O mundo de Alice | Terapia

O quanto de nós é algo desconhecido para nós mesmos e o quanto de tudo isso nos compõem?

O quanto de nós é arrependimento por não ter feito o que podia, e o quanto de nós é arrependimento por ter feito até demais?

Qual parte de nós grita? E, qual parte de nós cala? Qual parte nossa decide se atirar, e qual parte decide esconder, reprimir e guardar?

Para onde tudo isso vai? Em que rio desagua tantas dores, tantas alegrias e tantas emoções? Quem lida com aquilo tudo que poderia ser, mas não foi?

Em que caixa essas roupas estão empilhadas? E quem as veste? Por que as veste?

O quanto disso tudo precisa ser dito? Ou deveria ser dito? E se não se expressa o que se silencia, para onde vai esse vazio?

A que fere? A quem beneficia? E se não fere e nem beneficia, quão belo se torna todo esse caos? A beleza pode ser dor? Ou a dor é que pode ser bela? E se não, como é que cura?

A bagunça é infinita ou ela tem fim? E se tem fim, quem te direciona? E se você é o piloto, quem te ensina a pilotar? E não é você, então quem?

Quem responde essas questões? E se sou eu, quem me ajuda a formular as perguntas certas?

 

Com amor e carinho, Alice.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa NewsLetter

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook