Saul Teixeira | Tamoio e o estágio digno de Copa do Mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
IMAGENS : Saul TeixeiraArquivo pessoal

Estava no terceiro dia como estagiário de Jornalismo. A escala me mandou ao estádio Edgard Leitão Teixeira, o popular campo do Tamoio, no centro da cidade.

Em pauta um seleto grupo de ex-jogadores que atenderam ao chamado de Paulo Roberto, campeão Mundial pelo Grêmio, em 1983. O ingresso era alimentos não perecíveis.

Meu primo mais novo me acompanhava. Tirei o gravador da mochila, testei o áudio e fui à luta.

– Bom dia, Taffarel! Primeiramente, muito obrigado por 94.

Ele responde:

– Que nada, guri, nós que agradecemos pelo apoio e pela torcida de sempre

Sigo:

– Hoje é minha estreia como estagiário. Poderia me relatar a importância deste amistoso?

Taffarel, solícito, completa:

– Claro! O futebol hoje aqui está em segundo plano. O principal é a iniciativa solidária do Paulo Roberto. É muito gratificante estar entre amigos e ajudar quem mais precisa.

Saul com Taffarel

 

Agradeci! Imediatamente deixei o profissionalismo de lado e apelei para a tietagem. Poso pra foto e colho o autógrafo de um dos principais responsáveis pela minha paixão quase platônica pela arte de chutar a bola. Meu primo faz o mesmo, embora tivesse apenas três anos quando da Copa do Mundo dos Estados Unidos.

A bola rola. Taffarel como falso 9. Literalmente, hehe!! Chuteiras vermelhas, modelo idêntico ao que Fernandão ostentou contra o Barcelona nove meses antes. Paulo Roberto, o anfitrião, na função de camisa 8. Entretanto, a 10 teria sido pouco pra ele. “Quanto desperdício técnico ter sido lateral”, pensei. Àquela altura, eu ainda não sabia que o futebol brasileiro dos anos 70, 80 e início dos 90 era pródigo de craques do goleiro ao banco de reservas.

PC, cria do Tamoio

 

Batista, ex-jogador da dupla, da Seleção, e comentarista, também estava na barca. Não desmaiou, embora a sensação térmica fosse de 300 graus à sombra na Capital do Mundo. Feitooooooo!! Paulo Brito também presente, além do craque do Futsal, Ortiz e o ex-zagueiro e treinador Argel, o homem do trator que pifou num Gre-Nal disputado às 11 da manhã no Beira-Rio anos mais tarde, hehe!

Final de clássico. Não lembro se ficamos para o almoço festivo. No dia seguinte, baixo as fotos, decupo as entrevistas, fecho o texto e passo à editoria. Na sexta-feira posterior, o lugar mais alto do pódio: conteúdo nas páginas com os devidos créditos. A sensação foi de bola na rede. Ou melhor: Bola de Ouro.

Anos mais tarde, volto ao mesmo palco para cobrir a mesma pauta. Vivi para ver o pequeno público vaiar efusivamente toda a vez que Roberto de Assis Moreira, o irmão de Ronaldinho Gaúcho, pegava na bola. Vaia muito mais que merecida, diga-se de passagem. Futebol não pode ser reduzido à lógica perversa do capitalismo selvagem. E tenho dito.

Em outro ano, nova experiência marcante no mesmo jogo festivo:

 

– Saul, nosso narrador não poderá vir. Tu podes?

– Nunca narrei, mas homem feio sem coragem não arruma namorada.

– Então tá. O microfone é todo seu. Boa sorte!

E assim fui. Aos trancos e barrancos, mas fui. “O narrador é ruim, mas é o que a casa oferece”, dizia eu, como bordão e arrancando gargalhada inclusive dos próprios jogadores.

Em outras dezenas de vezes voltei ao estádio para registrar jogos das categorias de base do rubro-negro nas tardes de quarta-feira. Na esmagadora maioria das vezes contra a dupla Gre-Nal.

Chegava e… pênalti contra! Noutro dia, gol do rival… Em outro, jogador nosso expulso. E assim foi por longos jogos. Felizmente para o Índio Viamonense, eu fazia algumas fotos e logo voltava à redação. Ao final dos jogos, ligava para a diretoria para saber o placar derradeiro. Não raras vezes, tínhamos virado o marcador. O apelido de Micky Jaeger, porém, era mais do que inevitável.

Na última terça-feira, o rubro-negro celebrou 77 anos de uma linda história. Paíca, Paulo Roberto, Pedrinho e o goleiro Fernando Prass são alguns dos amadores que chegaram ao profissionalismo e ganharam o Rio Grande, o Brasil e o Mundo. Atualmente, o Tamoio Futebol Clube é uma das forças da elite do futebol gaúcho nas categorias da gurizada.

Meses atrás, no corrente ano, é claro, voltei a região próxima às margens da ERS-118. Não resisti, retirei o fio de luz vermelho que prendia o portão de ferro lateral e fui pra galera.

Foto fake como treinador. Clique feito pelo meu colega de trabalho. Depois, realizei giro 360 graus. Memórias lotando as arquibancadas. Saudade dando goleada e…

– Au, au, au, au!!!

Eu e o meu amigo estamos correndo até hoje. Com a certeza de que o Tamoio, de fato, é um clube bom (também) para cachorro.

Obrigado, Rubro-Negro da Velha Capital. Que venham os próximos 100 anos. Com muitas memórias, estreias, poucas vaias e bola na rede em abundância. O que o estágio uniu, ninguém separa.
Que os deuses do Jornalismo Esportivo digam amém.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Conteúdo relacionado

Ana D`Avila | A desaparecida

Foi assim, sem mais nem menos, que ela desapareceu. Carioca da gema, poetisa, escritora e entrevistadora… sumiu. Não houve jeito de localizá-la. Nem fazendo uma “live” no Facebook, nem ligando

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook