Comprar ou não um celular chinês?

Eis a questão Nos últimos dias, duas pessoas próximas de mim me perguntaram o que eu achava sobre os celulares de marcas chinesas como Xiaomi e Vivo (não confundir com a operadora brasileira). Depende muito. Nos últimos anos, se popularizou muito as compras por sites como AliExpress, que oferecem milhares de bugigangas, entre elas, celulares que prometem ser melhores que qualquer Samsung ou iPhone. Mas é sempre bom ficar atento a algumas dicas. A maioria das fabricantes não oferecem suporte oficial no Brasil, impossibilitando que possam ser feitos reparos ou problemas sejam resolvidos. Além disso, eles não são homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (todo aparelho celular deve passar por testes antes de ser vendido no Brasil). Com isso, o órgão não pode atestar a qualidade do sinal celular, internet sem fio, entre outros.

No caso da Xiaomi, porém, os interessados na marca podem comprar um smartphone usando o site oficial da companhia no Brasil, que recentemente foi aberto, ou visitar a loja oficial da empresa em São Paulo. Importante frisar que a chinesa só oferece garantia para os celulares vendidos aqui no Brasil. Claro, os preços não serão tão tentadores do que aqueles vistos em lojas como a AliExpress, mas você sabe que estará comprado um produto com garantia nacional.

Vale ou não vale?

Se você quiser arriscar a compra, terá que ficar atento com relação ao frete, que pode ser bastante alto, ou ainda com as taxas de importação da Receita Federal, que são incluídas no preço do produto na sua chegada ao Brasil. Se você quiser comprar um smartphone baratinho, a dica é ficar de olho em sites como Mercado Livre, que oferecem dezenas de opções de smartphones chineses com preços bons e já localizados em território brasileiro, evitando taxas extras. Os aparelhos mais buscados nesses sites são o POCOPhone F1, da Xiaomi, os modelos da marca OPPO e o OnePlus, que faz bastante sucesso nos Estados Unidos por oferecer experiências de celulares topo de linha por preços intermediários.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook