Sexta-feira, 17 de SETEMBRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do Coronavírus

Viamão: ação busca indenização de prefeituras para comércios por perdas na pandemia; A ’teoria do príncipe negacionista’

Publicada em 14/06/2021 às 00h| Atualizada em 18/06/2021 às 14h45

Viamão, Gravataí, Cachoeirinha, Canoas e Porto Alegre estão entre alvos de 302 ações civis públicas movidas em todo o país para cobrar indenização por restrições à atividade na pandemia. Reputo a ‘teoria do príncipe negacionista’.

Como contou Marta Sfredo, em GZH, até a noite da quinta-feira, a ofensiva da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) era secreta até para alguns de seus associados.

Construída sob sigilo, a estratégia tem como focos dos pedidos o governo do Estado do Rio Grande do Sul e 19 cidades gaúchas.

Em ordem alfabética, foram acionadas as prefeituras gaúchas de Porto Alegre, Alvorada, Butiá, Cachoeirinha, Campo Bom, Canoas, Cristal, Gravataí, Guaporé, Harmonia, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, Portão, Santa Maria, Santa Maria do Herval, Santo Antônio da Patrulha, Viamão e Xangri-lá.

Conforme a manifestação da Abrasel à GZH para justificar a “medida drástica”, bares e restaurantes estão entre as empresas mais afetadas pela pandemia. Até fevereiro, 56,8% apontavam risco de fechamento definitivo e 76,9% relatavam prejuízos. Dados da entidade apontam 335 mil estabelecimentos fechados e 1,2 milhões de postos de trabalho fechados.

– Há um conjunto de perdas acumuladas importantes, o setor precisa ser reparado. Não discutimos se foi lícito ou correto. Há um fato objetivo, de que Estados e municípios tomaram decisões que impuseram perdas mensuráveis a uma parte importante da sociedade, enquanto houve ganhadores. Essas perdas ocorreram pelo bem comum, mas quem pagou a conta fomos nós, e queremos reparação – disse Paulo Solmucci, presidente da Abrasel.

Em sua conclusão, a jornalista Marta Sfredo alerta para o que considera uma “estratégia polêmica”, pelo Código Civil brasileiro (Lei 10. 406/2002) prever no artigo 393 que “o devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior, se expressamente não se houver por eles responsabilizado”.

No mundo jurídico, força maior se refere a “fatos humanos ou naturais, que podem até ser previstos, mas da mesma maneira não podem ser impedidos, como fenômenos da natureza” e caso fortuito inclui qualquer “evento que não se pode prever ou evitar”.

Já eu reputo infactível a ‘teoria do príncipe’, como é chamada a única base jurídica possível para que estados e municípios sejam responsabilizado por dívidas que empresas contraíram devido às medidas de contenção do coronavírus – tomadas pelo ‘príncipe’, o governante, com base na “força” e em “alteração contratual unilateral”.

Para fazer o pedido, seria preciso a cada empresa demonstrar que o ato estatal era desproporcional e inadequado e que outra solução menos prejudicial ao caixa era possível.

Só que as medidas de isolamento social, recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), apesar de desacelerarem a economia, tem respaldo científico e são apontadas como, ao lado da vacinação, como únicas formas de contenção da disseminação da COVID-19.

Associo-me à definição dada ao ConJur por José Guilherme Berman, sócio do Barbosa, Müssnich, Aragão e professor da PUC-Rio, que entende que o Estado não pode ser um “segurador universal”:

– As medidas estão sendo tomadas no regular exercício do poder de polícia e têm se mostrado razoáveis e proporcionais, na medida em que são o único meio eficiente para reduzir os efeitos da pandemia. Admitir o contrário transformaria o poder público em uma espécie de segurador universal, além de ser inviável economicamente.

Ao fim, é uma ação negacionista, sindical, que seria uma sentença de morte para estados e municípios que já sobrevivem na UTI das finanças. Mais justo seria os 500 mil órfãos da COVID cobrarem a irresponsabilidade do deprimente da república Jair Bolsonaro, nosso ‘príncipe negacionista’, que só fez atrapalhar as medidas de combate à pandemia – do isolamento e máscara à vacina.

Últimas Rafael Martinelli

Política
Onde estarão os políticos de Viamão após fracasso do ’nem-nem’ deste domingo? O ’ex e o futuro presidiário’
Política
A foto P&B do golpe: caminhoneiros protestam em Viamão; O ’MST do bolsonarismo’
Política
Bolsonaro lembra ’Hitler de Luciana Gimenez’; Pop It de 7 de setembro é a ’Pornochanchada da Cervejaria’
Crise no transporte
Deputada da região mexe na polêmica do transporte coletivo; Sem risco, qualquer um pode ter empresa de ônibus
Crise no transporte
Estudo mostra ser irreversível subsídios como o concedido para a Empresa Viamão
Política
A Brigada Militar não será cúmplice de arruaças bolsonaristas dia 7; O Jim Jones de meio milhão de mortos
Política
Governador libera mais dinheiro antes de pedagiar ERS-118; O meio bilhão e o ’país do faturo’
Crise no transporte
Assim como Viamão, Cachoeirinha e Gravataí também bancaram indenização milionária para empresa de ônibus por perdas na pandemia; A institucionalização do subsídio
Crise no transporte
Do subsidio de hoje ao fim das gratuidades, até tarifa zero bancada pelo IPTU amanhã; O sincericídio e o caça-cliques
Crise do Coronavírus
Mesmo com novo aviso de risco, eventos liberados até 400 pessoas; A ’lei Vampeta’ em Viamão e na Grande Porto Alegre
Crise do coronavírus
Com a variante delta em Viamão e na vizinhança, região recebe aviso de risco, mas aumenta lotação de ônibus e escolas; Os Grandes Lances dos Piores Momentos
Tragédia
Secretária da Educação de Gravataí e marido são encontrados mortos em Gramado
Crise do Coronavírus
’Festa da Covid’: Estado adia liberação gradual de eventos até 20 mil pessoas em Viamão e Grande Porto Alegre
Crise do Coronavírus
Viamão e prefeitos da região querem liberar eventos até 20 mil pessoas; A ’festa da COVID-19’
Redes sociais
O massacre sobre a menina de 12 anos que desapareceu; Os ’criminosos de bem’ do Grande Tribunal das Redes Sociais
Política
De Viamão à Paulista, o bolsonarismo mostra seu tamanho; Suicídio, homicídio e um infeliz 8 de setembro
Política
Dia do orgulho | Vereador propõe Frente LGBTQIA+; Jesus está vendo placar da tolerância
Prepare o Bolso
Leite bateu o martelo: pedágio da RS-118 será em Gravataí; Viamão e Alvorada pagarão passagem sem arrecadar um Real sequer de imposto
Crise do Coronavírus
Viamão: ação busca indenização de prefeituras para comércios por perdas na pandemia; A ’teoria do príncipe negacionista’
Pedágios nas RS 118 e 040
Viamão cercada por pedágios: Lançada Frente contrária; O ’bode de Leite’ está na cancela
Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS