Sexta-feira, 17 de SETEMBRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

Zero tons de cinza: Viamão reabre comércio; O ’Efeito Páscoa’ fica para semana que vem

Publicada em 09/04/2021 às 00h| Atualizada em 12/04/2021 às 22h17

Em bandeira preta pela sétima semana, assim como todo Rio Grande do Sul, Viamão adere a partir da zero hora deste sábado à flexibilização geral nos protocolos do Distanciamento Controlado pra supermercados, restaurantes, bares, academias, templos religiosos, parques, comércio não essencial e sistema de transporte coletivo, anunciada pelo governador nesta sexta (9). O efeito da Páscoa? Semana que vem Eduardo Leite, Valdir Bonatto e os demais prefeitos saberão.

A principal aliviada nos 50 tons de cinza da bandeira preta, que chega à sexta semana no Rio Grande do Sul, é a autorização para abertura do comércio não essencial aos finais de semana e a ampliação do horário de funcionamento de bares e restaurantes.

CLIQUE AQUI para acessar a todos os protocolos em gráficos detalhados.

Em live ‘Pilatos 2.1’, Leite compartilhou a responsabilidade ao dizer que “a redução no nível de restrições, demandado por entidades setoriais, prefeitos e deputados, só está sendo possível graças ao compromisso firmado com prefeitos para reforço na fiscalização”.

Viamão precisará colocar nas ruas 127 fiscais, ou um para cada 2 mil habitantes. Para feitos de comparação, a Guarda Municipal viamonense tem 75 funcionários e 9 viaturas.

Para justificar o “melhor cenário epidemiológico” o governador usou a a queda de internação em leitos clínicos e de UTI no RS. Se no pico de 12 de março havia 6.229 internações, quase um mês depois, em 7 de abril, eram 3.624 internados.

Conforme o governador, os hospitais vêm observando, desde 15 de março, queda na ocupação de leitos de UTI Covid, decorrente do aumento no número de leitos (+236) e de uma lenta redução nos casos confirmados desde o dia 27 de março.

Ao fim, chama atenção nota publicada no site do Governo do Estado que informa que “o Comitê de Dados, que monitora diariamente os boletins de casos e de internações, ainda aguarda o decorrer da próxima semana para avaliar os efeitos do feriado de Páscoa”.

Entendo os danos do contágio econômico nos mais diversos setores, mas reputo ilógico já flexibilizar tanto antes de medir os impactos do primeiro feriadão após o colapso no sistema de saúde.

Não sou refém de uma ideia, mesmo que o lockdown funcione e zere mortes. O que espero é que os indicadores não piorem; mas, antes da flexibilização, aguardaria para ver se o efeito da Páscoa não vai ressuscitar o colapso.

Como ficou, resta torcer que não estejamos frente a mais um abre-e-fecha, e a mais uma corrida para disponibilizar leitos ou atendimentos precários em cadeiras, porque, na prática, a estratégia dos governos brasileiros tem sido essa, de atacar mais consequências do que causas.

Como um Dr. Stockmann, de Um Inimigo do Povo, de Ibsen, não consigo compartilhar do pensamento de que se tivemos uma média diária de 5 vidas perdidas em março, e nos primeiros dias de abril temos 3,2 a cada 24h, vamos abrir a bodega.

 

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS

De segunda a sexta-feira

: Manutenção da restrição das atividades presenciais entre 20h e 5h

: Supermercados — não tem mais limitação de horário

: Bares e restaurantes — das 5h às 22h, com saída dos clientes até 23h

: Comércio não essencial — das 5h às 20h (depois somente delivery)

: Academias e serviços religiosos — das 5h às 22h

: Demais serviços — das 5h às 20h

 

Finais de semana

: Bares e restaurantes — das 5h às 15h, com saída dos clientes até 16h

: Comércio não essencial — das 5h às 20h (depois somente delivery)

: Academias e serviços religiosos — das 5h às 22h

: Demais serviços — das 5h às 20h

 

Novos protocolos

Feiras livres de comércio não essencial: estão liberadas as feiras de artesanato, como o Brique da Redenção, desde que com distanciamento de três metros entre as bancas e controle de acesso

Restaurantes: lotação de 25% da capacidade, com no máximo de cinco pessoas em cada mesa e exclusivamente para refeição. Happy hours estão proibidos, bem como música ao vivo. Deve haver dois metros entre as mesas e só clientes sentados.

Parques: lotação de 25% da capacidade, exclusivamente em locais abertos e com Selo Turismo Responsável. Segue obrigatório uso correto de máscara, distanciamento nas filas e higienização de mãos e superfície

Serviços de educação física: academias, piscinas, clubes e condomínios devem manter atividade individual, com no máximo uma pessoa para 16 metros quadrados de área. Grupos com no máximo duas pessoas para cada instrutor e cartaz informando lotação. É proibido compartilhar equipamentos simultaneamente. 

Esportes sem contato físico: quadras e condomínios têm autorização para jogos com no máximo quatro pessoas, sem contato e sem público. É exigido agendamento prévio, intervalo de 15 minutos entre jogos para higienização. Estão vedadas confraternização pós-jogo.

Transporte fretado: lotação de 75% dos assentos, com uso de máscara e ventilação.

Transporte coletivo: lotação de 60% do veículo, com uso de máscara e ventilação.

CLIQUE AQUI para acessar a todos os protocolos em gráficos detalhados.

Últimas Rafael Martinelli

Política
Onde estarão os políticos de Viamão após fracasso do ’nem-nem’ deste domingo? O ’ex e o futuro presidiário’
Política
A foto P&B do golpe: caminhoneiros protestam em Viamão; O ’MST do bolsonarismo’
Política
Bolsonaro lembra ’Hitler de Luciana Gimenez’; Pop It de 7 de setembro é a ’Pornochanchada da Cervejaria’
Crise no transporte
Deputada da região mexe na polêmica do transporte coletivo; Sem risco, qualquer um pode ter empresa de ônibus
Crise no transporte
Estudo mostra ser irreversível subsídios como o concedido para a Empresa Viamão
Política
A Brigada Militar não será cúmplice de arruaças bolsonaristas dia 7; O Jim Jones de meio milhão de mortos
Política
Governador libera mais dinheiro antes de pedagiar ERS-118; O meio bilhão e o ’país do faturo’
Crise no transporte
Assim como Viamão, Cachoeirinha e Gravataí também bancaram indenização milionária para empresa de ônibus por perdas na pandemia; A institucionalização do subsídio
Crise no transporte
Do subsidio de hoje ao fim das gratuidades, até tarifa zero bancada pelo IPTU amanhã; O sincericídio e o caça-cliques
Crise do Coronavírus
Mesmo com novo aviso de risco, eventos liberados até 400 pessoas; A ’lei Vampeta’ em Viamão e na Grande Porto Alegre
Crise do coronavírus
Com a variante delta em Viamão e na vizinhança, região recebe aviso de risco, mas aumenta lotação de ônibus e escolas; Os Grandes Lances dos Piores Momentos
Tragédia
Secretária da Educação de Gravataí e marido são encontrados mortos em Gramado
Crise do Coronavírus
’Festa da Covid’: Estado adia liberação gradual de eventos até 20 mil pessoas em Viamão e Grande Porto Alegre
Crise do Coronavírus
Viamão e prefeitos da região querem liberar eventos até 20 mil pessoas; A ’festa da COVID-19’
Redes sociais
O massacre sobre a menina de 12 anos que desapareceu; Os ’criminosos de bem’ do Grande Tribunal das Redes Sociais
Política
De Viamão à Paulista, o bolsonarismo mostra seu tamanho; Suicídio, homicídio e um infeliz 8 de setembro
Política
Dia do orgulho | Vereador propõe Frente LGBTQIA+; Jesus está vendo placar da tolerância
Prepare o Bolso
Leite bateu o martelo: pedágio da RS-118 será em Gravataí; Viamão e Alvorada pagarão passagem sem arrecadar um Real sequer de imposto
Crise do Coronavírus
Viamão: ação busca indenização de prefeituras para comércios por perdas na pandemia; A ’teoria do príncipe negacionista’
Pedágios nas RS 118 e 040
Viamão cercada por pedágios: Lançada Frente contrária; O ’bode de Leite’ está na cancela
Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS