O mundo de Alice | Sentimentos que te atravessam: a difícil missão de se concentrar no agora

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Tenho refletido sobre sentimentos que me atravessam, como uma flecha ou uma faca. Angústia, medo e insegurança, tudo isso dentro de uma caixinha pesada e escura chamada de ansiedade.

A ansiedade é uma visita inconveniente, diferentemente da solidão, que traz o silêncio. A ansiedade é aquela visita que não para de falar. Aquela pessoa que não consegue concluir um assunto, aquela pessoa que te interrompe a todo momento, aquela pessoa que você não vê a hora dela ir embora.

Sentimentos que te atravessam são aqueles incontroláveis, desobedientes e impulsivos. É o choro que vem acompanhado da seguinte pergunta: Por que eu estou chorando? Isso é ansiedade.

Um oceano sujo, cheio de coisas que jogaram lá, pensamentos que atropelam e rasgam o peito de modo dilacerante. Momentos em que o cérebro não encontra a razão e se rende ao coração palpitante e acelerado.

Perguntas sem resposta e um futuro cheio de dúvidas, um passado culposo e um remorso que não se explica.

Dentre tudo isso, uma briga entre presente e futuro, presente e passado. É de modo paradoxal que a ansiedade se manifesta, nos sequestrando do agora e nos forçando a olhar para trás ou para frente. E então o exercício mais penoso se torna prestar atenção no que está acontecendo aqui e agora, hoje.

As tarefas que tenho para concretizar hoje, o café que estou passando agora e o aroma que ele tem. O abraço que recebi mais cedo ou o beijo de bom dia. A preciosidade daquela comida que comi no almoço, e a corrida que pude fazer enquanto assistia ao pôr do sol.

Toda essa observação vira um esforço tremendo de se fazer quando a ansiedade nos visita. Ela nos impede de olhar para a vida que há em tudo o que estamos realizando hoje. Os pequenos passos dados todos os dias, e as pessoas que se alegram com a nossa presença. A ansiedade te nega todos esses fatos e te impõem dúvidas sobre o futuro e culpa sobre o passado.

Todos nós já nos sentimos assim em algum momento da vida, paralisados pelos sentimentos que nos fazem sucumbir ao pior de nós mesmos.

E o que nos levanta?

O que nos levanta são as pequenas grandes coisas que presenciamos todos os dias, os detalhes que não são notados por nós. A criança aprendendo a falar, os passinhos cambaleantes. A comida, a coberta quentinha no final do dia, o chá que nos aquece. O amor que ficou mesmo depois de dias complicados, o amigo que permanece mesmo que tenham se afastado.

Todos esses acontecimentos nos trazem para cá, desse lado da vida onde tudo realmente acontece: O agora, o hoje.

O que você está fazendo agora que te faz perceber o presente?

Com amor, Alice.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Conteúdo relacionado

Ana D’Avila | A indecisa

Ela tinha pouca opinião, muitas indagações e uma única e perturbadora incapacidade de decidir. Tudo para Luzia era dúbio. E por ser assim, tudo ficava confuso e difícil. Diz o

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook