Domingo, 24 de JANEIRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

O Brasil resignado

Papo de quarta-feira - com Moisés Mendes | O povo voltará às ruas?

Publicada em 23/12/2020 às 00h| Atualizada em 26/12/2020 às 18h55

Muito antes da eleição de Bolsonaro, desde o golpe de 2016, as ciências sociais fraquejaram como orientadoras de rumos e de previsões. As ciências não são videntes, mas erraram quase tudo sobre as chances de Bolsonaro e o que veio depois.

Agora, as ciências nos abandonam, talvez pelo medo de errar de novo, às portas do que nos espera em 2021. E um dos grandes dilemas acumulados no Brasil é o da inércia paralisante.

As esquerdas lidam mal com uma questão elementar para qualquer possiblidade de protagonismo político. As esquerdas já não sabem, e a academia também não, se as pessoas têm força para voltar às ruas.

Voltar não agora, não amanhã, mas quando as vacinas nos devolverem quase tudo do que tínhamos de normalidade. O povo pode voltar às ruas depois da pandemia?

O povo que vai às compras sem medo na 25 de março, o espaço das mais famosas aglomerações do Brasil, pode retornar às ruas para reagir à inflação, ao desemprego, ao desalento, ao fim do auxílio emergencial e aos rolos da família Bolsonaro?

Essa pode ser uma expectativa da classe média branca e crítica do que considera como o imobilismo dos outros. Mas essa mesma classe média que derrubou Dilma não reage desde antes da pandemia.

Há silêncio nos corredores das universidades públicas ocupadas como nunca por pobres e negros. As velhas universidades e os novos institutos federais são o reduto de pobres, pardos e negros. E nunca o ambiente do ensino superior foi tão silencioso.

A resignação é um incômodo para as militâncias e as ciências que ainda tentam compreender as esquerdas. Tudo está silencioso. O povo que chegou à universidade, o professor que acolhe o povo, a ciência que deveria entender o que se passa com o professor e o povo.

O Brasil parece ter desistido de querer entender o alheamento geral. Somos um país de atritos e de torcidas, e toda torcida virtual parece militância, mas quase sempre é apenas torcida.

Viramos o país do abaixo-assinado e das lives que nos confortam com ideias compartilhadas sempre pelas mesmas turmas.

O Brasil pode ser um dos poucos países do mundo todo, inclusive o mundo paupérrimo, que não tem um plano de vacinação. É certamente a única grande democracia que nunca teve um planejamento de saúde pública contra a pandemia.

E nada de consequente acontece. No Brasil, dois terços da população desistiram do governo e aguardam pelas instituições, que esperam pelo povo. A possibilidade de volta à normalidade pode ser apenas o aprofundamento das desilusões.

Voltar à normalidade talvez não signifique a possibilidade de ver o povo nas ruas de novo (como aconteceu no golpe de 2016). Porque a normalidade política passou a ser o povo quieto em casa.

As pessoas só saíram às ruas na pandemia por cansaço e para afrontar as medidas de prevenção. Quando puder sair para protestar e manifestar raivas, medos, demandas e os sonhos que restam, é provável que volte a ficar em casa, onde estava desde o golpe de agosto de 2016.

O Brasil está à espera da prova de que ainda tem juventude e estudantes com vitalidade física e política. É doloroso, mas é a realidade. Negá-la pelo silêncio é uma forma de reforçar a inércia e o desalento.

 

Texto publicado originalmente no blog do Moisés Mendes:

https://www.blogdomoisesmendes.com.br/o-povo-voltara-as-ruas/

Últimas Papo de quarta-feira - Com Moisés Mendes

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS