Segunda, 02 de AGOSTO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Opinião

Moisés Mendes | O esquema dos sinhozinhos com a Pfizer

Publicada em 24/03/2021 às 00h| Atualizada em 25/03/2021 às 16h53

Sabemos de espertalhões que furaram as filas da vacinação no Brasil e em muitos países. Os argentinos enfrentaram o constrangimento de ver um governo de esquerda em que o ministro da Saúde (já demitido) vacinava um grupo de elite de autoridades, conhecidos, amigos e protegidos.

Mas o Brasil passou à frente de todos mais uma vez com a denúncia da revista Piauí de que aqui há endinheirados comprando vacina da Pfizer. É uma forma inédita de furar fila.

Não há notícia em nenhum outro país de políticos e empresários que tenham tomado a iniciativa de comprar a vacina para imunizar parentes e amigos.

Aconteceu com um grupo de políticos e empresários da área de transportes de Minas Gerais. Eles pagaram R$ 600 pelas duas doses para um grupo de 50 pessoas. Gastaram R$ 30 mil.

Os organizadores do esquema de fura-fila foram os irmãos Rômulo e Robson Lessa, donos da viação Saritur. A vacinação aconteceu em uma garagem do grupo.

A Piauí diz que o ex-senador Clésio Andrade, ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), foi um dos vacinados, porque teria ganho a vacina de presente. A segunda dose está prevista para daqui a 30 dias.

Pela lei, os bacanas só poderiam ter comprado a vacina se essas fossem depois doadas ao SUS. Deveriam doar tudo até que os grupos de risco – em torno de 77 milhões de pessoas – tivessem sido vacinados.

Depois da vacinação desses grupos, a iniciativa privada deve dividir os estoques comprados ao meio, para a turma deles e para o SUS. O SUS deve ficar com a metade.

Mas agora não poderiam ter feito o que fizeram, porque menos de 20% das pessoas dos grupos de risco foram vacinadas.

Alguém pode pensar: mas quem tem dinheiro vai ao mercado e compra a vacina. Não é bem assim.

Não dá pra concordar que, num mundo em que todos os países querem vacinas, os que têm dinheiro possam chegar aos imunizantes antes dos governos.

A vacinação é um esforço mundial de saúde pública. Os empresários deveriam lutar para que todos tenham acesso às vacinas. Mas fizeram o que para eles é mais fácil.

Os sinhozinhos cometeram um delito. E não estão sozinhos. A Pfizer deve ser investigada, porque também descumpriu compromissos de protocolos mundiais. Os governos devem ser atendidos antes.

É uma de tentativa de equidade num cenário de guerra, em nome do bom senso e do humanismo, mais do que uma regra que nem precisa ser escrita. A Pfizer patrocinou a atitude egoísta dos bacanas brasileiros ao permitir que comprassem a vacina.

Teremos explicações esdrúxulas, que não irão convencer ninguém. Não esperem punição. A casa grande ainda existe no Brasil. O genocídio tem cúmplices, por adesão ou omissão, em todas as áreas.

 

Texto publicado originalmente no blog do Moisés Mendes:

https://www.blogdomoisesmendes.com.br/o-esquema-dos-sinhozinhos-com-a-pfizer/

Últimas Papo de quarta-feira - Com Moisés Mendes

Opinião
Moisés Mendes | Bolsonaro prepara a retirada
Opinião
Moisés Mendes | O cerco à polícia que derrubou Evo Morales e inspira Bolsonaro
Opinião
Moisés Mendes | Apenas a mão do gato (ao vivo na CPI)
CPI da COVID
Moisés Mendes | O acusado sai atirando
Opinião
Moisés Mendes | A caçada de Lázaro e o projeto de Bolsonaro
Crônica
Moisés Mendes | Os ratos da dinheirama da cloroquina e da vacina indiana
Opinião
Moisés Mendes | Witzel enfrenta os milicianos
Opinião
Moisés Mendes | Levamos um drible de Casemiro
Papo de quarta-feira
Moisés Mendes | O crime de Nise Yamaguchi contra a vacinação
Moisés Mendes
Papo de quarta-feira | Os prefeitos que enfrentam o autoritarismo negacionista
Opinião
Moisés Mendes | Pazuello mente, desmaia, levanta e acha que escapa
Opinião
Moisés Mendes | A CPI que não prendeu um lobista mentiroso pode prender um general?
Opinião
Moisés Mendes | Joaquim de Carvalho vai contar na TV 247 a história secreta da cloroquina
Opinião
Moisés Mendes | Os cúmplices do pesadelo da segunda dose
Opinião
Moisés Mendes | A boiada, a cachorrada, as hemorroidas e os vagabundos, um ano depois
Opinião
Papo de quarta-feira - com Moisés Mendes | o blefe do golpe é a cachaça de Bolsonaro
Opinião
Moisés Mendes | Não menosprezem os silêncios de Bolsonaro
Opinião
Moisés Mendes | A lição dos vizinhos para a preservação das Forças Armadas
Opinião
Moisés Mendes | O esquema dos sinhozinhos com a Pfizer
Opinião
Papo de quarta-feira - com Moisés Mendes | As carreatas da morte
Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS