virtude". Um racismo violento e estrutural, visto nas injúrias raciais e nos indicadores socioeconômicos. Não foram os gaúchos de hoje que escreveram tais versos. Mas são os de hoje que os cantam. E eles têm a missão de construir a sociedade do agora e do futuro. Fazer uma nação mais inclusiva e livre requer que enfrentemos essas discussões — e não simplesmente varrê-las para debaixo do tapete.

Os vereadores protestaram por si e por todos os negros e antirracistas que representam. A democracia representativa, gostem ou não, é assim. Ser escravizado não é uma questão de virtude. É fruto da violência e da ganância: fatores que, de tão repetidos em nosso Brasil, insistem em permanecer intactos, protegidos por “tradições”. Romper com essas estruturas exige que sejam ouvidas verdades inconvenientes — seja em relação ao nosso hino, seja em qualquer tema. Por isso, questione. Seja, também, antirracista.

(...).

 

Ao fim, se o Zeitgeist, o 'espírito do tempo', pode até 'justificar' que a letra do Hino Riograndense não era racista quando composta, hoje é.

Fosse eu negro e também não faria reverência a essa infâmia.

Últimas Rafael Martinelli

Crise do coronavírus
Voltamos à eleição: explode COVID, abre quase tudo em Viamão e região; Siga como fica a bandeira laranja
Opinião
O hino e suas verdades inconvenientes; opinião sem lacração
Crise do coronavírus
O ‘finalzinho da pandemia’ em Viamão: mais 300 casos em 15 dias, ultrapassamos as 200 mortes e as UTIs estão superlotadas
Operação Capital
Ex-secretário denunciado por fraude na ’Lava Jato de Viamão’ se diz injustiçado
Crise do coronavírus
UTI de Viamão lotada; a ’eleição’ e o verão da COVID
Opinião
Vergonha, famílias de Viamão! Pouco mais da metade das crianças vacinadas; Os VacImbecis
Crise do coronavírus
Como Viamão se prepara para vacina contra COVID-19; Live and let live
Educação
Onde é difícil tratar piolhos e tapar buracos no telhado, volta às aulas é tragédia; Socorro, Eduardo Leite, façam greve, alunos!
Política
A fascista violência estatal contra Witzel
Crise do Coronavírus
Em 10 dias, caiu um Airbus em Viamão, Gravataí, Cachoeirinha e Porto Alegre
Crise do coronavírus
Viamão ’arrepiou’, por enquanto, de proposta que envolve Porto Alegre para flexibilizar ainda mais a bandeira vermelha
Operação Capital
Como secretário foi envolvido na ’Lava Jato de Viamão’; Carlito Gandhi de Calcutá
A cadeira assombrada
Viamão tem prefeito; domingo de fumaça branca após morte de Russinho, Miss Colômbia de Nadim e renúncia de vereadores
Crise do coronavírus
Bolsonaro matou Russinho
Crise do coronavírus
Mini lockdown de Porto Alegre é prévia para Viamão
Crise do coronavírus
É tudo com a gente; O distanciamento controlado fake
Crise do coronavírus
Hospital não é lugar de celular; O Urinol de Maiakóvski
Bandeira vermelha pode fechar comércios em Viamão; efeito ’pior mês da COVID’
Tragédia
A morte do menino Miguel; a Casa Grande só troca de sinhô e sinhá
Crise do coronavírus
Eleição para Prefeitura e Câmara pode ser adiada para dezembro
Paginas: [1] 2 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS