Justiça afasta André Pacheco por mais 120 dias; A cassação antecipada e a morte anunciada

Em fevereiro, quando o Rafael Martinelli deu início à cobertura da "Lava Jato de Viamão", ele foi lúcido ao cravar que culpado ou inocente, André Pacheco restaria alijado politicamente da Operação Capital. Não errou.

As investigações ainda não encerraram, o Ministério Público (MP) sequer ofereceu denúncia e, salvo nova movimentação processual nas próximas horas, os demais suspeitos apontados terão seus afastamentos findados no começo da semana que vem.

Menos André.

A decisão do desembargador da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RS (TJ) Julio Cesar Finger nesta tarde (7) em acatar pedido do MP e prorrogar o afastamento do prefeito de Viamão escolhido pelas urnas é, na prática, cassação de mandato antecipada. É a morte política de Pacheco, eis que ao fim do novo prazo, desta vez de 120 dias, terá transcorrido o ano, a eleição e o desgaste da imagem será praticamente irreversível.

Sem juízo de valor sobre culpa ou inocência, mas o pedido do Ministério Público indica que há mais por apurar. E o aceite da Quarta Câmara do TJ corrobora a tese de que Pacheco segue com muita influência nos bastidores – foi essa a justificativa para mantê-lo longe da Prefeitura até dezembro, conforme o Diário mostrou em Os motivos que levaram o MP a pedir a manutenção do afastamento de André Pacheco. E a hipótese ganha força quando ele é visto em reunião com vereadores de diferentes correntes ideológicas que articulavam o acordão para a mesa diretora da Câmara e a escolha do seu próprio substituto.

De que adiantariam 22 dias de gestão, no apagar das luzes de 2020, após 300 dias de afastamento? A ironia aqui é que André deveria torcer para que o MP ofereça logo sua denúncia. Marcado na testa, ele já está, por tudo que paira contra si. Assim, poderia tratar de sua defesa e tentar construir uma narrativa que lhe favoreça, o que não conseguiu até agora.

Tentar provar inocência e voltar logo à cadeira é o pouco que lhe resta.

E aos defensores que questionam neste momento porque não ventilo um arquivamento do processo, respondo que é chance remota, para não dizer nula. Fosse o contrário, nenhum desembargador de Justiça em sã consciência assinaria uma cautelar que praticamente extingue um mandato.  

Ao fim, fecho com a frase do Martinelli no primeiro dia do afastamento: "André Nunes Pacheco é um cadáver político sob o risco de, ao fim do processo penal, ou a qualquer momento, ser preso."

 

O que decidiu o Tribunal de Justiça:

O desembargador da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RS (TJ) Julio Cesar Finger acatou nesta tarde (7) o pedido do Minstério Público e prorrogou o afastamento do prefeito de Viamão André Pacheco por mais 120 dias. O político permanece impedido de frequentar as estruturas do Poder Executivo, de contratar com o município ou manter contato com os demais investigados pela Operação Capital até dezembro deste ano.

A Procuradoria Geral do Município e a Câmara de Vereadores já foram notificadas pelo TJ da decisão. Com isso, Nadim Harfouche permanece no comando da Prefeitura, salvo se as ações judicias e políticas do vereador Evandro Rodrigues (DEM) tenham desfecho favorável ao grupo opositor (MDB, PSB e DEM).

 

O que diz o prefeito:

André Pacheco e seus advogados mantém silêncio desde o início da Operação Capital. A coluna oferta espaço para eventuais manifestações.

 

 

 

LEIA TAMBÉM

 

Como secretário foi envolvido na ’Lava Jato de Viamão’; Carlito Gandhi de Calcutá

’Lava Jato de Viamão’ bloqueia 15 milhões em bens de prefeito e réus; leia diálogos

Dédo Machado: ’Não posso jogar 27 anos da minha vida pública na lata do lixo por irresponsabilidade de um menino que está sendo comandado

Homem por trás do afastamento de André Pacheco rompe o silêncio um ano após denúncias que deram origem à ’Lava Jato’ de Viamão

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Compartilhe esta notícia:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook