Ciúmes em Águas Claras

Ele morava em Porto Alegre, era motorista de Uber. Já pela manhãzinha começava sua labuta, em trajetos triviais pelas ruas da Capital. Num sábado de muito frio e neblina recebeu chamada pelo aplicativo. Achou que a corrida seria de pouca distância. Enganou-se.O inusitado aconteceu. E ele mudou seus planos para aquele dia.

À cerca de oito meses namorava uma linda moça de Águas Claras. Ora se encontrava com ela em Porto Alegre, ora em Viamão. Ele tinha 23 anos e um propósito de casamento. Ela, dezoito. Mas o amor deles andava num ciclo não muito harmonioso. Para evitar o fim do namoro, a moça convidou-o para um almoço especial no Sítio onde morava. A família dela estaria toda reunida. Inclusive seus pais e irmãos.
Mas como no destino ninguém manda, aconteceu um contratempo. No sábado do almoço ele pensou em dobrar seu trabalho. Com o dinheiro adquirido planejava levar um presente para a namorada. Talvez, um bom vinho chileno para agradar os pais da garota. Tudo estava marcado para o meio-dia.
Às 11 horas da manhã, depois de ter feito já algumas corridas de pouca distância, atendeu o celular. Era uma senhora que queria um deslocamento da zona sul à zona norte. Porto Alegre, às vêzes, se iguala à São Paulo. Os deslocamentos são longos. E vai-se por aí, uma hora e meio de puro trânsito.
Mesmo usando GPS o garoto se perdeu na cidade. Já estava ficando nervoso. Não encontrava a rua que a senhora queria. E pensava no atraso para ir ao almoço  da namorada. Andava, andava e nada. Aí toca o celular. Era dez para o meio-dia .Em viva voz a namorada perguntava: "Onde estás? Estamos todos te esperando aqui no sítio para o almoço. Vens?" Ele fica trêmulo e responde estar trabalhando. "Esta certo", disse ela.
Na verdade ele estava perdido na zona norte de Porto Alegre. Apertava a tecla do celular e era pior do que imaginava. Não havia meio de encontrar a dita rua. Sua passageira já estava perdendo a paciência. Aí toca o telefone novamente.
A namorada estava ficando descontrolada. Disse: "Vens ou não vens? Onde estás trabalhando? Qual a rua?".Este era o problema, qual a rua.Ele nervoso e sem saber como sair da situação, se altera. "Estou trabalhando desde cedo". Ela bate o telefone na cara dele. Ele bloqueia a ligação. Depois religa.
Era a namorada mais uma vez. "Olha, não precisa mais vir. Fica aí com teu trabalho". Neste momento entra numa avenida e acaba encontrando o endereço de sua passageira. Que ouvindo toda a estória do motorista resolveu dar um conselho.

"Moço rume para Viamão. Chegue atrasado, mas vá. Explique a ela o que aconteceu. Leve uma flor ou uma caixa de bombons para sensibilizá-la. Ela com certeza, entenderá" .E pergunta: "Sua namorada é ciumenta"? Ele ri e responde: "Muito". Pede desculpas à passageira pelo incômodo causado. E ruma aliviado para o sítio de Águas Claras. 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook