A incrível história da escola que só bebe água de pipa

Professoras e os alunos da Podalírio / foto: arquivo pessoal

Imagine estudar em uma escola em que não existe água encanada. O abastecimento é semanal, através de um caminhão-pipa, e até a água que cai do bebedouro precisa ser reaproveitada para que os funcionários possam manter os ambientes limpos.

Mas, e se o caminhão estragar? E se chover muito forte e as estradas não permitirem o acesso até lá? Isso mesmo, o lugar fica sem água.

Essa realidade não é um lugar distante, remoto, que você vê na TV. É aqui do nosso lado, em Itapuã. A situação da Escola Municipal de Ensino Fundamental Podalírio Oliveira Fraga, que já tem 55 anos de existência, parece história fictícia, mas é real. Ela é a única escola do município sem acesso a água potável.

A professora e diretora, Maria Teresinha de Oliveira Medeiros, que atua no lugar desde 2014, conta que a realidade já se tornou rotina para os alunos que aprendem, antes de tudo, sobre a importância do racionamento.

— Nós temos duas caixas d’água, de mil litros cada, e somos 30 pessoas na escola (25 alunos, duas professoras e três funcionários). Com as campanhas de racionamento que fizemos com os alunos, conseguimos manter nossa reserva por uma semana. Assim seguimos. Tudo o que pode ser reaproveitado por nós, assim é feito — diz.

O caminhão-pipa, enviado pela prefeitura, nem sempre consegue chegar até a escola, que fica localizada em zona rural. Em uma situação no último ano, os alunos já ficaram até quatro dias com as caixas vazias.

— É comum o caminhão ter algum problema mecânico ou as estradas ficarem sem condições de tráfego. Nestes casos, não tem muito que fazer. Há um tempo foi feito um poço, mas ele nunca funcionou de verdade. A água não tinha um cheiro bom e era amarelada. Por isso, desistimos de usar.

 

Realidade será transformada

 

A boa notícia, que deve mudar para melhor a realidade da comunidade escolar, veio na última sexta-feira (21). A Podalírio Oliveira Fraga foi selecionado para fazer parte do Programa Água Para Todos – Universalização de Acesso à Água nas Escolas Rurais do Rio Grande do Sul.  O anúncio foi feito, no Palácio Piratini, com a presença do governador José Ivo Sartori e do ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.

Conforme o que foi divulgado pelo Estado, serão construídas cisternas com placas de cimento com capacidade para armazenar 52 mil litros. Elas poderão garantir o acesso à água por oito meses. Cerca de 160 escolas rurais agora terão acesso a água potável em 71 municípios do estado.

A diretora Maria Teresinha esteve presente na cerimônia, mas diz que ainda não recebeu a informação de quando a escola irá receber o investimento.

— O que nos passaram é que será rápido, mas prazos ainda não têm. Quem irá ficar à frente do projeto aqui em Viamão será a Emater.

 

Escola foi destaque na mídia estadual

 

Com um projeto inovador de educação ambiental, idealizado pela diretora, a Podalírio teve destaque estadual em 2014. Apesar das dificuldades estruturais, Maria Terezinha, através de latas usadas, fundou a primeira banda marcial da escola em cinco décadas de existência. A história foi contada na página Caminho do Bem, do Diário Gaúcho.

Com a repercussão, uma escola de Guaíba doou instrumentos para ampliar a banda e um grupo de recicladores de Viamão doou túnicas, calças e sapatos para os estudantes. 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa NewsLetter

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook