O mundo de Alice | Arte: uma religião escondida nas cores?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Dentre milhares de pequenas coisas que me compõem, a leitura, seguida da música, me leva às alturas de minha própria fantasia. Quando leio posso ser viajante sem destino, pássaro voando alto ou baixo, lagarta em constante transformação. Ouvindo música posso sonhar com o cenário que bem quiser, dançar com ou sem plateia. Posso ser teatral, inventar. No mundo onde tudo me encanta e me emociona, um rio eterno de inspiração.

A música, a literatura, a dança, a arte: divindades que merecem contemplação. Outro dia participei de uma discussão sobre religião: seria religião a arte? Ou a arte é uma religião? E quem dirá que um ou outro está certo ou errado?

Me sinto devota ao que é belo e ao que pode ser complexo, aos rituais de todos os povos e todas as suas cores. Me sinto devota ao canto dos pássaros, ao louvor da igreja, ao samba da avenida. Me sinto devota aos encantamentos de tudo o que há e ao que ainda está sendo gerado. Me sinto espantada, envolvida e curiosa. Desde que nasci sou devota dela, da vida em forma de arte e da arte em forma de vida.

Na minha vida as coisas nunca foram apenas o que elas pareciam ser, elas sempre foram muito mais do que podiam ser, por causa da arte.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Conteúdo relacionado

Ana D’Avila | A indecisa

Ela tinha pouca opinião, muitas indagações e uma única e perturbadora incapacidade de decidir. Tudo para Luzia era dúbio. E por ser assim, tudo ficava confuso e difícil. Diz o

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook