Sexta-feira, 25 de SETEMBRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise na Saúde

Abertura dos postos de Saúde é incerta em Viamão

por Cristiano Abreu | Publicada em 22/04/2020 às 00h| Atualizada em 24/04/2020 às 01h39

Trabalhadores da Saúde voltaram a ocupar a frente do gabinete do prefeito na tarde desta quarta-feira (22). Com faixas e cartazes, cerca de 20 funcionários da Mahatma Gandhi cobraram solução para o impasse que torna incerto o pagamento de salários e a própria continuidade dos serviços nos postos de saúde e nos centros de assistência psicossocial de Viamão.

Na tentativa de evitar um colapso na rede de Saúde pública, o comitê de crise montado pela Prefeitura criou dois projetos de lei para selecionar e substituir os trabalhadores dos Centros de Atenção Pisicossocial (CAPS) e das Unidades Básicas de Saúde (UBS). As propostas foram aprovadas pela Câmara de Vereadores em sessão extraordinária que invadiu a noite do feriado (21), mas as medidas não resolvem a curto prazo a crise que afeta o atendimento à população.

Os contratos do município com a terceirizada que faz a gestão dos quatro CAPS, de 16 UBSs e duas Unidades de Referência venceram no mês passado. Ontem, logo após a aprovação das leis, a Mahatma Gandhi divulgou um comunicado oficial informando que não tem mais interesse na renovação. Reafirmou que não dispõe de recursos para o pagamento dos salários dos seus contratados e fez duras críticas à Prefeitura, que não conseguiu, segundo a empresa, apresentar solução para regularizar os repasses.

Sem receber os salários de março, os profissionais da terceirizada viam nos projetos de lei aprovados ontem a chance de manterem seus trabalhos. Mas a decisão da Mahatma de deixar a gestão das UBSs e dos CAPS, e a ausência de prazo para a seleção pública que preencherá as novas vagas, sem garantia de recontratação, levou os profissionais novamente a protestar. Na prática, o grupo decidiu por suspender os serviços.

- Ouvimos da empresa que é o último dia no município. Da Prefeitura e da Câmara, ouvimos que a Mahatma tem dinheiro para nos pagar. Mas o que estamos vendo é que, sem mobilização, não vamos receber – comentou uma das profissionais que participaram do encontro, mas que pediu para não ser identificada.

 

Sem atendimento

 

Parte das Unidades de Saúde já estão com atendimento prejudicado, e algumas não teriam condições de abrir as portas a partir de amanhã (23). Segundo fontes ligadas ao gabinete do prefeito, as coordenações das Unidades participaram de reunião na sede da secretaria da Saúde para discutir o que será feito daqui por diante.

O secretário da Saúde falou ao Diário de Viamão que não houve prejuízo à população no atendimento nesta quarta-feira. José Ricardo Agliardi também voltou a colocar suas fichas na contratação de profissionais para substituir os serviços da empresa terceirizada e resolver a crise.

- Agora é esperar que a administração seja ágil em realizar as contratações – comentou o titular da Saúde no município.

 

Reunião cancelada

 

Em mais uma tentativa de resolver o impasse, uma reunião da direção da Câmara e representantes da Mahatma foi agendada para a tarde de hoje. Como os trabalhadores tomaram conhecimento do encontro e foram ao local protestar, a conversa foi cancelada.

Os vereadores André Guterres (PP), Guto Lopes (PDT) e Rodrigo Pox (PDT), que não participariam da reunião do Legislativo, acabaram por receber os representantes da terceirizada.

- A empresa apresentou documentos comprovando que não recebe os valores devidos há quatro meses. Segundo a empresa, a Prefeitura nunca pagou o valor integral devido – resume Guterres.

- É um Absurdo, o caos que está a Saúde da cidade. A empresa joga a culpa na Prefeitura, que devolve a culpa para a empresa – afirma o vereador Guto Lopes (PDT).

Já no fim da tarde, Russinho recebeu funcionários e representantes da empresa. O encontro foi a portas fechadas, e o teor da conversa não foi divulgado. Conforme o Diário de Viamão apurou com os profissionais que realizaram a manifestação, a Prefeitura não chegou a um acordo com empresa, e o pagamento dos trabalhadores permanece incerto.

 

Ministério Público acompanha processo de seleção

 

O Diário de Viamão teve acesso a trocas de mensagens entre a gerente-geral da saúde mental da Mahatma, Vanessa Bettiol de Oliveira, com a Promotora de Justiça do Ministério Público Gisele Moretto. A representante da empresa afirma que os projetos de lei da Prefeitura são “um ato de desespero do prefeito”, criticou a demora na nomeação do secretário da Saúde, José Ricardo Agliardi, e diz que a crise da falta de higienização das Unidades Básicas de Saúde só foi resolvida porque a terceirizada foi a responsável pela contratação dos novos serviços de limpeza. Vanessa encerra dizendo que os funcionários "estão sendo massacrados" e chega a sugerir à promotora a cassação de Russinho, evidenciando o tom do diálogo entre administração de Viamão e a terceirizada.

 

Novos cargos

 

Vanessa questionou ao MP a ausência de cargos de Redutor de Danos, Oficineiro e Pedagogo, hoje presentes no contrato de terceirização, mas não no quadro de cargos e salários do Poder Executivo. Esses postos de trabalho foram acrescentados no projeto de Lei enviado à Câmara através de emenda e deverão ser criados por lei, assim como sua contratação emergencial, em até 20 dias após a promulgação pelo prefeito.

Fonte ligada à Mahatma, que não quer ser identificada, revelou ao Diário de Viamão que havia irregularidade na área de enfermagem e que não tem previsão de correção com as novas leis: não há enfermeiros obstetras e obstetrizes nas unidades de saúde. Esses profissionais devem ser os únicos responsáveis pela realização de exames pré natal, conforme resolução número 524/2016 do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen).

 

O que diz a Prefeitura

 

A Prefeitura de Viamão não retornou o pedido de entrevista.

 

 

LEIA TAMBÉM

Ministério Público investiga condutas de Russinho

Câmara abre duas CPIs para investigar contratos terceirizados da Saúde

Ministério Público dá prazo para Russinho apresentar explicações sobre repasses à empresa que faz a gestão dos postos de Saúde

Viamão não precisa de um secretário da Saúde, e sim de um interventor, diz José Ricardo Agliardi, que pediu demissão antes mesmo de ser nomeado

 

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS