Segunda, 02 de AGOSTO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Opinião

Moisés Mendes | Os cúmplices do pesadelo da segunda dose

Publicada em 28/04/2021 às 00h| Atualizada em 28/04/2021 às 18h12

O Rio Grande do Sul ficou ontem diante do terror que outros lugares já vivenciaram e que o Brasil todo irá enfrentar. Não há vacina CoronaVac para a segunda dose de todos os que já foram imunizados até aqui.

A falta da vacina para a primeira dose já era e continua sendo preocupante, com um calendário errático, lento e imprevisível.

Mas é a segunda dose, a dose do reforço, que vai nos assegurar que estamos mesmo imunizados. Chegamos à etapa das dúvidas aterrorizantes.

A primeira dose é sempre, desde o começo, a espera normalizada pelas expectativas de uma grande maioria abaixo dos 60 anos e que não sabe nunca quando será vacinada.

O drama agora é com a segunda dose, a que não poderia nunca ser uma miragem. Porque sem essa segunda dose a eficácia da primeira passa a ser uma incógnita.

Ninguém sabe o que acontece se a segunda dose for aplicada muito fora do prazo. O que os especialistas dizem é um consolo. Mesmo que não se saiba o que de fato ocorre, o que se espera é que o alongamento do tempo para além de 28 dias não torne a primeira dose inútil. É o que se espera.

O brasileiro passou a depender das suposições. Porque até a ciência é manejada criminosamente pelo governo. É mais do que imprecisão, imprevisibilidade, falha, erro. É ação política deliberada para que nada dê certo.

A falta da segunda dose da vacina é a confirmação de que há um plano, que Eduardo Pazuello explicitou antes de ir embora. O plano era induzir ao consumo imediato tudo o que existia de vacina, aplicando quase tudo como primeira dose, mesmo que a produção para a segunda fosse uma interrogação.

Os Estados seguiram à risca a recomendação de Pazuello, com exceção de Bahia, Maranhão e Minas.

Pazuello induziu os governantes ao erro de não guardarem a segunda dose. Governadores e prefeitos queriam participar de uma gincana. Estados como o Rio Grande do Sul venderam o marketing da vacinação acelerada, para aparecer no Jornal Nacional como os que mais vacinavam no país.

O que o governo gaúcho fez foi torrar a vacina, sabendo que corria o risco de não ter reservas para uma segunda dose para milhares de pessoas. Pazuello e Bolsonaro tiveram cúmplices na trama de terror que se explicitou nessa terça-feira.

Pela primeira vez, desde o início da vacinação, milhares de pessoas retornaram para casa frustradas em um Estado inteiro.

Repetiram-se no Rio Grande do Sul as cenas que o Brasil assiste há dias em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Um Estado virou uma imensa Duque de Caxias.

O colapso do esquema da segunda dose não pode ser atribuído só aos chineses, que não enviaram insumos nos prazos combinados, e ao Butantan, que não produziu vacinas porque não tinha insumos.

O terror que passa a ser enfrentado pelos idosos, em dúvida sobre uma imunização incompleta, foi provocado também pela incúria de quem não soube gerir a escassez.

Voltem para casa porque não há vacina. Foi o que mais se ouviu na terça-feira no Rio Grande do Sul. Não há e não se sabe quando haverá.

Já são muitos os estudos sobre as ações deliberadas do governo como aliado da pandemia. Decisões oficiais formam um conjunto coerente, sempre na construção do projeto de sabotagem da informação, do isolamento solidário, da ciência, da vacina.

Ontem, Bolsonaro disse: “Eu não errei em nada”.

Ele está certo. Erram todos os que, para tentar ofendê-lo, dizem que ele errou. Bolsonaro não erra, ele acerta sempre, porque o plano sempre foi esse. Negação, fake news, cloroquina e sabotagem da vacina.

A segunda dose que não existe para todos é o grande momento do plano de Bolsonaro de aterrorizar os que sobrevivem. O genocida criou uma nova divisão entre os imunizados e os meio imunizados.

 

Texto publicado originalmente no blog do Moisés Mendes:

https://www.blogdomoisesmendes.com.br/os-cumplices-do-esquema-que-sonega-a-segunda-dose/

Últimas Papo de quarta-feira - Com Moisés Mendes

Opinião
Moisés Mendes | Bolsonaro prepara a retirada
Opinião
Moisés Mendes | O cerco à polícia que derrubou Evo Morales e inspira Bolsonaro
Opinião
Moisés Mendes | Apenas a mão do gato (ao vivo na CPI)
CPI da COVID
Moisés Mendes | O acusado sai atirando
Opinião
Moisés Mendes | A caçada de Lázaro e o projeto de Bolsonaro
Crônica
Moisés Mendes | Os ratos da dinheirama da cloroquina e da vacina indiana
Opinião
Moisés Mendes | Witzel enfrenta os milicianos
Opinião
Moisés Mendes | Levamos um drible de Casemiro
Papo de quarta-feira
Moisés Mendes | O crime de Nise Yamaguchi contra a vacinação
Moisés Mendes
Papo de quarta-feira | Os prefeitos que enfrentam o autoritarismo negacionista
Opinião
Moisés Mendes | Pazuello mente, desmaia, levanta e acha que escapa
Opinião
Moisés Mendes | A CPI que não prendeu um lobista mentiroso pode prender um general?
Opinião
Moisés Mendes | Joaquim de Carvalho vai contar na TV 247 a história secreta da cloroquina
Opinião
Moisés Mendes | Os cúmplices do pesadelo da segunda dose
Opinião
Moisés Mendes | A boiada, a cachorrada, as hemorroidas e os vagabundos, um ano depois
Opinião
Papo de quarta-feira - com Moisés Mendes | o blefe do golpe é a cachaça de Bolsonaro
Opinião
Moisés Mendes | Não menosprezem os silêncios de Bolsonaro
Opinião
Moisés Mendes | A lição dos vizinhos para a preservação das Forças Armadas
Opinião
Moisés Mendes | O esquema dos sinhozinhos com a Pfizer
Opinião
Papo de quarta-feira - com Moisés Mendes | As carreatas da morte
Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS