Quinta-feira, 13 de AGOSTO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Jessé Sangalli prometeu doar, até dezembro, metade do salário de vereador para saúde de Viamão

Só golpeachment cassa Jessé na Câmara de Viamão; o ’campeão do ego’

por Rafael Martinelli | Publicada em 13/04/2020 às 23h30| Atualizada em 18/04/2020 às 01h57

O vereador Jessé Sangalli até pode ser cassado pela Câmara de Viamão, mas por desejo dos vereadores, não por uma ilegalidade.

Explico.

Antes, um pouco de contexto.

O midiático parlamentar, que ficou mais de um ano sem partido, filiou-se ao Cidadania. Ao final da janela de transferências partidárias, em 4 de abril, transferiu o domicílio eleitoral para Porto Alegre.

Vilson ‘Viamão E Daí’ Arruda, da rádio Metropolitana web, divulgou nesta segunda que o advogado Rafael Menett protocolou pedido de cassação para que o suplente Canelinha Filho (PSDB) assuma como vereador.

Só que a decisão política é uma coisa; outra é o que está nos textos legais – que tantos rabiscam em cima ‘é verdade este bilhete’.

Os legislativos, obtendo maioria simples, no caso de Viamão 11 entre 21 vereadores, podem cassar até por espirro sem máscara. Restará a Jessé buscar uma volta ao cargo acionando o Judiciário.

O político já tentou um ‘habeas corpus preventivo’ junto à 1ª Vara Cível de Viamão, mas o juiz Cristiano de Azeredo Machado negou, pela manobra de cassação ainda ser, no dia 9, data em que analisou o pedido, uma simples suposição de Jessé.

– Necessário aguardar as informações, a fim de melhor elucidar os fatos alegados – decidiu o juiz, sem analisar o mérito.

Analiso eu e, ao fim, entro também na política.

O artigo 25 da Lei Orgânica do Município de Viamão estabelece que “perderá o mandato o Vereador que fixar residência fora do Município”.

O Decreto Lei 201, publicado em 1967 pelo ditador Castello Branco, que regra até hoje a cassação de prefeito e vereadores, estabelece no artigo 7º que “a Câmara poderá cassar o mandato de Vereador, quando (...) II - Fixar residência fora do Município”.

Só que o caso de Jessé não se enquadra na troca de residência. Conforme a documentação que apresentou na tentativa de ‘habeas corpus’, a troca se deu para a Capital por lá exercer função de servidor público o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, na Praia de Belas. Mas ele continua morando em Viamão.

Observe que tanto a Lei Orgânica quanto o Decreto 201 proíbem a “residência fora do município”.

Conforme o Artigo 42 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965), Jessé pode seguir vereador em Viamão e ainda ser elegível em Porto Alegre na eleição de 2020. Diz o Parágrafo único que “para o efeito da inscrição, é domicílio eleitoral o lugar de residência ou moradia do requerente, e, verificado ter o alistando mais de uma, considerar-se-á domicílio qualquer delas”.

Nas ações de constitucionalidade 16.397/2000 e 18.124/2000 o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já assentou que o conceito de domicílio eleitoral não se confunde, necessariamente, com o de domicílio civil, aquele, mais flexível e elástico, identifica-se com a residência e o lugar onde o interessado tem vínculos (políticos, sociais, patrimoniais, negócios).

Agora, a política.

Se não foi uma coincidência, a ameaça de cassação surtiu um bom efeito para o enfrentamento da crise do coronavírus. Jessé, que recebe R$ 10 mil da Câmara, além dos vencimentos como servidor público do judiciário, anunciou que até o fim do ano vai doar metade do salário para o Hospital de Viamão.

Já na live (para assistir clique aqui) em que garantiu que não renuncia como aconteceu com o vereador Gugu Streit, que também trocou a velha pela nova Capital, as “graves denúncias” que anuncia Jessé, na frente do iPhone na garagem de casa, são daqueles Grandes Lances dos Piores Momentos da política.

O vereador justifica a troca de domicílio eleitoral pela “certeza” de que nenhum partido o deixaria concorrer neste ano, devido às denúncias que apresenta – e, realmente, às faz, como o frustrado pedido de impeachment do prefeito afastado André Pacheco, que tratei em Câmara de Viamão vota abertura de impeachment do prefeito, e sempre com bastante selfies e lives patrocinadas.

Conforme a amalucada teoria da conspiração, partidos tramariam um conluio para tirá-lo da política de Viamão – o que, então, conseguiram, já que Jessé pinoteou para a Porto Alegre de Any Ortiz.

Na real, Jessé sonhava com o Novo, mas o partido não existe, e com a crise do coronavírus viu seu discurso embolorado de estado mínimo ruir frente à gana do Deus Mercado, a fome dos bancos e a miséria da população.

– Socorro estado!

– Somos todos SUSialistas!

Ao fim, Jessé só um ‘golpeachment’ cassa Jessé. Inegável é que no ‘Campeonato do Ego’ eleito está.

Menos, vereador, menos.

 

LEIA TAMBÉM

Prefeito de Viamão, 5 secretários e vereador afastados por suspeita de corrupção

Silêncio é pena capital para prefeito afastado em Viamão; o herói incômodo

’Lava Jato de Viamão’: os diálogos entre o prefeito e o vereador’Lava Jato de Viamão’ bloqueia 15 milhões em bens de prefeito e réus; leia diálogos

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
[email protected]

Rafael Martinelli

Editor
[email protected]

Roberto Gomes

Diretor
[email protected]

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS