Números de uma guerra: atualização aponta 648 vidas perdidas para a COVID-19 em Viamão; Estamos chegando, oficialmente, a 8 mil casos

De acordo com os dados mais recentes divulgados pelas secretarias municipal e estadual da Saúde (SMS), o total de casos confirmados da COVID-19 em Viamão aumentou para 7.964. As vidas perdidas nesta pandemia (até 1º de junho) somam agora 648, sendo, conforme o governo gaúcho, três a mais em relação ao levantamento anterior.

De acordo com a SMS, 20 pessoas estão internadas com a doença em Viamão e outras 42 em hospitais da Capital. Há um aumento no número de internações no comparativo com os últimos 15 dias.

 

Eis a verdade inconveniente em números:

 

7.964 casos desde 20 de março de 2020 – 4.637 confirmados no ano passado e 3.327 nos primeiros cinco meses de 2021.

112 moradores de Viamão têm o vírus ativo, ou seja, permanecem em tratamento;

648 mortes – 407 delas ocorridas neste ano (62,81% do total);

São 59 vidas perdidas em maio, com média diária de óbitos de 1,90/dia. 

A média de 2021 está em 2,71/dia, enquanto a de 2020 foi de 1,03/dia;

O pico de mortes ocorreu em março deste ano, com 187 (média de 6,03/dia).

 

Óbitos por COVID-19 em 2020 – por mês de ocorrência e média diária:

 

MARÇO: 0

ABRIL: 0

MAIO: 5 – (0,16/dia)

JUNHO: 10 – (0,33/dia)

JULHO: 64 – (2,06/dia)

AGOSTO: 51 – (1,65/dia)

SETEMBRO: 19 – (0,63/dia)

OUTUBRO: 34 – (1,09/dia)

NOVEMBRO: 22 – (0,73/dia)

DEZEMBRO: 36 – (1,16/dia)

 

TOTAL – 241 (corresponde a 37,19% do total de mortes)

 

Óbitos por COVID-19 em 2021 – por mês de ocorrência e média diária:

 

JANEIRO: 29 – (0,94/dia)

FEVEREIRO: 41 – (1,46/dia)

MARÇO: 187 – (6,03/dia)

Abril: 91 (3,03/dia)

Maio 59 (1,90/dia)

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Elon Musk e o lítio da Amazônia

Seu encontro com o “capitão” suscitou debates sobre reservas brasileiras do minério, essencial à indústria de microchips e baterias. Inexploradas, poderiam gerar riquezas e soberania tecnológica. Mas nada prosperará sob

Leia mais »

Receba nossa NewsLetter

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook