Sabado, 30 de MAIO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

Brasil está dobrando número de casos da COVID 19 a cada cinco dias

Sem distanciamento social Viamão poderia ter mais de 1,3 mil mortes; Às ’reginas duartes’

por Rafael Martinelli | Publicada em 08/05/2020 às 00h| Atualizada em 25/05/2020 às 21h54

Não fossem as medidas de distanciamento social, maio terminaria com 1.250 pessoas mortas pela COVID-19 em Viamão. É a conta mórbida da aplicação da estratégia da imunidade de grupo, ou ‘imunização do rebanho’. Hoje Viamão tem 31 casos, com três internações em hospitais, sendo um em UTI, e 12 em tratamento domiciliar. Explico para ‘reginas duarte’.

Diferentemente das políticas de confinamento, como as decretadas pelo governador Eduardo Leite, a imunidade coletiva aconteceria a partir do livre contágio da população. O modelo – que faz uma média entre surtos de sarampo e poliomielite – mostra que o pico de contágio seria alcançado em três meses, com a infecção de 70% das pessoas entre março e junho.

A estratégia, usada no início da pandemia em Londres, chocou a comunidade científica. O premiê britânico Boris Johnson – depois infectado pelo SARS-CoV-2 e internado em UTI – sugeriu apenas algumas ações específicas para incentivar um senso de responsabilidade entre os cidadãos do Reino Unido, particularmente os mais vulneráveis: aqueles com mais de 70 anos ou com problemas de saúde crônicos.

O ‘osmarterraplanismo’ que no Brasil ganhou a alcunha de ‘isolamento vertical’ foi abandonado pelos ingleses após modelo matemático e epidemiológico do Imperial College de Londres calcular que, com a ‘imunização do rebanho’, a Inglaterra teria 500 mil mortes; com o distanciamento social, 260 mil entre março e o fim de maio. No Brasil, o tratamento de ‘gripezinha’ levaria a 1 milhão de mortos.

É simples trazer a conta para enterros sem velório e caixões fechados nos cemitérios onde viamonenses se separam dos seus entes. Se 7 a cada 10 dos 255,2 mil habitantes fossem infectados, conforme a ‘imunização do rebanho’, teríamos 178,6 mil com o novo coronavírus. Como a taxa de letalidade da COVID-19 é de 0,7%, 1.250 poderiam perder a vida.

Alarmismo, ‘caixões nas costas’? Não. Uma conta ‘otimista’. Porque o colapso no sistema de saúde poderia aumentar o número de mortes. Dados do Ministério da Saúde mostram que cerca de 15% dos infectados precisam de tratamento. Seriam 29.505 pessoas. Destes, 11,7% evoluem para estados graves. Ou 3.452 pessoas precisando de leitos e respiradores.

A comparação é absurda, porém real: seria preciso usar com pacientes de Viamão quase todos os leitos de Porto Alegre e todos os respiradores do Rio Grande do Sul. E, como o período de internação para tratar a COVID-19 é de, em média 14, dias, por falta de leito (público ou privado) ninguém poderia ser internado em UTI por infarto, AVC, acidente automobilístico...

Como mostrei em Mapa dos leitos mostra maior ocupação e gravidade da COVID-19 em Viamão, na regionalização feita pelo Governo do RS para definir o ‘distanciamento controlado’, que é a volta das atividades comerciais, industriais e de serviços, a ‘R-8’, onde está Viamão, Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Glorinha e Gravataí, tem 10 hospitais e 391 leitos, sendo 276 clínicos e 115 de UTI, com 187 respiradores.

Na Capital há 31 hospitais, com 2.279 leitos, sendo 1.578 clínicos e 701 de UTI, com 1.130 respiradores. Em todo RS há 295 hospitais, 8.814 leitos, sendo 1716 de UTI, com 3.257 respiradores.

Ao fim, a gravidade da pandemia é tão grande que, mesmo com algum distanciamento social, no Brasil já estamos “tropeçando em corpos”, como diz o biólogo Átila Iamarino, ao alertar que, se a curva do contágio tinha sido achatada, por estados e municípios usarem de medidas restritivas duas semanas antes que norte-americanos ou europeus, o gradual abandono da ‘quarentena’ tem feito dobrar o número de casos a cada cinco dias.

É a ‘ideologia dos números’. Resta-nos aprender a conviver com esse ‘novo normal’ até a descoberta de uma vacina. O vírus não tem lado na ‘ferradura ideológica’. Não desaparece por desejo ou reza de presidente, governador, prefeito, eu ou você. A COVID-19 não é ‘namoradinha do Brasil’, é a realidade do mundo.

 

LEIA TAMBÉM

Infecções por COVID-19 em Viamão aumentam 41% em maio; Total de casos é de 31

Projeto desenvolvido em Viamão cria respirador de baixo custo a partir de lixo eletrônico

Médica responsável pelo comitê de enfrentamento ao coronavírus entrega posto a Russinho

As regras de Viamão para comércio abrir e população andar na rua; expectativa e realidade

Instalação de novos leitos de UTI em Viamão é aguardada para esta semana

Médica fala sobre a ’hora da morte’: As pessoas morrem sozinhas; Sozinhas, sozinhas, sozinhas

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS