Domingo, 09 de AGOSTO de 2020

Publicidade

Facebook

Exclusivo

Ministério Público acompanha medidas para evitar surto de COVID-19 em lar de idosos de Viamão; Conforme Vigilância em Saúde, um caso está confirmado

por Cristiano Abreu | Publicada em 09/07/2020 às 00h| Atualizada em 16/07/2020 às 23h30

Após o departamento de Vigilância em Saúde (DVS) confirmar que um morador de um lar de idosos do município testou positivo para COVID-19, o Ministério Público está preocupado com a propagação de um surto.

Na tarde da quarta-feira (8), diretor da DVS Clayton Ferreira fez contato com promotora de Justiça Gisele Moretto e informou sobre o contágio. Em troca de mensagens por WhatsApp, ele chegou a citar a possibilidade de interdição.

Gisele Moretto, então, pediu para saber quais as medidas adotadas pelas autoridades de saúde de Viamão e pelos responsáveis da casa de repouso. Ela orientou que seja realizada uma investigação epidemiológica no estabelecimento, incluindo a testagem dos demais residentes.

A promotora concedeu prazo até às 12h de amanhã (9) para o retorno da Vigilância ao MP, comunicando se há ou não surto no lar de repouso e quais as medidas efetivadas.

No mesmo diálogo, Gisele Moretto revelou que tem conhecimento de casos no Hospital Colônia Itapuã e questionou o diretor da DVS sobre de quem é a competência sobre a investigação epidemiológica: se da Prefeitura ou do Estado.

 

Responsável pela casa de repouso nega surto 

 

A reportagem do Diário de Viamão ouviu uma representante da instituição, que está localizada na região central da cidade. O nome dela e do lar serão preservados pelo menos até que todas as investigações sanitárias estejam concluídas.

Segundo afirmou, o idoso, que não teve a idade confirmada, foi encaminhado no dia 3 deste mês ao Hospital Ernesto Dornelles, na Capital, com sintomas de uma doença preexistente. A infecção por coronavírus, defende ela, teria ocorrido na casa de Saúde. 

- O idoso saiu daqui com bacteremia (presença de bactérias na corrente sanguínea), que ele já tem há anos. Ele fez o teste do sangue (IgG/IgM) no dia 3 e deu negativo. Três dias depois, já internado, fez o swab (teste molecular RT- PCR) e esse deu positivo. Então, eu digo com toda a certeza que não tem mais pacientes com COVID aqui - completa.

 

Como é feito o diagnóstico

Testes rápidos:

- De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os testes rápidos são capazes de dar uma resposta quase imediata se a pessoa já teve a doença. A partir da coleta de sangue, que permite verificar a presença de anticorpos no soro ou no plasma do paciente, esses exames podem apresentar o resultado em até 30 minutos. 

- É preciso, no entanto, que o corpo tenha tido tempo de produzir as defesas contra o vírus para que o exame dê um resultado positivo. O tempo estimado é de pelo menos oito dias após o início dos sintomas para que seja possível indicar se a pessoa teve contato com o vírus.

- O resultado é dado por meio de uma substância reagente, que muda de cor ao entrar em contato com as imunoglobulinas (anticorpos produzidos pelo corpo contra infecções). Os testes rápidos para COVID-19 são os que identificam as imunoglobulinas G e M (IgG/IgM). Caso a pessoa já tenha tido contato com o vírus, ela pode ter imunidade temporária ou resistência à doença.

 

Teste molecular:

- Os teste RT- PCR, por outro lado, identificam a presença de material genético do vírus no corpo do paciente. A sigla em inglês significa: Reação em Cadeia da Polimerase com Transcrição Reversa. De acordo com os critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS), são esses testes que determinam de forma mais confiável se a pessoa tem ou não COVID-19.

- Para fazer o exame, são coletadas amostras de secreções do nariz ou da garganta do paciente. Em geral, esses testes são feitos, sob prescrição médica, quando a pessoa apresenta sintomas da doença. Ele não mostra se a pessoa já teve a doença, como os sorológicos, mas se há vírus vivos no corpo da pessoa naquele momento. Esse teste deve ser feito pouco tempo depois de a pessoa apresentar os sintomas. Caso seja feito muito tempo depois, em um estágio final da infecção, pode não haver mais traços suficientes do vírus para um diagnóstico preciso.

 

O que dizem Prefeitura e Estado

 

De acordo com o Departamento de Vigilância em Saúde, "a equipe presta o suporte necessário". Segundo o órgão municipal, "o Estado também acompanha e, a partir de agora, os exames RT-PCR serão coletados pela equipe de enfermagem do local e serão enviados diretamente ao LACEN".

Ainda conforme a DVS, uma equipe do hospital Colônia "faz o acompanhamento e informa os casos e dos óbitos através de uma planilha de monitoramento específica".

A Saúde do Estado não retornou o pedido de entrevista feito pelo Diário de Viamão até a publicação da matéria.

 

O que diz o Hospital Colônia

A reportagem tenta contato com a direção do Hospital Colônia Itapuã.

 

LEIA TAMBÉM

Mini lockdown de Porto Alegre é prévia para Viamão​

Viamão confirma a 9ª morte por coronavírus nesta semana; São 24 vidas perdidas e 276 casos positivos de COVID-19

UTI do Hospital Viamão só tem anestésico para mais uma semana; ’Depois, não sabemos o que acontecerá’, diz diretor

Efeito COVID-19: Profissionais da cultura se reinventam para superar dificuldades causadas pela pandemia

É tudo com a gente; O distanciamento controlado fake

 

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS