Smartphone com tela dobrável da Samsung chega ao Brasil por R$12.999

A Samsung enfim vai lançar seu smartphone com tela dobrável no Brasil. A empresa realizou um evento especial com jornalistas em São Paulo nesta quinta (16) em São Paulo, onde mostrou algumas das funções diferenciadas do celular. 

Já comentei sobre o Fold aqui na coluna, quando ele começou a ser distribuído após a correção de problemas em seu design, que inicialmente causaram muita dor de cabeça para a empresa. Com os problemas devidamente resolvidos, ele está sendo vendido em diversas partes da Europa e América. 

Para quem ainda não conhece, o Galaxy Fold foi o primeiro celular com uma tela dobrável a ser lançado comercialmente. Na parte de fora, uma tela de 4,6 polegadas para atividades cotidianas. Ao abrir o aparelho, o aparelho conta com uma telona de 7,3 polegadas. O painel maior proporciona uma experiência imersiva, possibilitando o uso de até três apps simultâneos. 

A única incógnita quanto ao seu lançamento no Brasil era sobre seu preço. Por se tratar de um aparelho caro lá fora – $1980 (cerca de R$8260 em conversão direta, sem contar os impostos), o Galaxy Fold chega ao país com preço oficial de R$12.999. Será um celular para poucos. 

Pelo alto preço, a empresa oferece uma troca da tela dobrável por um preço promocional de $199 (R$830), além de enviar na caixa os seus fones de ouvido sem fios Galaxy Buds. A estratégia de vendas do Fold no Brasil será diferenciada. Ele será vendido por apenas 24 horas, entre os dias 22 e 23 de janeiro, através do site da empresa. Mais informações podem ser obtidas no site da companhia sul-coreana. 

Outro celular com tela dobrável que deve desembarcar nos próximos meses no Brasil é o Motorola razr, que será baseado no icônico design do V3, lançado na década de 2000. 

E aí, vai encarar? 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Elon Musk e o lítio da Amazônia

Seu encontro com o “capitão” suscitou debates sobre reservas brasileiras do minério, essencial à indústria de microchips e baterias. Inexploradas, poderiam gerar riquezas e soberania tecnológica. Mas nada prosperará sob

Leia mais »

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook