Sabado, 19 de SETEMBRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Ubuntu Viamão

Ativismo social como compromisso da fé cristã

Publicada em 10/06/2020 às 00h| Atualizada em 10/07/2020 às 16h55

Como mulher negra nordestina oriunda da periferia do estado de Pernambuco, assumo também outras identidades: cristã anglicana e, por consequência, ativista feminista negra, pelo respeito às diversidades humanas, pelo respeito à diversidade religiosa e à laicidade do estado, apoiadora da causa LGBTI+.

Tenho total consciência de que somente posso assim me assumir com estas muitas identidades, porque tenho o direito (atualmente muito desrespeitado), assegurado pela Carta Magna.

Da História – que é dinâmica e que hoje nos mostra de modo contundente –, aprendo quão danosa à sociedade é a ligação entre religião e estado. Entendo e defendo que o estado deve ser laico, embora as pessoas podem ser (ou não) religiosas. Entretanto, isto não me desobriga de reconhecer e afirmar que a fé é política; pois "política" diz respeito à coisa pública.

A minha fé - a fé que professo com todo respeito às outras fés e às pessoas que não têm fé - é pública, a exemplo do sujeito histórico Jesus, Deus encarnado, que em seu tempo como encarnado viveu sua fé de modo público, e incidindo na política vigente de seu tempo, anunciando e implantando o Reinado de Deus, de vida plena para as pessoas; opondo-se às políticas de estado opressoras, que impunham impostos injustos; bem como à cultura política que excluía muitas pessoas da convivência digna. Por ser aprendente desse Jesus, sinto-me impulsionada a testemunhar a fé que me faz sujeito histórico consciente do meu papel no mundo hoje, aqui e agora, por amor.

De modo que não posso assumir o discurso "em assuntos de políticas, sou neutra", porque a neutralidade, ao contrário do que pensam muitas pessoas, é conveniente para um lado. Ou seja, não serve para a maioria da sociedade eu me dizer neutra, pois a neutralidade beneficiará uma pequena parcela que acumula riquezas e fortunas.

Também não posso e não quero assumir o discurso comum "religião e política não se discute", porque sou ser pensante, dotada de razão (uma das hastes do fazer teológico anglicano: Bíblia- Tradição - Razão), e como ambas, religião e política, são culturas, ou seja, criação humana, são suscetíveis de erros e acertos, que têm consequências para a sociedade da qual sou cidadã e me importo muito aprender com o Bem Viver vivido pelos povos andinos, principalmente para que este Bem Viver alcance às pessoas excluídas pelo sistema capitalista vigente, que nega um princípio de vida que muito dialoga com o Evangelho de Jesus: UBUNTU = sou porque somos juntxs!

Assim, analisar os fatos e nominar as injustiças é imperativo para o jeito de ser cristã que assumi conscientemente, por chamado e por opção.

De modo que:oponho-me ao projeto político de morte em curso e defendo a deposição do atual chefe de Estado, em nome da vida!


Defendo, igulamente, o direito à vida de todas as pessoas, pois fiz e faço opção radical pelo amor!

Insisto: amemo-nos!

 

*As publicações nos espaços de opinião são responsabilidades de seus autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Diário de Viamão.

Últimas Sankofa Viamão

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS