Em assembleia, professores decidem por não retornarem às salas de aula; Prefeitura mantém reabertura para esta quarta-feira

Em assembleia realizada pelo Sindicato dos Municipários de Viamão (SIMVIA), os professores da rede municipal decidiram por paralisação de três dias. A Prefeitura foi comunicada nesta terça-feira (4), mas informou que mantém a reabertura das escolas para amanhã (5).

No início da tarde, o SIMVIA emitiu nota sobre a reunião organizada na noite da segunda-feira (3). O texto cita as preocupações da categoria com a pandemia da COVID-19. 

Para a presidente Maria Darcila Tinoco, os protocolos de prevenção em vigor seriam insuficientes, e por isso geram receios entre os educadores. Diante disso, a categoria entende que a vacinação de todos os profissionais que atuam na rede municipal é uma das principais reivindicações para o retorno presencial.  

– Na assembleia, 80% votou por não voltar à sala de aula. Entregamos ao prefeito uma carta justificando nossa posição e voltaremos a nos reunir para debatermos a sequência da mobilização – afirma Tinoco.

O SIMVIA listou sete motivos para não voltar à sala de aula:

 

1. O número de óbitos por coronavírus, que já é de 590 (até 3/5), o número de internações no hospital Viamão e em Porto Alegre (68 pacientes);

 

2. A fragilidade no cumprimento dos protocolos de prevenção ao contágio do covid-19 em todas as secretarias da Prefeitura.

 

3. Desconhecimento por mais de 90% dos servidores dos protocolos de segurança atuais de suas secretarias;

 

4. Implementação de fato dos protocolos de segurança nas secretarias;

 

5. Vacinação para todos os servidores da rede municipal;

 

6. Valorização dos servidores – reposição da inflação aprovada ainda na gestão Russinho e jamais paga aos educadores;

 

7. Abertura de diálogo entre o prefeito e o Sindicato, por meio de agenda permanente.

 

O que diz a Prefeitura

 

Questionado pela coluna, o Gabinete do Prefeito informou que a volta do ensino presencial para a Educação Infantil e para os primeiros e segundos anos do Fundamental está mantida. Dias 5, 6 e 7, conforme calendário anteriormente divulgado.
O gabinete não quis comentar a paralisação anunciada pelos professores.

Comento eu: o bode está posto na sala. Cada um puxa a corda para onde quer: pais estão preocupados com a "aprendizagem" dos filhos como nunca antes, e os defensores da família tradicional brasileira produzem textões indignados, geralmente dizendo que professor não gosta de trabalhar. Enquanto isso, as crianças são usadas como pretexto emocional para atender a interesses políticos e econômicos. E não importa se alguns adoeçam, desde que esses "alguns" não sejam "alguns" dos deles.

A educação, de repente, virou prioridade, mas o debate se limita a enfiar todo mundo numa sala por quatro horas diárias. Como se de paredes, apenas, dependesse a qualidade do ensino brasileiro.

Quem dera existisse vontade política em vacinar os professores…

 

Leia também:
Professores em ’Estado de Greve’ em Viamão – Leite rasgou as bandeiras e bagunçou a vida dos educadores e das crianças

A Coronavac acabou; Viamão segue vacinando primeira e segunda doses com AstraZeneca/Oxford

Leite vai brincar de colorir mapinha? Viamão e o resto da Grande Porto Alegre querem bandeira vermelha por decreto

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook