Segunda, 25 de MAIO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Em espantoso ato de irresponsabilidade, presidente rompe anunciando isolamento em que estava em razão de risco de contaminação pelo coronavírus e cai nos braços da galera. O mundo se prepara para enfrentar o mal. No Brasil, um arruaceiro toma decisões que pod

Espalha vírus arruaceiro: até quando Bolsonaro abusará da nossa paciência?

por Rafael Martinelli | Publicada em 16/03/2020 às 16h41| Atualizada em 28/03/2020 às 00h29

Associo-me à opinião de Reinaldo Azevedo. 

Já são mais de 191 as pessoas com a Covid-19 no Brasil. Em 24 horas, confirmaram-se 70 novos casos. No cenário de horror que vive a Itália, registraram-se 368 mortes só neste domingo. Já são 24.747 as pessoas com a doença — 3.590 a mais em um dia. Os mortos somam 1.809. Nos Estados Unidos, o Banco Central baixou para zero neste domingo os juros para tentar estimular a economia, em ação coordenada com os bancos centrais Europeu, do Canadá, do Japão e da Suíça. O mundo inteiro adota políticas de prevenção, e os respectivos governos e governantes recomendam que suas populações evitem aglomerações desnecessárias e adotem as medidas preventivas para conter a expansão do novo coronavírus.

Os homens e mulheres que comandam a economia já há tempos adotaram um conjunto de procedimentos para minorar os efeitos da pandemia. O Brasil, no entanto, vive uma circunstância muito particular. Estamos sob a égide de um grupo de psicopatas.

Sim, essa gente chegou ao poder pelas urnas, o que não quer dizer que possam fazer qualquer coisa. Aliás, justamente porque foi a democracia que os colocou lá, eles têm limites. Ou "ele"! É só na tirania que o tirano e seus amigos fazem o que lhe dá na telha.

O Ministério da Saúde comportou-se até aqui com correção e calma. Evitou o pânico, mas jamais negou a gravidade do mal.

Desde a live e do pronunciamento oficial de quinta-feira, no entanto, já estava claro que o presidente Jair Bolsonaro e os celerados que açulam suas milícias digitais estavam dedicados a uma operação malandra. Perigosamente malandra.

O presidente, para todos os efeitos, desestimulou os protestos contra o Congresso e o Supremo nas duas circunstâncias, mas ressaltando o seu suposto caráter democrático, o que é mentira. Na prática, dizia: "Vão protestar".

Nas redes, as páginas mais ativas do bolsonarismo e com vinculação conhecida com o Planalto incentivavam abertamente a realização do protesto, não sem sugerir que essa conversa de coronavírus é só uma conspiração da China, em associação com os comunistas e com o globalismo, para dar um golpe mundial contra os verdadeiros patriotas.

Como evidenciam suas ações, nem Donald Trump, que inventou o Deus cultuado por Bolsonaro — segundo Ernesto Araújo — entrou no modo "negação". Ao contrário: em ano eleitoral, tomou medidas muito duras em favor da contenção.

Ou por outra: a "desmobilização" promovida por Bolsonaro era de mentirinha. Ele queria seus fanáticos nas ruas e criou as circunstâncias para produzir a falsa evidência de que são manifestações espontâneas. De todos os protestos organizados pela extrema-direita, note-se, este foi o menor. E também o mais aloprado.

O que se ouviu foi a voz de pessoas que não acreditam na pandemia, que estão certas de que tudo não passa de uma conspiração, que defendem o fechamento do Congresso e do Supremo e que, como muitos deixaram claro!, querem a decretação de um novo AI-5. O bolsonarismo de rua se reduziu hoje aos defensores abertos do golpe.

O presidente, então, resolveu cair nos braços da galera. Embora se tenha anunciado que estava oficialmente em isolamento, aguardando prazo para realizar novo teste para a presença de coronavírus, ele participou do protesto em Brasília, entrou em contato físico com apoiadores, manipulou o celular de muitos deles para fazer self e, na prática, incentivou manifestações de rua país afora.

Internautas, pensem aí com seus botões: um político assim reúne as condições políticas, morais, éticas e mentais para ser presidente da República? É o mesmo líder que, na terça, atribuiu a exagero da "grande mídia" os receios provocados pelo coronavírus. Na quarta-feira, três membros de sua comitiva desembarcavam no país com a Covid-19 — Fábio Wajngarten, senador Nelsinho Trad e advogada Karina Kufa. Um quarto, Nestor Forster, futuro embaixador do Brasil em Washington, permaneceu, doente, nos EUA.

Enquanto o mundo se organiza para enfrentar a pandemia, o irresponsável que ocupa a cadeira de presidente da República incentiva, na prática, a expansão do vírus. A pergunta que tem de ser feita: até quando um arruaceiro dessa espécie vai abusar da paciência da democracia?

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS