Abaixo-assinado será enviado à Corsan

Depois de mais uma semana com sucessivas faltas de abastecimento de água, os moradores de Viamão decidiram se organizar e criar um abaixo-assinado que demonstre a insatisfação dos consumidores com o serviço prestado pela Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan). O documento foi criado há dois dias e, até a manhã desta quarta-feira (8), já contava com mais de 200 assinaturas. Após atingir a meta de 500 apoiadores, o abaixo-assinado será enviado para a direção da companhia.

No final de janeiro, o diretor-presidente da Corsan, Flávio Ferreira Presser, apresentou, ao prefeito de Viamão, André Pacheco, o projeto de Parceria Público-Privada (PPP) para a prestação de serviços de esgotamento sanitários que vai beneficiar nove municípios da região metropolitana, entre eles a cidade de Viamão. Com esta parceria, a expectativa da cobertura da coleta e tratamento de esgoto no município atinja 87,3% num prazo de 11 anos – atualmente, Viamão conta apenas com 1% de esgoto tratado.

Na ocasião, segundo o diretor-presidente, ainda nesse ano, com a entrada em operação da Estação de Tratamento de Esgoto e as obras que estão em andamento, o índice deve ir para 22%, chegando a 47% até 2021. Com as obras da PPP, em 2027 a cidade deve alcançar a universalização.

Além disso, foi falado também sobre a Estação de Tratamento de Água, que terá a licitação aberta ainda neste primeiro semestre. A Estação será construída no distrito de Itapuã, conforme prevê as metas a curto prazo do novo contrato de concessão para o fornecimento de água e serviços de saneamento, assinado em 2015. A nova estação prevê a captação de águas do Lago Guaíba e tratamento e reservatório de água em território viamonense. Com isso, o sistema de abastecimento será ampliado e terá maior garantia, já que vai evitar o desabastecimento tanto pelo racionamento da água, quanto pelas chuvas. Conforme o novo contrato, a Estação deve estar operando em Viamão até janeiro de 2020.

Confira o que diz o texto do abaixo-assinado, criado pela moradora Marcia Cristina Akama:

“Pagamos uma das taxas mais caras do Brasil para termos água potável nas torneiras, coisa que não ocorre na cidade de Viamão, pois tem bairros que chegam a ficar mais de 2 dias sem água. Esse problema não é de agora é há muitos anos muda prefeito, governo e nada é feito. Precisamos mudar isso, nos mobilizar pra que seja tomada uma atitude, se pagamos impostos e taxas, temos que poder abrir as torneiras e ter água”.

Quer assinar o documento? Clique aqui.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa NewsLetter

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook