Como uma onda

Estive pensando e cheguei à conclusão de que a nossa vida se comporta, na maioria das vezes, como a nossa mãe natureza. Hoje acredito que somos bem parecidos com o mar. Um oceano cheio de mistérios como o nosso cérebro, vasto como as nossas capacidades.

Muitas vezes calmo e límpido, outras, nebuloso e furioso, como o nosso estado de espírito. Capaz de fornecer alimentos, como os que precisamos para alimentar a nossa alma, que são: amizade, amor, serenidade e paz.

Profundo como os nossos sentimentos e rico em vidas que necessitam dele para sobreviver, assim como os nossos sonhos, objetivos e pessoas que precisam de nós de alguma forma e,que nos fazem seguir em frente e ter vontade de continuar.

Vejo a vida como o oceano, nós como as ondas e o continente como os nossos objetivos. Às vezes chegamos aos nossos objetivos mansamente, sem turbulência alguma, como uma onda serena que acaricia a areia.

Outras necessitamos brigar para conseguir o que queremos e então nos transformamos em ondas agitadas, gigantescas e furiosas, capaz de derrubar muralhas. Muitas vezes encontramos ao final, uma praia repleta de coisas que não eram para estar ali. São os nossos problemas.

Cada um tem o seu continente, o seu objetivo. Cada um o busca da forma que acha que é a correta e assim dá forma à sua onda. Na verdade não importa muito se o teu mar é agitado ou calmo. Importa na verdade é se tem o poder de fornecer alimentos para outras vidas e a capacidade de chegar ao teu objetivo.

Percorremos caminhos variados até alcançarmos o que queremos e, muitas vezes chegamos à conclusão de que nos preocupamos com coisas materiais que nem sempre nos completam e deixam o nosso mar sem visibilidade alguma.

Então, é necessário fazermos coisas que alterem o que não está bom, para queo nosso mar esteja sempre tranquilo e transparente, assim como queremos a nossa vida.

Assim como o mar deixa na praia coisas que não lhe pertence e que não foram pedidas, a vida faz o mesmo. Aparecem-nos situações que foram impostas sem o nosso consentimento ou conhecimento, muitas nos trazem alegrias, outras dificuldades e com elas o crescimento para que nunca desistamos. Assim como a praia, aceitamos e nos adequamos as mais variadas situações.

Não esqueça que “todos”, sem exceção, somos sempre mar, somos sempre ondas em busca do continente, onde a expectativa é de encontrar uma praia limpa e repleta de sol, mas, caso o tempo fique nublado, não deixe nunca de ser “como uma onda”.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Elon Musk e o lítio da Amazônia

Seu encontro com o “capitão” suscitou debates sobre reservas brasileiras do minério, essencial à indústria de microchips e baterias. Inexploradas, poderiam gerar riquezas e soberania tecnológica. Mas nada prosperará sob

Leia mais »

Receba nossa NewsLetter

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook