Sabado, 16 de OUTUBRO de 2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crônica

O mundo de Alice | Processos: quanto tempo leva até fazer sentido?

Publicada em 20/09/2021 às 00h| Atualizada em 21/09/2021 às 14h11

Estava conversando com uma amiga sobre processos e caminhos. Caminhos diferentes que tomamos em nossas vidas, que nos distanciaram, mas que nos trouxeram grandes conquistas e alegrias ao longo do percurso. Estávamos falando sobre os inúmeros processos em que entramos até chegar aqui, até encontrar uma à outra e compreender o sentido de algumas coisas pelas quais passamos.

Perdas, felicidades e vitórias. Quantas vezes nós nos perguntamos: por que comigo? Por que agora? O que eu fiz para merecer?... E, no entanto, passados alguns dias ou meses, ou até mesmo anos, aquelas dores se explicam e somos curados pelo Deus supremo que rege todas as coisas: o Tempo.

Nossa conversa me levou para um novo nível de entendimento sobre cura, transformação e processos. Pois pude enxergar a clara passagem da dor para um estado mais ameno de tristeza, e então a cura. A cura que pode chegar em forma de alguém novo para amar, depois de tanto medo de amar de novo. A cura que pode chegar na forma de uma conversa com uma amiga, um acerto de contas e um encontro de vulnerabilidades, um: eu te entendo amiga(o)!

Tudo passa, se transforma e ganha outra cor. Nossa ansiedade nos leva a crer que a ferida permanece aberta para sempre, que o novo não virá. Passamos a não acreditar em um futuro belo, de novos aprendizados e novos sorrisos. Passamos a crer que o novo amor não virá, nem a nova amizade, nem a nova viagem e o novo emprego.

Quanto tempo leva até fazer sentido cada processo doloroso que a vida nos traz? Quanto tempo leva até fazer sentido o coração partido? Eu não sei, talvez nunca saiba. Mas acredito profundamente que a cura é a mãe de cada um desses processos, ela acompanha sutilmente cada dor, depositando um pouquinho de renovação em cada ferida, a cada dia que passa.

Até que chega um dia em que a paz nos alcança. Sentimos nosso peito descansar sob o lençol da esperança novamente, de modo que se torna possível ver o novo horizonte, antes tão escondido atrás do receio de nunca mais voltar a ser o que era.

No meio de tudo isso, acabamos por encontrar novamente tudo aquilo que pensamos perder, nós mesmos e nossa essência. Com a cura, vem a transformação. E com a transformação, vem a possibilidade de recomeçar, ainda mais bela, ainda mais forte e madura: a vida e seus processos.

Eu acredito nisso e espero que você encontre um lugar em que possa enxergar o horizonte de cura de cada um dos seus processos.

Semore com amor e força, Alice

Últimas O mundo de Alice

Crônica
O mundo de Alice | Para o meu amor: uma construção diária
Crônica
O mundo de Alice | Esteja disposta a mudar de rota
Crônica
O mundo de Alice | Mulheres são múltiplas: para além do papel de esposa, namorada e mãe
Crônica
O mundo de Alice | Processos: quanto tempo leva até fazer sentido?
Crônica
O mundo de Alice | Não quero mais me desculpar, não posso mais me desculpar
Crônica
O mundo de Alice | Arte: uma religião escondida nas cores?
Crônica
O mundo de Alice | Uma decisão: me escolher todos os dias
Crônica
O mundo de Alice | Uma carta de amor para alguém que merece ser amada
Crônica
O mundo de Alice | Literatura: para que serve e por que devemos ler?
Crônica
O mundo de Alice | Autocobrança: você dá o seu ’melhor’?
Crônica
O mundo de Alice | O espelho e eu: minha própria companhia
Crônica
O mundo de Alice | Sentimentos que te atravessam: a difícil missão de se concentrar no agora
Crônica
O mundo de Alice: Viamão e a arte: olhos voltados para fora jamais enxergarão a beleza lá de dentro
Crônica
O mundo de Alice | Viamão & meio ambiente: bituca de cigarro não é semente, papel de bala não vira flor
Crônica
O mundo de Alice | Conversa de bar - Realização pessoal: o que significa realizar-se na vida, para você?
Crônica
O mundo de Alice | Escolhas: um olhar profundo para nossas verdadeiras intenções
Crônica
O mundo de Alice | Solitude - o bendito fruto de nós mesmos
Crônica
O mundo de Alice | Saia dos trilhos, para que possa retornar a si ainda melhor
Crônica
O mundo de Alice | Caixa secreta: nós mesmos, nossos desejos e anseios
Crônica
O mundo de Alice | Solidão: A coragem de estar só
Paginas: [1] 2 Próxima »

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS