Sexta-feira, 17 de SETEMBRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Fim do plebiscito

Patrícia Alba fez discurso forte na Assembleia Legislativa contra derrubada do plebiscito pela base do governo Eduardo Leite

Privatização da Corsan: Patrícia Alba ’pega na mentira’ o governador; Deputada da região vota contra ’Pix ilimitado’

Publicada em 28/04/2021 às 00h| Atualizada em 03/05/2021 às 15h32

Associo-me à deputada estadual Patrícia Alba, a rebelde da bancada do MDB como único voto contrário à PEC que retira a necessidade de plebiscito para autorizar a venda da Corsan. A aprovação nesta terça por 33 a 18 é o terceiro Erasmo ‘Pega na Mentiraaaaa’ Carlos cometido pelo governador Eduardo Leite (PSDB).

Já que ninguém mais usa cheque, para usar a expressão 'cheque em branco', a impossibilidade de a população decidir, e ter informações sobre o leilão de seu maior patrimônio, é um 'PIX ilimitado'. A pressa do governador para entregar até os parafusos faz lembrar aquelas promoções: “Torra-torra, o patrão enlouqueceu!”.

Reputo Patrícia Alba acerta técnica, política e moralmente. E não concordo que há incoerência da ex-primeira-dama de Gravataí, e deputada que representa a região no parlamento gaúcho, por seu governador José Ivo Sartori também querer a privatização, porque seu ex-governador tentou fazer o plebiscito e, por articulação do político de Pelotas, não conseguiu.

Há sim, uma divergência conceitual com o prefeito Luiz Zaffalon (MDB), favorável à privatização, o que, no caso da Corsan, o casal Alba não é.

– O governo mentiu para garantir a sua eleição e, por isso, deve agora dar a oportunidade do cidadão decidir sobre um tema tão importante, no qual foi enganado – argumenta a companheira do ex-prefeito da vizinha Gravataí, Marco Alba.

– Agora, a partir de um marco regulatório aprovado às pressas pelo Congresso com o intuito de impulsionar a privatização das estatais, coloca o abastecimento de água, a coleta e o tratamento de esgoto dos municípios à mercê de uma agenda imediatista, que se preocupa mais em vender patrimônio para cobrir o déficit estrutural do setor público do que, de fato, garantir a política de implantação do saneamento básico nos termos da nova lei – adverte.

 

Assista à íntegra do discurso de Patrícia e, após o vídeo, sigo a análise

 

 

Analiso a conta gotas.

Patrícia Alba acerta tecnicamente porque é um risco vender uma estatal com liquidez a toque de caixa, sem apresentar aos deputados e aos gaúchos um plano para a privatização.

Como a empresa compradora vai custear os investimentos de R$ 10 bilhões para universalização da água até 2033, como determina o marco regulatório do saneamento vigente desde 2016? Provavelmente com aumento de tarifas, já que a empresa privada não terá isenção de impostos e nem o mesmo acesso a financiamentos.

Ao mesmo tempo, para iniciativa privada é um negócio da China, ou para a China, que já está no mercado brasileiro do saneamento. Porque sem investir, mantendo o sistema, e não cumprindo o marco regulatório, arrecadaria com a Corsan R$ 400 milhões em 10 anos e depois poderia entregar o serviço.

Mais de R$ 400 bilhões, já que a Corsan arrecada R$ 4 bi por ano, mas perde, de seu produto, a água, 55% do que produz.

Qual a responsabilidade da empresa privada em levar água para pequenos municípios? Com o chamado subsídio cruzado, a arrecadação maior na Grande Porto Alegre ajuda a custear a água e o esgoto em localidade menos lucrativas.

Hoje, mesmo que todos os problemas, a Corsan leva água a todas as cidades e com preços acessíveis, mesmo que tenha uma das tarifas mais caras do país.

Ainda na questão técnica, a deputada faz um alerta correto: as prefeituras tem hoje a outorga, e em Gravataí, Cachoeirinha e outros sete município da Região Metropolitana, contratos assinados para a estatal firmar a PPP, a parceria-público privada que está em curso e prevê o cumprimento das metas do marco regulatório menos de 15 anos.

É disputa jurídica na certa.

Não há resposta do governador para nenhum desses questionamentos. Nenhum plano de metas foi apresentado. A corrida parece ser para jorrar bilhões para tapar o rombo no caixa do Estado e, com o troco, comprar deputados simpáticos.

É aí que aponto o acerto moral de Patrícia Alba. Não reporto com fontes em sigilo o que me parece um escândalo, e sim com a fala do deputado Tiago Simon (MDB), que se absteve na votação. O filho de Simon disse que, na quinta passada, em reunião com a base para tratar sobre a polêmica do plebiscito da Corsan, o governador ofereceu R$ 1,1 bilhão em obras e ‘kit asfalto’ para deputados.

Perguntei a Patrícia Alba, que também participou da reunião, e após um silêncio ela respondeu:

– O que confirmo é que não se apresentaram informações técnicas na reunião.

Se o leitor não acredita que Leite foi à fossa da política com o toma-lá-dá-cá, ouça Simon.

 

Assista e sigo abaixo do vídeo

 

 

Já o acerto político de Patrícia Alba é denunciar os momentos que evidenciam estelionato eleitoral cometido pelo governador na eleição em que venceu seu candidato Sartori, sugerindo ao gringo “tirar a bunda da cadeira”.

É o terceiro Erasmo de Leite. Dá para cantar o ‘Pega na Mentiraaaa’ na promessa de que colocaria os salários do funcionalismo em dia no primeiro ano de governo, o que não cumprir; na promessa de não aumentar impostos, o que fez em 2021; e agora no plebiscito.

Na campanha de 2018, Leite garantiu no Sindicato dos Engenheiros (SENGE) que manteria a Corsan pública. Tem vídeo.

 

Assista e, abaixo, sigo.

 

 

 

É óbvio que o voto de Patrícia também faz parte da estratégia dela e de Marco Alba para disputar o MDB e evitar que o partido siga um ‘sócio minoritário’ de Leite e encolha até se transformar em legenda apenas para ‘muletas de plenário’, aqueles que trocam votos pela reeleição.

E, é difícil, mas não impossível, o crescimento de Patrícia e das ideias do casal também ajuda no sonho de uma candidatura do ex-prefeito de Gravataí ao Palácio Piratini, com apoio de ex-governadores como Sartori e Germano Rigotto.

Mas acho injusto reduzir a polêmica a isso. Goste-se ou não, seja eleito dela ou não, as argumentações da deputada ultrapassam o interesse eleitoral. O que Patrícia Alba cobra, deveriam cobrar todos os gaúchos, a favor ou contra a privatização: as mentiras do governador.

Leite não disse na campanha que derrubaria o plebiscito, articulou para Sartori não conseguir fazê-lo e, mais, se comprometeu a manter a Corsan pública – o que, não tenho dúvida, decidiu a eleição a seu favor, quando no 2º Turno herdou votos do lado esquerdo da ferradura ideológica.

Dos Grandes Lances dos Piores Momentos, Leite agora corre para fazer um torra-torra de uma empresa pública que, apesar de problemas de gestão e incapacidade de investimento, dá lucro.

– Não perguntou qual a alternativa a deputada tem? – algum leitor pode estar se questionando.

Sim.

Patrícia, assim como Marco Alba, são ideologicamente a favor de privatizações para reduzir o tamanho do estado, mas no caso da Corsan, defendem a manutenção dos contratos assinados entre a estatal e as prefeituras, a PPP ou então permitir consórcios regionais ou municipalização – o que ex-prefeito tentou, ao calcular que a Corsan investia 10% do que arrecadava em Gravataí, mas desistiu ao apostar na PPP após apelo de Sartori.

Aí pinga a diferença conceitual entre Patrícia, Marco e Zaffa. O atual prefeito é a favor de privatizar a Corsan, como tratei em Sem água e sem esgoto Gravataí segue entre piores do Brasil; Zaffa apoia privatizar Corsan.

Ao fim, Leite faz Millôr acertar mais uma, quando dizia que todo político um dia corresponde aos que não confiam nele.

Parafraseio o Tremendão:

 

Zico tá no Vasco, com Pelé

Minas importou do Rio, a maré

Beijei o beijoqueiro na televisão

Acabou-se a inflação

Barato é o marido da barata

Amazônia preza a sua mata

O governador cumpriu a promessa

A Corsan é pública

 

Pega na mentira, pega na mentira

Corta o rabo dela, pisa em cima

Bate nela, pega na mentira

Últimas Rafael Martinelli

Política
Onde estarão os políticos de Viamão após fracasso do ’nem-nem’ deste domingo? O ’ex e o futuro presidiário’
Política
A foto P&B do golpe: caminhoneiros protestam em Viamão; O ’MST do bolsonarismo’
Política
Bolsonaro lembra ’Hitler de Luciana Gimenez’; Pop It de 7 de setembro é a ’Pornochanchada da Cervejaria’
Crise no transporte
Deputada da região mexe na polêmica do transporte coletivo; Sem risco, qualquer um pode ter empresa de ônibus
Crise no transporte
Estudo mostra ser irreversível subsídios como o concedido para a Empresa Viamão
Política
A Brigada Militar não será cúmplice de arruaças bolsonaristas dia 7; O Jim Jones de meio milhão de mortos
Política
Governador libera mais dinheiro antes de pedagiar ERS-118; O meio bilhão e o ’país do faturo’
Crise no transporte
Assim como Viamão, Cachoeirinha e Gravataí também bancaram indenização milionária para empresa de ônibus por perdas na pandemia; A institucionalização do subsídio
Crise no transporte
Do subsidio de hoje ao fim das gratuidades, até tarifa zero bancada pelo IPTU amanhã; O sincericídio e o caça-cliques
Crise do Coronavírus
Mesmo com novo aviso de risco, eventos liberados até 400 pessoas; A ’lei Vampeta’ em Viamão e na Grande Porto Alegre
Crise do coronavírus
Com a variante delta em Viamão e na vizinhança, região recebe aviso de risco, mas aumenta lotação de ônibus e escolas; Os Grandes Lances dos Piores Momentos
Tragédia
Secretária da Educação de Gravataí e marido são encontrados mortos em Gramado
Crise do Coronavírus
’Festa da Covid’: Estado adia liberação gradual de eventos até 20 mil pessoas em Viamão e Grande Porto Alegre
Crise do Coronavírus
Viamão e prefeitos da região querem liberar eventos até 20 mil pessoas; A ’festa da COVID-19’
Redes sociais
O massacre sobre a menina de 12 anos que desapareceu; Os ’criminosos de bem’ do Grande Tribunal das Redes Sociais
Política
De Viamão à Paulista, o bolsonarismo mostra seu tamanho; Suicídio, homicídio e um infeliz 8 de setembro
Política
Dia do orgulho | Vereador propõe Frente LGBTQIA+; Jesus está vendo placar da tolerância
Prepare o Bolso
Leite bateu o martelo: pedágio da RS-118 será em Gravataí; Viamão e Alvorada pagarão passagem sem arrecadar um Real sequer de imposto
Crise do Coronavírus
Viamão: ação busca indenização de prefeituras para comércios por perdas na pandemia; A ’teoria do príncipe negacionista’
Pedágios nas RS 118 e 040
Viamão cercada por pedágios: Lançada Frente contrária; O ’bode de Leite’ está na cancela
Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS